Brasil assina acordo com a Rússia para sistema de mísseis antiaéreos


Brasil e a Rússia já iniciaram negociações para o fornecimento de sistemas de segurança Foto: RIA Nóvosti





A Sociedade Anônima Fechada “KBP” está se preparando para abastecer o Brasil com sistemas antiaéreos de mísseis Pantsir-S1 e baterias antiaéreas Igla. Com novos equipamentos, o governo brasileiro pretende garantir a segurança durante a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadas de 2016, no rio de Janeiro.


A primeira visita oficial da delegação brasileira à KBP, encabeçada pelo Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Brasil, general José Carlos De Nardi, aconteceu no final de janeiro.


“O grupo incluía chefes do Comando Militar, especialistas em aviação militar, da Marinha e do Exército, bem como representantes do governo empresários, banqueiros e homens de negócios”, informou um comunidade da empresa.


A delegação com mais de 20 pessoas chegou, acompanhada de representantes da Rosoboronexport, do Serviço Federal de Cooperação Técnico-militar da Rússia e da Associação de Pesquisa e Produção “Sistemas de Alta Precisão S. A.”.


“No Brasil, dizem que sempre existe uma primeira vez, e essa vez chegou para as armas russas”, disse o chefe da delegação brasileira em seu discurso inicial. “Nossa delegação está aqui para que a sexta economia do mundo, o Brasil, adquira um sistema de defesa antiaérea como o da Rússia. Hoje, começamos a trilhar esse caminho.”


Em seguida, a empresa russa realizou uma apresentação do sistema antiaéreo Pantsir-S1, dando ênfase às suas peculiaridades construtivas e operacionais, como a combinação de mísseis e canhões, a precisão na orientação dos mísseis e a destruição de alvos com o sistema de mísseis e canhões em movimento, entre outros aspectos.


Além disso, segundo os produtores, a “arquitetura” do sistema está em aberto, e a pedido do cliente, ele pode ser instalado em qualquer veículo.


Ainda durante o encontro, o general José Carlos De Nardi ressaltou que o Brasil é um país parceiro, com interesse em trabalhar forma conjunta. Para tanto, os convidados ficaram interessados em conhecer as opções de contrato para a fabricação e fornecimento de componentes individuais do sistema, com transferência de tecnologia.


Os presentes também puderam conhecer o centro de treinamento, em especial as salas de aula para a formação de especialistas que operam o sistema de defesa antiaéreo “Pantsir-S1”, e ver exemplares de máquinas de guerra e do sistema.


Ao final da reunião, o chefe da delegação brasileira fez questão de agradecer a recepção calorosa. “De longe, não tínhamos uma noção precisa de como era o sistema, mas estou contente em conhecer esse produto de tão alta qualidade”, afirmou o general.Publicado originalmente pela Tulskaya Pressa

Comentários