MORTALIDADE E AS CONDIÇÕES SOCIOECONÔMICAS EM ALAGOAS



O objetivo do presente trabalho é fazer uma análise da mortalidade e as condições socioeconômicas em Alagoas no período de 1981-2004. Inicialmente, são descritas as principais políticas de saúde que foram implementadas nesse período no Brasil e também em Alagoas. A seguir, é analisada a evolução temporal de indicadores de mortalidade e a sua relação com alguns indicadores socioeconômicos. Os dados mostram uma tendência decrescente da mortalidade no período de 1981-2004, embora as mortes decorrentes de homicídios tenham apresentado uma tendência crescente e a taxa mortalidade na infância ainda tenha se mantido em um patamar elevado. Dentre as causas que contribuíram para que não houvesse uma redução ainda mais significativa da taxa de mortalidade na infância, destacam-se o baixo crescimento da renda, desigualdades sociais e o elevado nível de pobreza que excluíram uma grande parte da população do acesso à educação, saneamento e bens e serviços de saúde, acarretando elevadas taxas de mortalidade. Portanto, ao considerar que o estado apresenta uma das piores situações socioeconômicas do País, fica patente a necessidade de políticas públicas mais eficazes ao que se refere à melhoria nos níveis de pobreza, saúde e educação que têm grande relação com acesso a emprego e conseqüentes aumento de renda. 



Texto completo: PDF

César A. O. Tejada, Paulo de Andrade Jacinto, Anderson Moreira Aristides dos Santos, Cátia Marie Delgado Sequeira

Comentários