Fenam e AMB também entram com ações na Justiça contra o Mais Médicos




Como parte das ações de mobilização da categoria médica em todo Brasil, nesta terça-feira (23), a exemplo do CFM, também a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) ajuizaram ações contra a Medida Provisória 621/2013. A AMB requereu Mandado de segurança coletivo com pedido liminar contra a MP, bem como sua regulamentação, até o julgamento final da ação. Já a Fenam ajuizou ação civil pública para cessar os efeitos da Medida. 

A AMB solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a anulação do programa Mais Médicos, com base na falta de urgência e relevância, já que será implantado somente em 2015. Também questiona a vinda de médicos estrangeiros sem validação de diplomas (nos termos da Lei); a falta de comprovação do domínio da língua portuguesa pelos candidatos (CELPE-Bras); a imposição do serviço civil obrigatório e a criação de subcategorias de médicos com limitação territorial.


Ação da AMB - Na peça apresentada, a AMB ressalta que as medidas adotadas pelo Executivo, após uma análise minuciosa da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados, não atendem alguns requisitos importantes. Não há, por exemplo, comprovação de que a despesa aumentada (bolsa custeada pelo Ministério da Saúde para os estudantes de medicina do segundo ciclo) não afetará as metas de resultados fiscais, como previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias.


A Medida Provisória nº 621 também deveria apontar os gastos previstos para o ano de vigência e os próximos dois anos do Programa, além da correspondente compensação, para efeito de adequação orçamentária e financeira e compatibilidade com as disposições constitucionais e legais, o que não foi apresentado.


“Queremos mostrar ao Governo e à população que o caos instalado na saúde pública brasileira não é pela falta de médicos. Faltam, especialmente, financiamentos, bom gerenciamento e combate à corrupção. A AMB se dispõe a ajudar e acredita que se o Governo atuar nesses três pilares e implantar a Carreira de Estado para os médicos do Sistema Único de Saúde na atenção básica, dará um grande avanço para melhorar a assistência”, comenta o presidente da AMB, Florentino Cardoso.


A AMB já tem cronograma definido para apresentação, nas próximas semanas, de outras ações judiciais acerca deste tema, para reforçar o pedido de suspensão da Medida Provisória nº 621, além de ação contra o PROVAB, que faz parte do mecanismo da MP nº 621.


Ação da Fenam - A ação civil da Fenam busca impedir que a implementação do Mais Médicos cause danos à população brasileira com o atendimento inadequado feito por profissionais com formação duvidosa. Isso porque a assistência poderá ser realizada por estudantes de medicina e médicos formados no exterior sem que sua capacidade tenha sido comprovada para tal. A expectativa é de uma decisão liminar da Justiça Federal nos próximos dias.




Confira todos os pontos questionados na peça apresentada pela entidade na Justiça Federal:


- Descaracterização de urgência e emergência que justifique o assunto como edição de medida provisória;

- Inadequação da MP para tratar de temas referentes à cidadania de competência do Congresso Nacional;

- Violação do regime jurídico único dos servidores bem como do princípio de concurso público;

- Violação da legislação que autoriza a contratação temporária para atender emergências em saúde pública, 

- Precarização das relações de trabalho já que a MP se refere a "bolsas" e não garante os direitos trabalhistas;

- Vedação para o trabalho obrigatório em função das convenções ratificadas pelo Brasil junto à Organização Internacional do Trabalho e à Corte Interamericana de Direitos Humanos;

-Exercício ilegal da profissão e da necessidade de revalidação de diploma, comprovando a capacidade do profissional;

- Princípio da aferição da capacidade para acesso ao ensino superior, já que os diplomas estrangeiros fogem da equiparação brasileira;


- Proficiência na língua portuguesa;

- Observância à reciprocidade ou equiparação nas relações jurídicas entre as nações;

-Ausência de tratamento igualitário com os pacientes, já que estudantes de medicina atenderão no interior enquanto médicos formados nos centros urbanos;

- Ofensas aos valores sociais do trabalho, pedra fundamental do estado democrático de direito.


* Com informações das assessorias de imprensa da AMB e da Fenam


Comentários