Cólera e dengue ameaçam Cuba



HAVANA - Doenças como a cólera e a dengue estão ameaçando Cuba , devido à crise econômica prolongada que dificulta o acesso da população à água e deteriora o sistema de saúde.


Em Cuba, onde os números oficiais são indescritíveis, é quase impossível saber ao certo quantas pessoas estão doentes.


Embora não tenha havido ainda uma declaração pública, em várias cidades as autoridades de saúde locais tem fechado centenas de cafés e bancas que vendem alimentos, as quais surgiram com a abertura econômica da ilha, para evitar o contágio.


"O que você vê é que tem havido um aumento de casos, são coisas que há muitos anos não ocorria", diz Ricardo Efe, morador de 42 anos do bairro Havana Mantilla, onde existem "muitos casos" de cólera  proveniente da contaminação de uma cisterna.

A Seção de Interesses da America em Havana (SINA) na quarta-feira emitiu um alerta aos seus cidadãos por uma suspeita de surto de cólera na ilha,que até agora não foi confirmada pelo governo cubano.


Informações da SINA indicam que Organização Panamericana da Saúde (OPAS) emitiu um alerta epidemiológico mencionando a presença da doença em Cuba ", e que visitantes estrangeiros contraíram cólera durante recentes viagens" para o país caribenho.


De acordo com o relatório epidemiológico da OPAS ", no final de julho e início de agosto de 2013, foram confirmados cinco casos de cólera associados com histórias de viagens para Cuba" de cidadãos da Itália, Chile e Venezuela.


Cuba teve cinco décadas sem casos de cólera até agosto de 2012 ,quando o mal reapareceu, afetando principalmente a parte leste do país e deixou três mortos e 417 infectados, segundo dados oficiais.


Em janeiro de 2013, houve um surto em Havana, com 51 casos confirmados.


Quanto a dengue foram detectados vários casos de Dengue Hemorrágica, a forma grave, em Guanabacoa, nos arredores da capital, de acordo com os moradores locais.


"É um problema de casos importados de dengue", disse a um pequeno grupo da imprensa, incluindo a EFE, o entomologista cubano John Bisset , chefe do Controle de Vetores do Instituto de Medicina Tropical Pedro Kouri (IPK) que tinha participado de um fórum sobre a doença, que terminou esta semana em Havana.


Além disso,Bisset disse que para controlar o mosquito aedes aegytpi que transmite a dengue está se tornando "mais caro, mais complicado e mais complexo", mas disse que este ano foi "bastante benigno" para Cuba em relação à propagação do doença.


"Você tem que ferver a água e limpar a casa com muito cloro", é que faz Eida, a habanera de 57 anos, para protegê-los de qualquer tipo de doença.


Eduardo,chefe do restaurante El Cochinito disse à Agência Efe que tem muita cautela neste estabelecimento ,e que"todos os vegetais são lavados bem lavados" e que a água é fervida ou faz uso de água mineral.

EFE.


VÍDEO


Leia mais

Hoje somos nós; amanhã serão vocês! -(0 comments)
FENAM convoca todos os sindicatos a realizarem assembleias conjuntas nos estados - (0 comments)
Quarto dia após Alerta Epidemiológico de surto de cólera em Cuba (0 comments)


Situación actual de los brotes de cólera en la región (Cuba, Haití y República Dominicana) - (0 comments)
Médicos cubanos harán ‘trabajo de esclavo’ en Brasil (0 comments)


Cólera em 6 países : Exportação Cubana vai muito além de Médicos ,Charutos e Comunismo ! - (0 comments)
Viajantes retornam de Cuba com Cólera ! Veja a Atualização Epidemiológica - OPAS/OMS em 23 de agosto 2013 (0 comments)

Comentários