Redução dos casos de diarreia reflete o continuísmo endêmico , não o fim da epidemia !



O fim anunciado da epidemia de diarreia em Alagoas não é motivo para comemoração diante as precárias condições de saúde e desigualdades socioeconômicas existentes que perpetuam vários fatores e agentes endêmicos  relacionados aos surtos epidêmicos de doenças diarreicas no estado  . Mais uma vez os  jogos de palavras ricas em tecnicidade, manipulam o vernáculo e o rigor científico ,para justificar a inoperância  na condução da saúde de um povo.

Mário Augusto



O pesquisador ,José da Rocha Carvalheiro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inovação em Doenças Negligenciadas (INCT-IDN) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), diz que :

"Uma epidemia não é um tipo especial de doença, mas sim uma maneira como a doença se distribui no tempo e no espaço"


Quando se indaga sobre a diferença entre epidemia e endemia,ocorre-nos, imediatamente, a ideia de que a epidemia se caracteriza pela incidência, em curto período de tempo, de grande número de casos de uma doença, ao passo que a endemia se traduz pelo aparecimento de menor número de casos ao longo do tempo.

A distinção entre epidemia e endemia não pode ser feita, entretanto,com base apenas na maior ou menor incidência de determinada enfermidade em uma população. Se o elevado número de casos novos e sua rápida difusão constituem a principal característica da epidemia, para a definição de endemia já não basta o critério quantitativo. O que define o caráter endêmico de uma doença é o fato de ser a mesma peculiar a um povo, país ou região. Joffre Marcondes de Rezende ,Professor Emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás


O Dicionário de termos médicos, de Pedro A. Pinto define endemia como: "doença que reina habitualmente numa região, de causa local" .

 J. L.Soares em seu dicionário etimológico e circunstanciado de biologia, define endemia : "doença habitualmente comum entre pessoas de uma região, cuja incidência se prende à ocorrência de determinados fatores locais" .

A epidemia não apresenta obrigatoriamente um grande número de casos, mas um claro excesso de casos quando comparada à freqüência habitual de uma doença em uma localidade.


ÁGUA NÃO TRATADA E FALTA DE SANEAMENTO  É PORTA ABERTA PARA VÁRIAS DOENÇAS



Ciclo da doença

• Se não usarmos o banheiro, a fossa ou as redes coletoras, o esgoto fica a céu aberto.
• As fezes e os restos de comida ficam no quintal, em volta da casa e nas ruas.
• Os parasitas,vírus e as bactérias que vivem no esgoto contaminam a água e o chão.
• As pessoas pisam no chão descalças e bebem a  água contaminada, ficando doentes.
• Os mesmos insetos que pousam ou andam nas  fezes vão para nossa casa levando as doenças  em suas patas e asas.
• As fezes dos animais que andam no quintal  e nas ruas também ficam contaminadas.
• As fezes contaminam o chão e a água.
Aí começa tudo de novo.



No boletim da Superintendência de Controle de Zoonoses, Vigilância e Fiscalização Sanitária / SCZ do Município do Rio de janeiro, podemos ler sobre a importância do saneamento e tratamento da água  :


"Isto é, ao se implantar sistemas de tratamento e abastecimento adequados de água para consumo humano nas localidades, patógenos de transmissão por veiculação hídrica que aí circulassem tenderiam a decrescer sua virulência. A intervenção de saneamento influenciaria evolutivamente nesta característica, para determinados microrganismos, por impedir a disseminação dos mais virulentos, já que não haveria possibilidades que suscetíveis bebessem água contaminada com estes agentes. Assim eles teriam suas chances de reprodução reduzidas."




Na política de administrar os recursos públicos da saúde, quem arca com o prejuízo é a população, quem ganha os louros são os gestores, e quem acolhe a indignação desse povo é o médico que se encontra no final da cadeia  sem o menor poder de decisão,sendo  mais uma vítima desse sistema desumano.

As famílias dos mortos na epidemia de diarreia em Alagoas, com certeza não têm motivos para comemorar! "Não existe o esquecimento total: as pegadas impressas na alma são indestrutíveis." (Thomas De Quincey)

Por hoje é só!

Mário Augusto


Leia Também:


PESTE EM ALAGOAS, ÁREA DE FOCO NATURAL :CONTROLE EFETIVO OU SILÊNCIO EPIDEMIOLÓGICO?



Os artigos do Blog Alagoas Real , tem por objetivo a informação e educação em relação a temas da medicina.
Eles expressam apenas e tão somente orientações gerais. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como um substituto para o diagnóstico médico e/ou tratamento de qualquer doença sem antes a consulta de um profissional médico.

Comentários