ACERCA DO CONCEITO DE SIMULACRO NA FILOSOFIA DE DELEUZE - Fábio Rotilli


Aos meus pais pelo apoio moral e financeiro.


Ao meu Orientador pela presteza, paciência, dedicação e profissionalismo.
Aos membros da Banca pela atenção e disponibilidade.

A diferença faz a diferença.
Fábio Rotilli


RESUMO


A presente dissertação tem por intuito compreender o conceito de simulacro na obra Diferença e repetição de Gilles Deleuze. Deleuze é um imanentista, assim, analisamos um duelo clássico entre transcendentalistas e imanentistas: abordamos as críticas de Nietzsche a Parmênides.


Prosseguimos com um mergulho na obra O Sofista, de Platão, analisando as críticas deleuzeanas a esta obra. O simulacro, conceito chave na obra O Sofista, implica a diferença. Por outro lado, Deleuze mostra que a diferença e a repetição estão implicadas mutuamente. Assim, além do conceito de diferença, problematizamos o conceito de repetição. Nessa medida, foi necessário considerar a relação da repetição com o conceito nietzscheano de eterno retorno e deste último com o teatro. Mostrou-se inevitável analisar como o pensamento da diferença quebra com o modelo ou a filosofia da representação. Além disso, tivemos de abordar as implicações noológicas do simulacro: mostrar como ele é capaz de abalar os pressupostos do senso comum, o modelo da recognição ou reminiscência e tratar de suas implicações problemáticas para o estabelecimento de um cogito. Também não pudemos ignorar a importante consideração de um “precursor sombrio” – capaz de relacionar a diferença consigo mesma. Evidenciou-se pertinente uma abordagem sobre a “imagem dogmática do pensamento”, bem como sobre “a nova imagem do pensamento” – a qual encontra-se vinculada ao conceito de “rizoma”. Em linhas gerais, nossa pesquisa tomou toda essa problemática como objeto, desenhando um panorama onde se entrevê como e em que medida o conceito de simulacro se infiltra na filosofia deleuzeana, se instala numa relação nocional com vários outros conceitos, oferecendo a esta um meio ou uma estratégia chave à subversão do platonismo; e proporcionando ao pensamento o pensar a diferença em si mesma.


Palvras-chave: simulacro, diferença, repetição, imagem do pensamento, (subversão do)platonismo.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA – UFPB
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES – CCHLA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA – PPGFIL
FÁBIO AUGUSTO ANTEA ROTILLI
ACERCA DO CONCEITO DE SIMULACRO NA FILOSOFIA DE DELEUZE
JOÃO PESSOA – PB
2008

Dissertação apresentada à coordenação do Programa de Pós
– Graduação em Filosofia da Universidade Federal da
Paraíba como requisito parcial para a obtenção do título de
Mestre em Filosofia.
Orientador: Dr. Paulo Tarso Cabral de Medeiros

BANCA EXAMINADORA
Luiz Benedicto Lacerda Orlandi – UNICAMP
Miguel Antônio do Nascimento – UFPB
Paulo de Tarso Cabral de Medeiros – UFPB
(Orientador)

Texto completo aqui

Comentários