Cólera :(Cuba, Haiti, República Dominicana e México), atualização e informações oficiais -ONU/OMS/OPAS

Alerta Epidemiológico
Diante da ocorrência de surtos atuais de cólera na região, a Organização Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) / Organização Mundial da Saúde (OMS) incentiva os Estados-Membros a implementar seus planos de preparação e resposta para fortalecer os sistemas de vigilância da cólera.
Ela também exorta os países a acelerar os esforços para melhorar a qualidade e a condições de água e saneamento.
26 de septiembre 2013

Em Cuba, de acordo com as últimas informações fornecidas pelo Centro Nacional de enlace (CNE) para o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) de Cuba, o total de casos registrado a partir da semana epidemiológica (SE) 27 de 2012 a SE 34 de 2013 é de 678 incluindo três mortes. Os casos foram registrados nas províncias de Camaguey, Granma, Guantánamo, Havana e Santiago de Cuba, bem como em outros municípios associado a estas províncias.

De acordo com relatos, os casos registrados em Havana em agosto de 2013 estavam ligados a dois centros de venda de alimentos, onde foi encontrado a presença de portadores assintomáticos entre manipuladores de alimentos. Nestes centros adotaram as medidas sanitárias correspondentes.


Entre os casos confirmados incluem 12 casos em viajantes de diferentes países (dois da Alemanha, dois de Chile, dois da Espanha, um da Holanda, três da Italia e dois da Venezuela), dos quais oito eram homens e quatro mulheres, com idade variando de 30 a 74 anos (mediana de 53 anos).


No Haiti, desde o começo da epidemia (Outubro de 2010) para a SE 38, de 2013, tem havido

678 840 casos de cólera, dos quais 377 foram hospitalizadas 426 (55,5%) e 8289 morreram.

A taxa de letalidade acumulada permanece 1,2% a partir de novembro de 2011, mas com variações que vão de 4,3% no departamento de Sud Est para 0,6% em Port-au-Prince.

A partir da SE 1 a SE 11 de 2013, o número de casos e de mortes a nível nacional foi maior do que o registrado no mesmo período de 2012, devido a surtos no departamento de Artibonite, Centro, Grande Anse e Ouest. A partir da SE 12 até a SE 38 de 2013, o número de casos e de mortes é menor do que no mesmo período 2012.


No México, o CNE para o RSI do México relatou 10 casos confirmados de infecção autóctone Vibrio cholerae O1 Ogawa toxigênico , dois no México e oito no estado Hidalgo. Os casos correspondem a seis mulheres e quatro homens, com uma faixa etária entre 2 e 73 anos de idade, com data de início entre 17 de Agosto e 17 Setembro de 2013. Cinco casos foram hospitalizados e um morreu (61 pacientes).

As autoridades de saúde do México estão realizando várias atividades, como parte do plano para prevenir e responder a cólera, incluindo destaques fortalecimento vigilância, o reforço da capacidade e desempenho técnico do Laboratório estatal de Saúde Pública e da garantia da disponibilidade de insumos e qualidade do atendimento nas unidades médicas.

Na República Dominicana, desde o início da epidemia (novembro de 2010) para SE 36 de 2013, o total de registrados casos suspeitos de cólera é 30.973, dos quais 455 morreu. A partir da SE 1 a SE 9 de 2013, o número de casos suspeitos e mortes por cólera no país foi maior do que o registrado no mesmo período de 2012, devido a surtos que ocorreram em algumas províncias e na prisão de La Altagracia. A partir da SE 10 de 2013 se registrou uma diminuição no número de casos suspeitos e mortes; posteriormente entre SE 32 e SE 36 existiu mais um aumento de casos suspeitos à custa de surtos nas províncias de La Altagracia, San Cristóbal, Santiago e Maria Trinidad Sanchez. Em relação à letalidade no final de 2011, a letalidade acumulada era de 1,7%, no final de 2012 e 0,8% até agora em 2013 é de 2,4%.

http://www.paho.org/

Comentários