Havana, em 20 minutos depois de 54 anos




Caminho por Havana agora que o sol se levanta , agora é muito cedo e faz menos calor . Eu pego minha câmera e tentando não despertar suspeitas , subo por uma rua paralela ao Capitólio. Dois cavalheiros me perguntam o tempo todo, e o terceiro tenta estabelecer conversa comigo para vender-me o jornal Granma . Apresse-se , já começa A Havana !


Não tenho que andar muito , a poucos passos eu estou no cinema Mégano que agora está fechado. Neste lugar o meu pai me levava quando eu era pequeno para ver filmes russos em cores. Até recentemente era um local de encontros para sexo casual, mas agora é cercado por escombros e o edifício vizinho está em alerta por falta de segurança, parece que as pessoas estão com medo de ficar por ali. Em poucos segundos, tocando no botão vermelho da minha câmera , começo a gravar as ruínas da minha infância.


Um homem repara seu carro novo (ou pelo menos era na década de 50 ) e outro recolhe plástico da coleta de lixo, sempre cauteloso e procurando inclinação lateral para que nenhum vizinho o veja . Meu amigo Pincho (Prego) finalmente tirou sua licença para empregar as pessoas ,e no local que era um velho edifício demolido montou uma oficina de carro . Posters da "revolução " preenchem toda a cidade , triste contraste com o ambiente vazio ao seu redor. Portanto, até o número "26" está entre aspas !


Tropeço com , nada mais e nada menos do que Fidel e Che . Me cantam uma música no prado ! Che não está muito convencido em falar e " discretamente " diz para Fidel : "Ei, você ! Este é cubano e não vai me dar nem 10 pesos " . Eu entendo muito bem por que ele fala assim: A CubaFobia (rejeição de um cubano por outro cubano ) e a predileção por estrangeiros chegou ao ponto de afetar até os meus novos amigos o Che e Fidel,os seres mais ausentes de nossa sociedade.


Um cavalheiro procura algo entre latões e se retira com raiva ao não encontrá-lo. Um grupo de " bicitaxistas " olham para mim e parecem que se perguntam: " Quem é esse louco? "

Passo pela padaria "A Providência" e pela esquina da casa de Nichu , onde havia várias pessoas analisando o conteúdo do lixo, identificando e recolhendo latas ao lado do parque infantil !


A Havana , triste, nua , velha e esquecida , defendida e amordaçada ,  Havana. Hoje à noite vou pedir a minha avó para me contar uma daquelas histórias de quando Havana era uma cidade .




.



Havana era uma das mais belas cidades da América. Hoje, em apenas 20 minutos a pé pelas ruas é suficiente para ter diante de nós uma enorme nuvem de destruição. Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, eu estou entre aqueles que preferem um vídeo para tirar proveito. Não é preciso grandes talentos artísticos ou câmeras de arte de capturar imagens como estas, basta ir em Havana em 20 minutos.
 créditos: youtube Yusnaby Pérez

 Traduzido do Original:

La Habana en 20 minutos después de 54 años


     Yusnaby Pérez

Blogueiro e escritor cubano.Amante da democracia,liberdade e dos Direitos Humanos.Defensor da pluralidade de critérios e modos de expressão. Vivo em Havana.

Bloguero y escritor cubano. Amante de la democracia, la libertad y los Derechos Humanos. Defensor de la pluralidad de criterios y modos de expresión. Vivo en La Habana.

Comentários