Itália sofre com surto de Influenza Aviária altamente patogênica (H7N7)

Itália administra surto de Influenza Aviária altamente patogênica

Surtos de Influenza Aviária, em sua forma mais patogênica, foram registrados em 3 empresas avícolas na Itália: Ostellato (na província de Ferrara), Mordano (na província de Bolonha) e em Portomaggiore (na região de Emilia-Romagna, próximo à Ostellato. Os registros foram feitos nos dias 15, 21 e 23 de agosto de 2013,respectivamente.

Duas das empresas avícolas são produtoras de ovos, totalizando um plantel de 700.000 poedeiras. A terceira empresa é uma granja produtora de perus.

De acordo com a notícia do site WorldPoultry, na tentativa de evitar a propagação do vírus, as autoridades italianas estão aplicando as medidas recomendadas pelo Conselho Diretivo de Saúde Animal, abatendo todas as aves das granjas contaminadas e reforçando a proteção e a vigilância sanitária nas áreas ao entorno da região afetada.

As autoridades italianas também estão estabelecendo uma zona restrita maior, cobrindo toda a parte oriental de Emilia-Romagna e parte da região sul oriental de Veneto, onde já há restrições comerciais e vigilância sanitária reforçada em granjas de ovos, frangos de corte e de perus.

Ainda contra a Influenza Aviária, medidas de biosseguridade mais rigorosas já foram colocadas em prática em todo o setor avícola da Itália, país que é hoje o terceiro maior produtor de ovos e o quinto maior em produção de carne de frango da União Europeia.


Trabalhador avícola na Itália testa positivo para gripe aviária

Um homem que trabalha com aves na Itália teve resultado positivo no teste para a gripe aviária após surtos entre as aves em fazendas no norte da região de Emilia Romagna, disse o Ministério da Saúde italiano nesta segunda-feira 2 de setembro/2013.

As autoridades italianas têm abatido milhares de aves desde a descoberta da H7N7 em diversas fazendas em agosto 2013, quando foram identificados os primeiros surtos de gripe aviária de alta patogenicidade (HPAI, na sigla em inglês) em aves italianas desde 2000.

Segundo o ministério, o homem afetado, que foi exposto a aves doentes durante o trabalho em áreas contaminadas, contraiu conjuntivite como resultado da infecção.

A instituição disse que a variedade H7N7 da doença somente é passada aos humanos que entrarem em contato direto com os animais doentes, e normalmente tem efeitos moderados nos humanos, como
conjuntivite. Transmissões entre humanos são extremamente raras, acrescentou.

Até o momento, os surtos da gripe entre as aves foram observados em quatro locais, disse o Ministério.

As autoridades montaram zonas de proteção e vigilância ao redor das áreas afetadas, o que inclui restrições à circulação de aves e produtos avícolas, além de contínuas verificações veterinárias.

Fontes:Avisite e UOL

Comentários