Médicos escravos: larvas transformadas em borboletas

Em pequenos e empoeirados países, torna-se mais clara a incidência .


Primeiro chegaram carregados com um pacotinho. Em seguida, compraram os velhos carros que foram , dos soviéticos ou americanos, não havia escolha . Passaram mais tarde a comprar as casas em ruínas remanescentes da comunidade e aos poucos conseguiram , colocar os muros e adereços.

Seus filhos abandonados ,conheceram o cheiro do último aparelho eletrônico e presentes apropriados para os professores, com a finalidade de obter melhor nota. Suas redes de influência aumentaram . Eles não eram os maus encarados profissionais que foram para o exterior . Dez anos mais tarde , os médicos que cumpriram os contratos no exterior, são a nova irmandade dos potentados provinciais.

Porta-vozes do pior do aparato ideológico da burocracia comunista , os médicos que trabalham no exterior , são agora seus principais representantes .Provavelmente, não é ideologia. É a forma de garantir o próximo contrato com o burocrata do cargo. Que importa que o Estado, através do empreiteiro, pague apenas 20 por cento da receita- o equivalente a quatrocentos dólares por mês (é muito dinheiro na sociedade cubana empobrecida.)


A recente decisão do governo brasileiro de contratar quatro mil médicos cubanos a partir do mês de setembro reflete alegria a muitas casas no interior da ilha e por que não também em Havana. Mas na capital de todos os cubanos , a competição é bem diferente. 

Muitos dos quatro mil médicos que serão preparados para a viagem ao Brasil destinados ao mercado de saúde do gigante sul-americano ,estão estudando Português há um ano e aprendendo sobre seus costumes e potencialidades. Eles fazem não por iniciativa própria, porém por indicações das autoridades de saúde do seu território, que possuem listas de prováveis internacionalistas da propaganda oficial 
.
O governo brasileiro pouco se importa com as condições em que esses profissionais irão cumprir com seus contratos de trabalho nem com o roubo que serão vítimas . 

Já disse o ministro da Saúde Pública no Brasil , Alexandre Padilha, citado pela Reuters, quando ele explicou que desconhece quanto dinheiro receberá cada um dos médicos cubanos , porque " não cabe às autoridades brasileiras . " 

.Os cubanos serão distribuídos em 701 comunidades no norte e nordeste do Brasil ,áreas mais pobres no país, onde os médicos brasileiros não estão interessados ​​em trabalhar devido as más condições de vida e a falta de infra-estrutura. 


As associações médicas brasileiras rejeitaram a presença de profissionais cubanos. 

"O Brasil entra perigosamente no campo da pseudo assistência de forma demagógica e autoritária em nome de soluções simplificadas para problemas complexos ", disse o Conselho Federal de Medicina .

Enquanto isso, Florentino Cardoso, presidente de outra Associação Médica Brasileira , disse . " É muito triste que, em importante área social , o foco da ação seja uma candidatura que visa ganhar votos com algumas medidas ". 


Ronaldo Caiado , líder do bloco conservador de deputados do Partido Democrata , disse: " Estes 4.000 cubanos contrabandeados serão os cabos eleitorais do Partido dos Trabalhadores de ( Dilma ) Rousseff " . 


A saída nos próximos meses e antes do fim do ano de mais de quatro mil médicos cubanos coincide com os avisos de segurança do governo dos EUA e da União Europeia, para se ter cuidado com a ilha , devido à epidemia de cólera que está em curso .


No entanto , os médicos que irão trabalhar no Brasil estão comemorando porque sabem que em poucos dias,após deixar a ilha , de regresso irão trazer mais dinheiro para a casa e seu status social vai continuar em ascensão.


Trabalharão em condições de escravos , mas no retorno serão recebidos como borboletas. 



Traduzido do original:
Julio Aleaga Pesant
septiembre 04, 2013
Médicos escravos: vermes transformados em borboletas

Comentários