Medidas preventivas para controle do surto de diarreia em Sete Lagoas-MG

Um vírus ou uma bactéria. Essas são as suspeitas da secretaria de Saúde para o surto de diarreia que já levou mais de 1.450 pessoas as unidades de saúde da cidade. Diariamente são registrados quase 60 novos casos.

Saúde orienta medidas preventivas para controle do surto de diarreia que o município vive.


A Prefeitura de Sete Lagoas/Secretaria de Saúde comunica o aumento considerável de Doenças Diarreicas Agudas (DDA) em diversos bairros da cidade e destaca abaixo algumas medidas simples para o controle do surgimento de novos casos. Segundo Márcia Benício, Superintendente da Vigilância Epidemiológica, a causa do surto ainda é desconhecida. “Estamos analisando todas as possíveis causas desse surto, mas orientamos alguns cuidados básicos, já que pode ser transmitida por via aérea (gotículas, aerossóis) ou contato com a superfície contaminada”, explica.



MEDIDAS PREVENTIVAS
1) Boas práticas de higiene das mãos
a. Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de ir ao banheiro, antes de se alimentar ou de preparar alimentos, e na troca de fraldas de bebês.
b. Não tocar superfícies ou objetos infectados com vômitos ou fezes de pacientes com gastrenterites; evite levar a mão à própria boca quando em contato com pessoas doentes.
c. Recomenda-se o uso de álcool gel para desinfetar as mãos após a lavagem com água e sabão.


2) Desinfetar superfícies contaminadas
a. Lavar e desinfetar superfícies que tenham sido contaminadas com vômitos ou fezes de pessoas doentes, usando água e sabão e desinfecção com água sanitária.
b. Mantenha limpos e desinfetados os sanitários, e especialmente após o uso por pessoas com diarreia. Utilizar água e sabão e água sanitária para desinfecção.


3) Outros cuidados pessoais
a. Pessoas com diarreia e até a plena recuperação não devem preparar alimentos que serão consumidos por outras pessoas, pois pode haver contaminação dos mesmos com transmissão da doença para pessoas que
os consumirem.
b. Crianças e adultos com diarreia e até a plena recuperação não devem frequentar piscinas, pois, podem inadvertidamente (por defecação ou vômitos) contaminar essas águas e propagar a doença para outras
pessoas. Recomenda-se a todos que frequentam piscinas e águas de recreação que tomem banho prévio em chuveiro ou banho de “assento” em bidês, após a evacuação, para evitar a contaminação das águas de
recreação.


4) Medidas gerais de higiene aplicadas às doenças transmitidas por água e alimentos
a. Medidas gerais para prevenção de doenças de origem alimentar ajudam a evitar gastrenterites.
Cuidados com frutas e verduras: devem ser bem lavadas e desinfetadas.
b. Cuidado com ostras e frutos do mar, ingeridos crus ou mal cozidos e de origem desconhecida. Alimentos bem cozidos e devidamente aquecidos é uma boa medida para se evitar diarreia.
c. Em locais com suspeita de problemas ou acidentes no sistema de água, ferver a água a ser consumida é uma boa alternativa até a solução definitiva. A água deve ser fervida por 5 a 10 minutos após o levantamento das bolhas (ebulição), e após, esfriá-la, despejando-a em garrafas de preferência de vidro, já devidamente desinfetadas; em seguida colocar as garrafas na geladeira, pois com a refrigeração perde-se o gosto de “água fervida”.
d. Cuidado com água mineral falsa e de fontes e marcas clandestinas, sorvetes não industrializados, sucos e outros produtos de origem desconhecida.


OS CUIDADOS COM A DIARREIA SÃO OS MESMOS DA PREVENÇÃO À INFLUENZA. USE E ABUSE DO ÁLCOOL EM GEL.
Prefeitura de Sete Lagoas/ASCOM Saúde –Natália Andrade–

Comentários