Morre a última testemunha do suicídio de Hitler e Eva Braun

Rochus Misch, guarda-costas, mensageiro e operador de telefonia de Hitler, morreu aos 96 anos em Berlim, e com ele desaparece a última pessoa que testemunhou o suicídio do ditador e sua esposa, Eva Braun, em seu bunker em Berlim.

Rochus Misch faleceu em Berlim de complicações de um acidente cardiovascular, declarou à AFP Michael Stehle, detentor dos direitos de um livro publicado em 2007, no qual Misch descreveu seus anos ao lado de Hitler.

A obra, que foi bem vendida na Alemanha, deve ser publicada em inglês nos próximos dias, e Misch, que gozava de suas plenas faculdades mentais, redigiu em pessoa o seu prefácio recentemente, segundo Stehle.

Pintor de parede, Rochus Misch se juntou muito jovem a SS. Ele foi, aos 27 anos, um dos últimos a deixar em 2 de maio de 1945 o bunker do Führer em uma Berlim em ruínas que acabava de ser conquistada pelo Exército Vermelho. Desta forma, ele foi um dos únicos a ver o corpo de Hitler após seu suicídio.

"Hitler, sentando em uma poltrona, estava caído em sua mesa e Eva Braun estava deitada ao seu lado. Eu o vi com os meus próprios olhos", declarou Misch à AFP em uma entrevista em 2005.

Aprisionado pelos russos, Misch passou oito anos em campos no Cazaquistão e na Sibéria antes de retornar a Berlim em 1953 e retomar seu trabalho como pintor.

Ele nunca se afastou verdadeiramente do nacional-socialismo, e continuava a descrever Hitler, a serviço do qual esteve a partir de 1940, como alguém "amável" e "gentil".

Comentários