O Celeiro : Fábio Augusto Antea Rotilli



Terceira das cinco cronicas vencedoras do V Concurso Literário “Cidade de Maringá” 

Lá estava ele a escovar o potro. Ela entra: - Oi! Careçu falá coce! Vim mi discupá! Tinha-o traído. O que diria? Não há desculpas quando se joga assim. Na real, ela nem sabia o que fazia ali – apenas sentia responsabilidade, um peso que devia expiar de alguma forma. O capataz, num ímpeto de dignidade, fitou-a severamente. Ela desmanchou-se. Gostava dele. Mas o outro era patrão – dizia-se – no norte. Era melhor a razão, melhor que o coração. E os dois ali, no celeiro... foi quando o rapaz, sentindo que tinha direitos, se aproximou dela, ousadamente. Ela ficou. Queria também. O sexo deles era bom. E o lugar, sugestivo e discreto. Então se atracaram. Bichos no celeiro. Os animais eram cúmplices, nisso partilhavam as mesmas essências. Ao se demorar no monte de feno, eles não se saciavam... a apoteose se estremava em meio aos bichos presos. Eles, sempre bichos presos, gozando derradeiro momento de liberdade. Depois do ardor e do fogo nas ventas, o relaxamento e o apaziguamento. Foi quando dialogaram: - Sim, bem, vou sim’bora cum Eli! Eli num discunfia di nóis. - Pois vá! – qui aprovu! Num ti póssu mantê! Eram xucros que se entendiam, brutalmente. O supetão e o arrebatamento eram seu dialeto. Mas no coração eram anjos de simplicidade, cujo sexo selvagem se traduzia numa honestidade da carne. E foi ali que se despediram: no celeiro. Lugar de guardar tralha, grãos e bens vivos. O que ela não sabia é que, dele, foi celeiro: foi carregando sua semente, que o outro adubará e cujo fruto terá por seu.

Comentários