Especialistas da África do Sul criticam médicos formados em Cuba

A agência de Pretoria News relata que médicos especialistas estão criticando o programa de formação de médicos Sul-Africanos em Cuba, porque os formados não regressam ao país preparados para enfrentar os problemas de saúde do país.


" As doenças em Cuba são diferentes ", disse Elma de Vries , ex-presidente da Associação de Médicos Rurais da África do Sul. Segundo ela, aqueles que estudam na ilha voltam sem a devida capacitação para lidar com as doenças comuns no país , como a tuberculose , HIV ou complicações do diabetes . Eles não são treinados para lidar com mulheres em trabalho de parto , acrescentou.


De Vries Também observou que para os alunos do programa em Cuba está incluso um ano de aprendizagem em espanhol e cinco anos estudando medicina e mais um ano ou um ano e meio de prática preparatória escolar em seu país - o que é longo, tedioso e caro.


Enquanto isso Errol Holanda, presidente do Comité de Decanos de Medicina Sul-Africana , que representa oito escolas de ciências médicas no país , salientou que os companheiros que vão para Cuba são treinados para as necessidades do sistema cubano de saúde. " Eles têm um sistema de saúde preventiva , e nós ainda não temos ", disse ele .


Holland disse que seu comitê levou estas preocupações sobre o programa de troca de intercâmbio ao ministro da Saúde da África do Sul , Aaron Motsoaledi ,


Dados do Ministério da Saúde em Pretória indicam que estão atualmente 1.003 alunos da África do Sul em escolas de ciências da saúde de Cuba.


Ministro Motsoaledi planeja triplicar o número de médicos formados nas escolas locais , mas a falta de instalações resultou no envio de estudantes para serem treinados em Cuba.

Traduzido do Original:

Comentários