Jaleco sujo, mão suja - por João Brainer





O discurso é bonito e entusiasmante: “levar mais médicos a quem precisa”. Não há quem possa ir contra, pois seria um atentado à população que mais precisa de investimento e, sobretudo, respeito.



O tema que parecia se findar com o quase esgotado esforço de evitá-lo ainda habita as primeiras páginas de jornal. O discurso do Governo é revestido de aura publicitária: toca no sentimento da população, dramatiza o caos, oculta os problemas estruturais e, mais ainda, terceiriza a culpa. O paradeiro da culpa, então, vai ao médico, agora vilão do sistema de saúde: de benfeitor a insensível com a causa popular tão evocada pelo jargão ministerial de “levar mais médicos a quem precisa”. A estratégia é quase matemática: a culpa é dos médicos, o jaleco deles está sujo pela ganância que lhes é própria...




Ante o entrave, ainda surge o ministro da Educação e propõe que os médicos devem ser “especialistas em gente” e que devemos dialogar com o sentimento das pessoas. Senhor ministro, não há nada mais denso na faculdade de Medicina que o contato com a população que mais sofre. Somos, como profissionais, igualmente vitimados por um sistema que não fecha suas contas e que deixa faltar medicamentos, equipamentos, leitos e profissionais a quem mais precisa. Somos humanizados à força no ambiente brutalizante que o Governo mantém.



Se houvesse franco interesse de levar mais dignidade a quem precisa, o Governo não tiraria de pauta o aumento de recursos ao SUS, haveria investimento em carreira pública aos médicos brasileiros e os estrangeiros (que sejam muito bem-vindos) viriam revalidados, pois não se é digno oferecer duas Medicinas: a do rico e a do pobre; a feita por bons médicos e a feita por médicos sequer avaliados. A emoção pela causa nobre cega contra os interesses eleitoreiros, as práticas desumanas, as investidas peçonhentas que, embora não pareçam, colocam a população em risco constante.




Se o nosso jaleco está sujo pelos pecados que nos são depositados, pela culpa que nos impõem, digo, pois, que as mãos de quem gere o SUS estão sujas de sangue.



João Brainer Clares de Andrade

joaobrainer@gmail.com


Acadêmico de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (Uece)

Do original:

www.opovo.com.br/app/opovo/opiniao/2013/10/10/noticiasjornalopiniao,3143942/jaleco-sujo-mao-suja.shtml

Comentários