Lei similar ao Mais Médicos : Saúde no Panamá permanece em greve


A greve dos médicos, enfermeiros e técnicos de saúde no Panamá completou 12 dias exigindo que o presidente Ricardo Martinelli  revogue a lei 69  que autoriza a contratação de especialistas estrangeiros 
Arquivo:Um paciente aguarda para ser atendido na sala de emergência do Hospital Santo Tomas na Cidade do Panamá.


Na capital,os grevistas continuam seus protestos com piquetes  pacíficos no  Hospital das Crianças, à beira-mar ,em frente a faixa litorânea, e nos prédios do principal hospital da CSS, pedindo a revogação da Lei

Os médicos dizem o que mais vai afetar a saúde dos panamenhos .

Os dirigentes da Comissão Nacional de Negociação Médica ( Comenenal ) , lideram a greve, e manifestaram interesse no diálogo para encontrar uma solução para o problema , de preferência com Martinelli e não com as autoridades do Ministério da Saúde (MS ) nem com o Fundo de Seguro social ( CSS). Os médicos recusaram um convite de ambas as entidades para começar no dia de hoje a regulamentação da lei , mas o Ministério da Saúde reiterou o aviso que, o processo vai começar.


O coordenador da Comenenal , Domingo Moreno, disse ao Canal 2 da TV local que a chamada para a regulação  é " inadmissível  legalmente, porque  nada pode ser regulado se não está (estipulado) na Lei ". O secretário-geral  do MINSA, Felix Bonilla, disse  entretanto, que a Constituição autoriza o presidente e o ministro correspondente a regulamentar qualquer lei  .


" Não há confiança em negociar , temos sido abandonados na mesa de negociação. Negociar, isso não ", disse Moreno. O médico acrescentou que é por esse motivo que os sindicatos pedem ao líder panamenho , que por sua investidura, "se levante bem acima (de todos) e revogue esta lei mal escrita e mal formulada " . "O presidente ( Martinelli ) ainda tem a bola do seu lado , a decisão de revogar a lei ,e desejamos sentar  com ele para resolver a situação de forma permanente ", disse Moreno.


O governo panamenho está analisando os prontuários de 22 estrangeiros , especialmente da Espanha, Cuba e República Dominicana, para contratos temporários , em princípio, um ano , para preenchimento de vagas em áreas de difícil acesso das províncias de Bocas del Toro , Cocle Darien , Colon , Veraguas , Los Santos e Herrera.

As autoridades deixaram claro que uma vez que o Governo autentique os registros de estrangeiros , será a Câmara Técnica de Saúde , com o apoio da Faculdade de Medicina , que têm a obrigação de verificar se eles cumprem os requisitos para a prática médica no Panamá, outra preocupação dos médicos que estão em greve desde 26 de setembro .

No entanto,a Comenenal também argumenta que a Lei 69 ameaça a sua segurança de trabalho e abre o caminho para a privatização dos serviços de saúde pública ,e que o governo se recusa a esclarecer o que não está contemplado   pela norma. As Autoridades de saúde dizem que mais de 18 mil pacientes perderam suas consultas médicas pela greve .

Do original:

Comentários