Mais Médicos para o Brasil, mais saúde monetária para você Fidel

Por Uberto Mario*
Médicos cubanos exportados: o golpe que continua



A Embaixada de quatro mil médicos cubanos rumo as áreas rurais no Brasil faz parte de uma velha história  Cubana  de propaganda através da saúde pública.

Chama a atenção da Imprensa internacional a Diplomacia dos Doutores

Desde 1970, o governo de Cuba exporta seus médicos para trabalhar no estrangeiro.

Posto assim, poderia ser interpretado que Cuba é o país mais solidário do mundo.

Mas o dividendo material para os cofres do governo foi produzido com a troca de mais de 135 000 trabalhadores de saúde que ao longo das décadas deixaram suas casas e famílias para cumprir com esse "dever patriótico".

A desculpa sempre tem estado ao alcance da mão de Fidel Castro e agora de seu sucessor : terremotos, furacões, guerras e até mesmo males epidemiológicos na Ásia, África e parte da América Latina tem servido como baluarte para o reduto cubano estar sempre pronto para enviar seus técnicos, enfermeiros e médicos para prestarem auxílio.


Pacto em voz baixa,na surdina


Mas muitos destes países para os quais o serviço é prestado têm petróleo, ouro, equipamentos automotivos e outros recursos que servem para negociar na hora que Cuba concorda com seus clientes e necessitados por sua "valiosa" cooperação médica .

Mas os salários e pagamentos da negociação do governo cubano nunca ficam claros para os profissionais designados nestas missões . As Estatísticas de renda para os serviços médicos no exterior calculam   um valor geral de $ 6,000 milhões que em data recente foi recebido pelo Ministério de Comércio Exterior e contratos Estrangeiros.

Porém os contratos de grupo ou missões não são discutidos ou relatados de forma transparente com informações básicas que qualquer profissional exigiria.

Ou seja, eles deixam a ilha para "salvar vidas humanas " e o dinheiro não era o que importava na missão. Antes saíam pela ilusão de ter coisas simples,como calça jeans ou gravadores . A partir da era dolarizada em Cuba, servir agora em uma missão é ganhar  o salário mínimo em dólar,o que lhes permitem melhorar um pouco suas vidas , guardar e voltar para favorecer a sua família, se no caminho não tomarem a decisão de fugir   para outros horizontes .


Fidel Castro se encarregava de dizer em cada tribuna dentro e fora de Cuba, que seu país é uma " potência médica mundial " , e, portanto, está sempre pronto para enviar médicos , quando necessário.

Hoje, é importante lembrar que países como a Argélia , Peru , Angola, Nicarágua e, nos últimos anos, a Venezuela , têm sido vítimas desta macabra operação de troca na qual  a ajuda humanitária se tornou moeda de câmbio por petróleo ,pela assistência mútua em diversas áreas da vida econômica e também pelo dinheiro que não para de chegar . Dinheiro esse que Fidel Castro nunca concordou anunciar , embora mantenha em segredo de estado com outros líderes e parceiros .


Por mais de duas décadas, a África tem sido uma iguaria para os fins de exportação de saúde desde a ilha de Cuba .

Primeiro vieram as guerras em Angola , Etiópia, Zaire , Moçambique, Congo , Nigéria, onde, além de milhares de civis e militares foram enviados os Cubanos da colaboração médica . Depois de anos de guerra , Cuba tem médicos em mais de 10 países do continente , cobrando até cinco mil dólares por cada um deles.


Venezuela, a grande tacada

Venezuela é ponto a parte.

Em todo esse negócio com o exército cubano de batas brancas,  a história com a Venezuela é realmente interessante.

Embora por muitos anos Cuba tenha colaborado de alguma forma com os seus médicos, no momento essa "ajuda" é muito mais acentuada.

A tragédia de Vargas, em 1999, foi o motivo para que 599 especialistas fossem ajudar essas pessoas, mas uma vez lá, Fidel Castro preparou o seu bom amigo Hugo Chavez para que os serviços fossem ampliados para nove estados da Venezuela: Aragua, Zulia, Barinas, Lara, Falcon, Portuguesa, Guárico, Carabobo e o próprio território varguense.

Meses se passaram,e foi oficialmente assinado o acordo de cooperação econômica entre Cuba e Venezuela, em outubro de 2000, e apareceu nada mais, nada menos que 19 ministérios para trabalharem mutuamente a saúde pública com prioridade máxima.


Atualmente, cada médico cubano em terrritório venezuelano ganha cerca de US $ 400 dólares por mês (dos R $ 2.500 que paga o governo venezuelano), além da garantia de alimentos, transporte, cuidados pessoais e seguros de saúde que obrigatoriamente os prefeitos e governadores assumem em todo o país.


Além disso, cada paciente que é enviado de Caracas para Havana,passa a representar uma boa soma em petróleo , além dos 93 mil barris por dia e uma facilidade na hora do "pagamento",  o que para muitos parece financiado à primeira vista pelo governo cubano.

É para o povo

Cuba leva muito muito dinheiro pelos médicos na Ásia, África e grande parte da América Latina, no entanto, os médicos vêem muito pouco do ganho, pois eles são avisados ​​antes de sair para cumprir a missão no exterior : " o dinheiro que vocês ganharão é para o nosso povo, para garantirmos a sua saúde, educação e alimentação adequada. "

Mas os cubanos sabem que seus hospitais estão em mau estado ,velhos e com faltas de insumos, ao contrário das instalações utilizadas para cuidar dos pacientes venezuelanos, essas em excelente padrão de saúde,são as que trazem divisas para os Castro. 

Cuba está fechada há décadas e as restrições econômicas enfrentadas pelos profissionais, obrigam ao médico,ao treinador, ao professor,e ao cubano de hoje sair de Cuba seja qual for o seu preço , pois essa é a única maneira de trazer itens para a sua casa e as necessidades materiais que o governo vende ao povo em suas lojas por um valor que chega a custar  sete vezes mais do que o valor real .

Mas então, onde está a maior parte do dinheiro arrecadado com a presença dos nossos colaboradores da saúde no exterior? Não seria um pedido razoável que o governo explicasse aos seus cidadãos como é distribuído e alocado esses ganhos?

Não é compreensível que a vida siga igual, ou pior.


Estratégia de longo prazo

Atualmente, mais de 1.500 médicos cubanos que trabalham na Venezuela decidiram ir para o exílio, de outros países latino-americanos e do resto do mundo,-as estatísticas deste ano mostram que cerca de 500 médicos decidiram não voltar para casa e fazer a vida nos Estados Unidos ou outros destinos. Elas não incluem aqueles que freqüentemente fogem de barco ou jangada, ou por meio de procedimentos de imigração.

As perspectivas para a cooperação médica no estrangeiro sugere que Raul Castro continue a gerir este setor como uma fonte essencial de renda em face das transformações irreversíveis que o regime é forçado a fazer para sobreviver.

Segundo dados oficiais, Cuba tem atualmente 38.868 trabalhadores de saúde no exterior, 15.407 deles médicos.

A estratégia é clara. Mais de 128 000 profissionais de saúde se graduaram em Cuba nos últimos cinco anos, o que é quase metade das pessoas que se formaram em especialidades médicas em Cuba desde 1959. E no curso recém iniciado, apenas a inscrição em Ciências Médicas foi de 85,871 estudantes, justo neste momento que se mantém a tendência decrescente de ingresso nas demais carreiras da educação de nível superior.




A retórica de cooperação internacionalista desinteressada, termina definitivamente com a retirada da máscara.



Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do Original

Médicos cubanos exportados: la estafa que no cesa

Comentários