Dengue, cólera e outras doenças aumentam em Cuba

A dengue já é endêmica em Cuba . Em um hospital no bairro de Havana de Santos Suárez , uma sala no quarto andar está cheio de crianças com dengue. E em toda a ilha, os hospitais estão sobrecarregados com pacientes que sofrem de diferentes vírus.


Um funcionário municipal pulveriza como prevenção contra a dengue.
"Faz muito tempo que a dengue e outros vírus infecciosos escapam do controle sanitário . É um círculo vicioso. O Aedes aegypti se desenvolve em Cuba devido a um problema não resolvido : o abastecimento de água potável 24 horas. Rompimentos nos condutores de água,recipientes sem proteção adequada, falta de saneamento das cidades , entre outros, são o terreno fértil para a dengue e outros vírus tornarem-se uma praga. Associado a eles ,o clima tropical e a alta umidade. A resposta da saúde contra o dengue é a fumigação com freqüência e que as pessoas procurem os setores de emergência ao primeiro sinal " , diz um epidemiologista .


Consuelo (nome fictício ) , uma médica com 25 anos de experiência , foi contundente . Abre um mapa em grande escala do município de 10 de Outubro e assinala pontos de áreas de cor vermelha. " Agora, não é raro ver um bairro desse distrito que não tenha casos de dengue . Acho que perdemos a batalha contra a doença. Não temos uma política de prevenção coerente. Não podemos evitar o vírus como o da dengue e muitos outros. Só anunciam nos meios de comunicação que as famílias façam a higiene, fervam a água e depois , no caso de incubação da doença , tem todo o equipamento pronto - O médico de família e policlínicas recebem orientações precisas para relatar o caso aos níveis mais elevados. Estamos brincando com fogo. O Estado garante-nos as drogas, mas para conter a dengue e a cólera são necessárias medidas mais amplas , que envolvem uma despesa de milhões de dólares ".


. O último relatório oficial da dengue em Cuba remonta a data de 2012, com 63 casos. Mas, em agosto passado, o Ministério da Saúde Pública informou a existência de focos de mosquito transmissor em 98 municípios , entre eles 15 em Havana e também em Pinar del Rio , Santa Clara, Camaguey , Las Tunas, Granma , Santiago de Cuba, Guantánamo e na Ilha da Juventude. A Organização Pan -Americana da Saúde cita 700 casos de cólera em Cuba nos últimos dois anos.

Um especialista em vias respiratórias explica que os processos infecciosos atuais na população cubana " estão surgindo devido a fenômenos climáticos,novas cepas agressivas e vírus e bactérias resistentes aos antibióticos tradicionais,devido ao uso indiscriminado" . "


Médicos e epidemiologistas consultados dizem que a falta de higiene, escassez de água potável e grandes bolsões de lixo que proliferam em Havana, são uma combinação altamente explosiva


" Por falta de higiene, são comuns fungos e bactérias na pele.O controle sanitário contra ratos e outros insetos transmissores de enfermidades não é eficiente . Quase todos os hospitais do país estão sobrecarregados , com muitas faltas de materiais e nem sempre têm medicamentos de última geração. Cuba tem todos os ingredientes para a qualquer momento se detone uma epidemia em grande escala . Somente com uma estrutura ordenada de saúde pública e médicos consagrados não se resolve a situação ", disse o especialista em saúde pública e epidemiologia .

Os baixos salários também influenciam : os médicos mais prestigiados preferem estar dois anos na floresta amazônica da Venezuela e do Brasil , ou em uma aldeia remota na África do Sul . Nestas missões , os cooperantes(intercambistas) podem ter centenas de dólares e melhorar suas condições de vida precárias , quando voltar para casa.

A grande maioria dos médicos cubanos são dedicados à sua profissão , embora alguns sejam medíocres e negligentes, sem a vocação necessária . A crise econômica estacionária , que já dura 23 anos , abalou os alicerces da cura como se fosse um furacão de nível 5. O regime Cubano cria argumentos e culpa o embargo pelas falhas da saúde pública.

Quando 58 % da água potável é perdida devido a canos quebrados , hospitais em ruínas ,profissionais com baixos salários e o crescente aumento de epidemias como dengue e cólera, a soma desses fatores sugere que também os problemas deveriam ser combatidos na origem.

Do original:

Dengue, cólera y otros virus aumentan en Cuba

Comentários