Governo Cubano considera os milhares de médicos o seu melhor exército

ELAM


Nenhuma das escolas médicas cubanas aparecem entre as 300 melhores universidades da América Latina. No entanto, as estatísticas dizem que os índices de saúde superam os países da região.

De acordo com a lista da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre os melhores sistemas de saúde do mundo, Cuba ocupa o 39 . Para o Internacional Save the Children, Cuba é o melhor país da América Latina para a maternidade e o trigésimo terceiro no mundo .

A ilha, sempre de acordo com as estatísticas oficiais , também registrou o mais baixo índice de mortalidade infantil nas Américas , 4,6 ( 2012). Ela também tem 6,6 médicos por mil habitantes e exporta para 70 países.

Ainda assim, o recente relatório da QS World Universities Rankings , não mostra qualquer faculdade de medicina da ilha entre as 300 melhores da América Latina .

De acordo com o relatório , o Brasil domina a lista de faculdades , embora a OMS coloque o gigante do Sul no lugar de 125 dos melhores sistemas de saúde do mundo.

É possível , então, que Cuba marche na vanguarda dos indicadores de saúde na América Latina , mas deixe para trás a excelência acadêmica de suas escolas médicas?

Há cubanos que assim creem, e os fatos que confirmam isso.

Duas variáveis ​​-chave em uma equação

Para alguns médicos e estudantes , os índices de saúde do país não são diretamente proporcionais , na maioria dos casos, a qualidade profissional de seus médicos , mas a sua quantidade.
Mas a produção em massa de médicos não só resulta em mais médicos , mas também na preparação acadêmica inadequada de muitos dos formandos .


De acordo com Elena, uma médica com 10 anos de experiência que atua como professora em uma clínica na capital, Cuba tem quatro institutos superiores de Ciências Médicas , 21 faculdades de medicina e 20 Sucursais cobrindo todas as províncias do país.

" Trata-se de dois grandes desafios : . Para encontrar os melhores alunos a cada ano, e manter e preparar os professores que estão à altura da tarefa .Em ambos nos deparamos com sérios problemas ", diz ela .

Para essa médica, a medicina não recebe bons alunos na escola. Muitos já consideram a medicina como uma carreira de segunda classe , que paga pouco, e é muito difícil de aprender.


Dada a baixa motivação dos alunos e da necessidade de o Estado continuar a produzir médicos a um ritmo de fábrica ,os requisitos de seleção quase que desaparecem.

" Alguns vão optar para não ficar sem nada. Frequentam a sala de aula , com uma inadequada cultura para uma carreira tão complexa , mas também sem ter uma vocação para a profissão ", disse Elena, que prefere permanecer anônima.

" Tanto é assim , diz ela, que a média atual para entrar na carreira médica é de 77 pontos em 100. Com essa média não é um bom aluno . Para enfrentar os desafios desta corrida vai precisar de pelo menos 90 pontos " .

Para um dos professores da policlínica de Coco y Rabi , que também não quis ser identificado , outro problema que afeta a qualidade da formação dos profissionais de saúde encontra-se no sistema de classificação.

Como em todo o ensino superior cubano , o sistema que é usado nas escolas médicas é a qualidade . Mas as avaliações não cumprem o seu objetivo, pois se realizam de maneira formal. Isto significa que a maior parte do tempo, as classificações obtidas pelos estudantes não correspondem ao nível de desenvolvimento das suas capacidades .


No final, diz o médico , esses eventos têm um impacto negativo sobre o desempenho acadêmico desses alunos , e seu desempenho clínico subseqüente, no caso de conseguir se formar.


A outra variável é os professores. Sem bons professores não há bons discípulos. Para ser um bom professor em uma escola de medicina não é suficiente ser um bom médico . Você tem que ser , parafraseando um grande de Cuba, " um evangelho vivo " .

A falta de professores qualificado e experientes para lidar com o fluxo de estudantes , também afeta negativamente o "produto final" .

" Há professores que , mesmo que tentem , descobre-se que é difícil de compreendê-los. Isso mostra que eles não têm o dom de comunicar as coisas , não como médicos, mas como professores ", disse um calouro , que está terminando o curso " sem pena nem glórias " .

Muitos professores também estão desmotivados materialmente. Por exemplo, um médico contratado para ensinar três vezes por semana em uma clínica , é pago 60 pesos por mês ( pouco mais de dois dólares).


Com professores desmotivados e discípulos mal escolhidos , a qualidade desaparece.



Medicina e política


As decisões no setor não são tomadas em um colégio médico ou similar,porém em um partido político. Portanto,são as decisões políticas que moldam o universo médico cubano .

O Governo considera os milhares de médicos o seu melhor exército . A maioria deles não tem uma formação acadêmica e tecnológica a altura de outros países latino-americanos , como o próprio Brasil .

Porém na guerra preventiva contra as doenças , que é a estratégia suprema da medicina cubana , o Estado parece não dar muita atenção a excelência acadêmica.

" Sapateiros , para seus sapatos ! Que os políticos dirijam a política e os médicos a medicina" . Essa parece ser a fórmula para o resgate da excelência acadêmica , e devolver aos seus Asclépios o trono perdido na Ilha

Do original:
La 'fábrica' de médicos se tambalea

Comentários