Médicos Cubanos no Brasil: perigos, estresse no trabalho e 7% do salário

 Ninguém quer praticar a medicina de família em certas favelas de São Paulo,por causa do perigo real dos Barões do Tráfico. Assim, os cubanos são usados.

Capão Redondo é um dos bairros mais pobres e violentos da capital de São Paulo Há mais de um ano precisam de médico nessa área de favelas para a Unidade Básica de Saúde Jardim São Bento, mas " ninguém quer este trabalho pelos perigos associados e por isso os cubanos são usados ​​", disse quarta-feira em um relatório intitulado " os médicos do povo ", do jornal El Pais.

A correspondente do El País , Talita Bedinelli , acompanhou Luciana Defendi Navarrete , uma médica cirurgiã formada pela Universidade de Montemorelos , estado mexicano de Nuevo León. Ela trabalha no Brasil no Programa de Saúde da Família , um modelo de visitas a famílias pobres para orientá-las sobre as formas de vida saudável e que fornece tratamento para aqueles que precisam.


Segundo a jornalista do jornal espanhol ", o programa , que tem 1.103 médicos em São Paulo, precisa de outros 200 para atender a população do município. Para aliviar a escassez de médicos nas áreas carentes , o governo brasileiro criou este ano o Programa Mais Médicos , que oferece vagas na periferia aos profissionais formados no estrangeiro. A Maioria vem de Cuba, graças a um acordo entre os dois países pelas autoridades na ilha caribenha que também fica com parte do salário do profissional. " O jornal lembra que os primeiros médicos cubanos " foram recebidos no aeroporto aos gritos de" escravos " por médicos brasileiros indignados " .



Sobrecarga de trabalho


Que condições médicos cubanos enfrentam ? ( Bedinelli observa que a cena de São Paulo se repete em outras áreas pobres do país). No centro Jardim São Bento cada equipe de nove do Programa Saúde da Família atende entre 3.500 e 4.000 pessoas ", um número considerado alto pela cubana naturalizada espanhola Barbara Mena, estrangeira que está no cargo há duas semanas " .


" Mena conta que fazia parte do grupo de cubanos que , em 1996, ajudou o Brasil a iniciar o seu próprio programa de Saúde da Família, e disse que, em Cuba, um dos modelos brasileiros do projeto, cada equipe tem uma área com apenas 1.000 pessoas. "




" Cada dia ,um grito a mais "


Além da sobrecarga de trabalho, estão a falta de recursos e o desespero de pacientes, o que muitas vezes se traduz em hostilidade :


" As 7h as portas centrais são abertas , mas o movimento começa muito mais cedo. Em pouco tempo, todas as cadeiras na sala de espera estão ocupadas. Há duas filas grandes : uma, daqueles que necessitam de análise de sangue ou urina , que não são programadas. Outra , a de quem procura atendimento odontológico de emergência. Em ambos os casos , só recebe quem chega antes das 8 . Depois desse horário , atende os pacientes que marcaram consultas com médicos, dentistas ou enfermeiros .


" Minutos depois, uma mulher que chegou tarde gritou indignada. Os funcionários e os pacientes nem olham , acostumados a tais cenas . Mais tarde, na recepção outra cena violenta com outro paciente que terá que esperar dois meses para ser atendida ".


Navarrete resume sua experiência: " Todos os dias há gritos e insultos. " Essa merda não vale nada " é a frase favorita dos pacientes " .
" Eles não entendem que não é culpa nossa. Precisaria de pelo menos mais dois postos de saúde ", diz a Dra. . Além disso, há três anos , ela lida com uma lista de frustrações diárias . " Falta de tudo aqui ( ... ) Falta até o papel para a história clínica dos pacientes . Como se faz uma receita para um doente sem o receituário? " .


Os Barões Primeiro


Para sair e fazer o trabalho de campo , os profissionais são escoltados , pelas ruas - Bedinelli observa - . Elas são dominadas pelo tráfico de drogas , e seu relacionamento com os infratores é delicada .


Por uma parte, para os criminosos , a unidade é importante para os serviços prestados à população . Mas eles também sabem que você precisa tratar de forma diferente os barões da droga e suas famílias. " Suas mulheres são atendidas imediatamente , nunca pedem consulta ", diz um paciente diante os profissionais de saúde .




"Infelizmente, há um poder paralelo. As Mulheres dos infratores chegam com arrogância porque sabem que ninguém pode mexer com elas. As pessoas de lá sabem . Quem é que vai desafiá-los ? A violência é também é uma questão de saúde " , diz Thiago de Castro Menezes , 31 anos, gerente da unidade.

Por uns DÓLARES a mais 


Os médicos do programa oriundos de outros países são bem recompensados ​​pelas condições em que trabalham . Mas os médicos cubanos , se bem que ganham muito mais do que na ilha, recebem muito menos do que seus colegas de outros países .


Há poucos dias , como parte de uma entrevista com o Ministro da Saúde Pública de Cuba , Roberto Morales Ojeda, ao jornal Folha de São Paulo revelou o seguinte:

" Enquanto os profissionais do Mais Médicos de outros países recebem o seu salário mensal total de 10.000 reais [ 4.400 $ ] e também podem trazer a sua família para o Brasil , os cubanos não podem trazer seus parentes e recebem apenas entre 800 e 900 reais por mês [ apenas US $ 300 ] . O restante do salário é distribuído entre família do profissional e o governo de Cuba , que obtém a maior parte do dinheiro. "


Do Original:

Médicos en Brasil: peligros, estrés laboral y 7% del salario

Comentários