CUBA : Torturas,Espancamentos e prisões de homossexuais HIV- positivos por " periculosidade social "

Desta vez , Mario José Delgado, um dos históricos ativistas LGBT da Fundação cubana LGBT Reinaldo Arenas, e agora coordenador da ONG LGBT Divina Esperança,foi objeto de um brutal espancamento por criminosos comuns ordenado pela polícia política cubana.


Mario José Delgado deformado após espancamento promovido pelo governo Cubano Fotos: cortesía del autor
Madrid , 13 de dezembro de 2013. -
Mário José Delgado

A confederação Espanhola LGBT COLEGAS quer denunciar o assédio contínuo e repressão contra os ativistas LGBT em Cuba por parte do Estado e de suas forças de segurança. É comum as detenções ilegais e proibições de atividades e eventos que não sejam organizados pelo movimento do governo, o qual é controlado pela filha do ditador, Mariela Castro, por meio de sua Cenesex ( Centro Nacional de Educação Sexual) .

Agora, a polícia política cubana está usando criminosos comuns como a mão repressiva do ativismo que a roubam, assaltam e espancam os dissidentes e ativistas como uma forma de obter o silêncio deles.

De acordo com um dos relatórios mais recentes da Fundação Reinaldo Arenas LGBT, mais de 5.000 jovens LGBT foram presos ou multados somente na cidade de Havana,e mais de 15.000 foram instituídos registros de perigo, e mais de 4.000 LGBT foram para a prisão por " periculosidade social " , mais de 9.000 LGBT da capital foram deportados para o campo,e foram abertas mais de 19.000 avisos oficiais a LGBT por suposta prostituição e mais de 600 homossexuais HIV- positivos foram presos por " periculosidade social " . Estamos falando de um regime que não permite a liberdade de reunião , liberdade de associação, ou mesmo o direito à liberdade de movimento dentro do país.

A lei do " perigo pré-criminoso " aplicada a juventude gay , é empregada pela polícia cubana , que prendem por meses os jovens cujo estilo de vida está longe do "ideal revolucionário " e que eles acreditam que pode cometer um crime no hipotético futuro por causa desse estilo de vida. Os jovens são forçados a assinar o aviso oficial , e são ameaçados de prisão se eles não mudarem o estilo de vida para se tornar um verdadeiro " patriota revolucionário".

Para mais informação:

Paco Ramírez (presidente COLEGAS) 607929460



Confederación Española LGBT COLEGAS

c/ Carretas, 33, 2ºE

28012 MADRID

Tel: 915211174 /web: www.colegaweb.org

e-mail: confederacioncolegas@gmail.com

Do original:

COLEGAS denuncia el acoso y represión de los opositores, activistas y periodistas independientes en Cuba

Comentários