Crueldade do Regime ditatorial Castrista contra as crianças Cubanas

08/01/2014

Com grande ira, recebemos a notícia de saque e roubo orquestrado por milícianos do governo que se apropriaram dos brinquedos que as Damas de Branco tinham guardado para dar as crianças no dia dos Reis Magos . Um ato por demais covarde e vil , que o mundo não deveria ignorar , mas as Damas de Branco , vencendo a infâmia Castrista , mais uma vez compraram novos brinquedos com a ajuda dos que residem no exílio , e distribuiram entre 63 crianças pobres de Cuba.


Ao longo da história do regime dos Castro tem existido um abuso institucional constante contra menores. E mais do que abuso, uma crueldade . Desde o início , quando estavam em Sierra Maestra ,os Castro recrutaram crianças para lutar contra o exército de Batista . Então, no início dos anos sessenta e nos seguintes, o regime recrutou crianças para servir na milícia e outras forças armadas, e até mesmo foram enviados para zonas de combate no Escambray e na Bahia de Cochinos ( Baía dos Porcos ),praia de Girón.

Por muitos anos, deu treinamento militar para crianças nas escolas e as aulas eram ministradas por efetivo das Forças Armadas Revolucionárias . A utilização e recrutamento de crianças é uma violação da Convenção sobre os Direitos da Criança, da ONU , o artigo 32 e da Convenção sobre o Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados, das Nações Unidas ,em seu artigo 2.


Na verdade ,Castro tirou dos  pais o direito de autoridade parental , por privá-los da possibilidade de escolher a educação de seus filhos , após acabar com as escolas particulares , e de oferecer a educação religiosa de sua escolha .

A exploração de crianças foi uma constante do regime totalitário . Os alunos foram forçados ao "trabalho voluntário" no âmbito do programa chamado "La Escuela al Campo " , cujo objetivo era colocar as crianças para trabalhar em fazendas , longe de seus pais e em condições de estresse. Eles deveriam trabalhar para o Estado gratuitamente por um período de 45 a 60 dias por ano , por períodos de 6-8 horas diárias, sem receber qualquer pagamento e sem o benefício das colheitas , que eram integralmente recolhidas pelo governo.


Se os alunos ou pais de alunos recusassem o trabalho ​​estavam sujeitos a represálias. O aluno seria negativamente marcado no registro acadêmico , que gerava implicações ao entrar em uma universidade ou para selecionar determinados cursos de interesse estratégico para o regime. Este tipo de exploração econômica de crianças é uma violação do artigo 5 º da Carta dos Direitos Humanos das Nações Unidas, e do artigo 32 da Convenção sobre os Direitos da Criança, da ONU.

A crueldade do regime dos Castro custou a vida de muitas crianças. Tal é o caso das execuções por fuzilamento em La Cabaña , em 1971 ,de Angelo R. Lopez, 15 anos, e Pedro Bermúdez , de 16 anos , em Santa Clara em 29 de junho de 1974. E eles não estão sozinhos. Em nosso conhecimento, mais do que uma dúzia de crianças foram mortas no paredão da ditadura Castrista .


Owen Delgado, 15 anos, também foi morto ao ser torturado com espancamentos , em 23 março de 1981, na sede Villa Marista quartel da Segurança do Estado em Havana. Lázaro Morera Martínez , 16 anos, foi morto em 1993 pelo chefe da Polícia de Aguica em Matanzas . E Andrés Quintana Velasquez, 14 anos, foi morto em Matanzas , ao tentar ajudar seu pai, que estava sendo brutalmente chutado por agentes do regime. Em Rio Canimar , 07 de junho de 1980 , quando tentavam sair com seus pais para buscar a liberdade em outras terras , foram mortos William González López , de 3 anos de idade; Osmany Rosales Valdés ,de 9 anos; Marisol San Juan Aragones de 11 anos e Marisol Martínez Aragonés de 17 anos.


No famoso caso do rebocador " 13 de Março" , afundado em 13 de julho de 1994, por navios do regime sob o comando de oficiais da Segurança do Estado , 10 crianças morreram:

Hellen Martínez Enríquez , 6 meses de idade ; Xindy Rodríguez Fernández , 2 anos; Anjel René Abreu Ruiz , 3 anos de idade , José Carlos nicle Anaya , 3 anos; Giselle Borges Alvarez , de 4 anos ; Caridad Leyva Tacoronte , 5; Juan Mario Gutiérrez García , 10; Yasser Pérodin Almanza , 11; Yousell Eugenio Perez Tacoronte, 11; Eliezer Suarez Plasencia , 12 e Mayulis Tacoronte Mendez , 17, juntamente com 37 outros que tomaram os mares em busca de liberdade.

Por este crime hediondo , a Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou o tirano Fidel Castro e seu regime por genocídio . (Processo 11.436 , Relatório No. 47 /96) . No entanto, muitos governos da América Latina e do mundo preferem permanecer ignorando tão grande selvageria.


Traduzido pelo Blog Alagoas Real
Se copiar ou criar link é obrigatório citar a fonte

Do original:
Em 8 de janeiro de 2014

Comentários