Venezuela:O drama dos Cubanos que desertaram da Misión Barrio Adentro



Centenas de profissionais cubanos que desertaram da " Misión Barrio Adentro " estão presos em um limbo legal na Venezuela ,logo após as autoridades dos Estados Unidos terem negado a oportunidade de emigrar.

Os médicos cubanos Ismeldo Cubas (dir.), Salvador Amador (centro) e Azalea Blanco, examinam  um soldado venezuelano, nesta foto de 2005. Os médicos eram parte da “Misión Barrio Adentro”.
FERNANDO LLANO / AP




21 de dezembro de 2014

Os Afetados, muitos deles médicos, residem ilegalmente na Venezuela e estão  impedidos de trabalhar ou viajar -vivem sob constante medo da abordagem por oficiais do regime de Nicolas Maduro , o que levaria a sua prisão e transferência para Cuba .

"Estou desesperado. Eu não tenho emprego , não tenho nenhum lugar para viver e nem quem me ajude ", disse Lázaro Gabella Caracs , um enfermeiro cubano que desertou de Barrio Adentro em 2007, e  desde então se encontra na Venezuela.


"Eu não quero morar aqui. Eu tenho que estar de um lado para o outro, e ter muito cuidado para não ser abordado pela polícia " , disse Gabella , que não pode trabalhar legalmente na Venezuela e só ocasionalmente limpa casas por dinheiro para ter o que comer.


Como Gabella , existem centenas de desertores cubanos cujo sonho de emigrar para os Estados Unidos foi negado pelo Departamento de Estado , por não conseguir convencer as autoridades que faziam parte do programa de assistência médica conhecida na Venezuela como " Missão Barrio Adentro " .

Cerca de 8.000 profissionais pertencentes à Missão desertaram ao longo dos últimos anos. Muitos deles os vistos estão em trâmite nos EUA no âmbito do programa conhecido como Parole para Cuban Medical Professional ( CMPP , por sua sigla em Inglês ) .

No entanto , as autoridades americanas recusam entre 10 e 15 por cento dos pedidos obtidos , de acordo com estimativas da Solidariedade Sem Fronteiras, uma organização sem fins lucrativos dedicada a ajudar o pessoal cubano enviado pelo regime dos irmãos Castro para outros países.

"Quando são negados , as razões apresentadas pelo Departamento de Estado Americano é que eles não apresentaram provas suficientes que são cubanos e que se encontravam na Venezuela servindo nessas missões ,na qualidade de trabalho oficial, enviados pelo governo cubano ", explicou Julio César Alfonso , presidente da Solidariedade Sem Fronteiras.

Mas, em muitos casos , a resposta negativa ao requerente cubano é que ele apresentou o passaporte errado .

De acordo com Alfonso , as autoridades americanas geralmente esperam que o requerente cubano apresente o " passaporte vermelho " , que é concedido pelo regime de Castro ao deixarem o país em missão oficial .

Esse tipo de passaporte foi dado ao pessoal enviado a Venezuela devido ao Convênio Integral de Cooperação assinado por Hugo Chávez no início da década passada e pelo regime de Havana, por meio do qual a ilha está empenhada em fornecer pessoal e assistência técnica em várias áreas , incluindo a saúde , esportes, agricultura e educação , em troca de carregamentos regulares de petróleo e derivados .


Mas a equipe da saúde cubana normalmente é obrigada a entregar o documento aos chefes das missões , logo ao chegar na Venezuela ,ficando assim sem identificação cubana .


Muitas dessas pessoas solicitam posteriormente nova documentação na Embaixada de Cuba na Venezuela , e recebem o "passaporte azul" dado aos cubanos que deixam a ilha por razões extra-oficiais.

É o que tem acontecido , explica Alfonso, é que os desertores estão utilizando o passaporte azul em vez do vermelho para solicitar os benefícios da PAROLE , e as autoridades dos Estados Unidos estão recebendo um documento que comprova que o requerente é cubano , mas não que estava na Venezuela , por razões oficiais.


O que sugerimos é que, se eles têm que entregar o passaporte [vermelho] , que de alguma forma consigam obter uma fotocópia . Mas, se não puder fazer isso, então é ainda melhor ir sem passaporte , e explicar às autoridades americanas que eles prenderam o passaporte , porque os americanos sabem que isso acontece. Isso é melhor do que ir com passaporte azul " , disse ele.

A Gabella recusaram por três vezes o seu pedido, com a última declaração do Departamento de Estado, indicando que era a negativa final.

Em desespero, Gabella comprometeu-se a contactar as autoridades dos Estados Unidos diretamente.Em uma ocasião reuniu com muita dificuldade o dinheiro suficiente para ligar para o escritório da congressista Ileana Ros- Lehtinen .

"Eu queria explicar que não estou pedindo a ninguém para me dar nada. Que eu tenho força para trabalhar e seguir adiante " , disse ele

Gabella não conseguiu falar com a deputada , mas disse que vai continuar tentando.

Juan Gomez é outro ex-membro das missões cubanas , cujo pedido foi rejeitado pelas autoridades norte-americanas.

Ele chegou à Venezuela em agosto de 2007 , e participou de várias missões antes de decidir desertar. Sua experiência no país sul-americano não foi agradável, disse em um e-mail para o Herald.


"A vida tem sido desumana , tanto na missão como fora dela. Estamos em situação irregular , e meu visto expirou e não podemos trabalhar nestas condições de desertor ", disse Gomez.


" Para sobreviver aqui contamos com o apoio e caridade de alguns venezuelanos . É vergonhoso viver assim, mas não perdi a esperança de que na revisão do meu caso eles percebam que eu falo a verdade ", disse ele .

Traduzido pelo Blog Alagoas Real
Se copiar ou criar link é obrigatório citar a fonte
Do original:

Antonio María Delgado en Twitter: @DelgadoAntonioM

Read more here: http://www.elnuevoherald.com/2014/01/21/1660661/cubanos-atrapados-en-limbo-legal.html#storylink=cpy

Read more here: http://www.elnuevoherald.com/2014/01/21/1660661/cubanos-atrapados-en-limbo-legal.html#storylink=cpy

Comentários