A imprensa e a liberdade de expressão na Venezuela sofrem com o cerco do Chavismo



A imprensa e a liberdade de expressão na Venezuela sofrem o cerco do Chavismo. Doze anos depois de ter desempenhado um papel fundamental quando informaram sobre a tentativa de golpe contra Hugo Chávez a televisão venezuelana tem reduzido fortemente a sua cobertura ao vivo dos protestos anti-governamentais.


Os críticos denunciam a existência de um ' blackout informativo' que favorece o governo, cujoo braço executivo é a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel). 


"Enquanto os estudantes foram às ruas na terça-feira e com tudo o que está acontecendo, uma estação de televisão controlada pelo Governo transmitia o filme Flipper . Isso é inédito! "Relata ao site Perú21 Giannina Raffo ativista do Centro de Divulgação do Conhecimento Econômico (CEDICE) Liberdade de Venezuela.


Os canais de televisão estão "tomados" e auto-censurados. Globovisión até o ano passado era um meio opositor. Devido a multas e penalidades, o proprietário vendeu para um empresário Chavista. 

Existem meios que se auto-censuram por medo de multas pesadas. Assim são Venevisión (oposição até 2002/2003) e Televen (oposição até 2002/2003).


EM FOCO 


Mas o controle dos meios de comunicação procuram a internacionalização. Recentemente, o canal colombiano que transmite via cabo TNT24 foi removido em questão de horas após relatar a morte do estudante Bassil Dacosta. O mesmo destino teria a rede dos EUA CNN que foi ameaçada na quinta-feira pelo presidente Nicolas Maduro de ser removida da Venezuela.


MÍDIA SEM PAPEL

A crise sobre a escassez de papel foi estrategicamente induzida pelo Governo,alertam os especialistas , chegou à imprensa escrita. O secretário-geral do Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa, Marco Ruiz, " informou que alguns dos principais jornais como o"El Nacional", enfrentam um risco de encerramento. "

INTERNET NÃO SE SALVA 

Desde o último 12 de fevereiro, uma manifestação pacífica acabou em violência em Caracas, os venezuelanos tomaram a navegar na Internet para opinar, informar-se e contar o que está acontecendo

Mas o cerco Chavista também chegou às redes . Em Táchira não há acesso à Internet, o Twitter advertiu o mau funcionamento de sua rede na Venezuela e Zello, uma aplicação de "walkie-talkie", utilizada durante os protestos, foi bloqueada.

Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte

Do original: Fotos
Venezuela: El asedio del régimen chavista a los medios de comunicación

Comentários