Epidemia de cólera assola o hospital psiquiátrico (Mazorra) de Havana



No Hospital Psiquiátrico de havana foi registrado mais de 40 casos de cólera entre os pacientes ,segundo informação de Jusán López martinez

Os casos mais graves estão confinados à sala Ortega desse estabelecimento, conhecido popularmente como Mazorra .

Um internado , o paciente Rafael Vargas de 32 anos de idade morreu da doença.

Os habitantes das casas vizinhas ao hospital estão mostrando alguns sintomas da doença, o que tem causado alarme entre a população.

O Hospital Psiquiátrico de Havana foi manchete em janeiro de 2010, quando verificou-se que 26 pacientes haviam morrido de fome e frio.

Na investigação do governo , depois que a notícia foi anunciada no exterior , descobriu-se que um grupo de funcionários do hospital desviaram para o mercado negro uma boa parte dos alimentos e recursos destinados aos pacientes.

Foram punidos pelos delitos: abandono de pessoas incapacitadas, indefesas, e peculato


Wilfredo Castillo Donate, diretor do Hospital, 15 anos de prisão; Roberto Maza Izquierdo, vice-diretor administrativo, 14 anos; Josefina Díaz Arango, especialista principal de Dietética, 12 anos.

Como autores do delito de abandono de pessoas incapacitadas e desamparadas a Arianna Ramos Saínz de la Peña, vice-diretora clínico-cirúrgica, e Ivo Noa González, vice-diretor de Enfermagem, a dez anos de prisão cada; e a Susana Ángela Borges González, vice-diretora de Psiquiatria, sete anos.

Pelo delito de malversação, impôs dez anos de prisão a Miguel Villalobo López, chefe do armazém central; Álvaro Fidel Castañeda Rodríguez, chefe de frigorífico, 9 anos; Darwy Márquez Matamoros, chefe de brigada e turno da cozinha, 6 anos; Néstor Días García, chefe do departamento de cozinha e refeitório, 6 anos; Gerardo Míguez Callejas, chefe do departamento de serviços e abastecimentos, 5 anos; Dionisio Alfaro Feijoo, segundo-chefe do departamento de cozinha e refeitório, 6 anos; e Jorge Mateo Lay González, cozinheiro, 6 anos.

Pelo delito de descumprimento do dever de preservação dos bens de entidades econômicas, foi sancionada a acusada Yanet Pérez Rodríguez, chefa de farmácia, a pagar uma multa de 300 cotas de 20 pesos cada uma.

Aos acusados Castillo Donate e Noa González, o Tribunal aplicou, também, como sanções accesórias, a proibição do exercício da profissão, cargo ou ofício durante o tempo da sanção principal. De igual forma, tanto a estes, quanto ao resto dos sancionados à privação de liberdade, impôs-lhes, como medida acessória, a privação dos direitos eleitorais e a de ocuparem cargos de direção.

Contra a sentença ditada, os sancionados poderão promover recurso de cassação, perante o Supremo Tribunal Popular, no prazo dos dez dias hábeis, posteriores à notificação.

Fora do processo judiciário, outros responsáveis colaterais também receberam severas sanções administrativas. 

No entanto, apesar da punição, a imprensa oficial não divulgou a história completa , suprimindo para o público os detalhes , tais como o elevado número de pacientes falecidos

Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do Original

Epidemia de cólera hace estragos en el hospital psiquiátrico de La Habana

Comentários