As faces do sistema de saúde Cubano


Sob o slogan da ajuda desinteressada a outras nações , as missões médicas têm sido o script.


Durante anos , o governo cubano proclamou seu sistema de saúde como uma bandeira ante a opinião pública. O discurso oficial sempre enfatizou que um dos meios éticos fundamentais que a "revolução" constrói o seu projeto social , é a solidariedade humana . Sob o slogan da ajuda desinteressada a outras nações , as missões médicas têm sido o script.

Havana realizou a primeira ajuda médica em 1960, quando enviou ao Chile uma brigada para atender as vítimas de um recente terremoto. No final de 1962, em um evento público , Fidel Castro anunciou a decisão do governo de prover assistência internacional no campo da saúde. E em outubro de 1963 , ele enviou a primeira brigada médica com destino a Argélia.

Depois de vários furacões em diferentes países da América Central , uma vez mais foram os médicos cubanos enviados, com o lema de " solidariedade". No entanto, o que muitos não sabem até hoje é que quem pagou o custo mensal de R $ 400 por médico e pelos medicamentos fornecidos foram a Alemanha, França e Japão . Em 2004, a África do Sul fez a doação de um milhão de dólares pelo deslocamento de mais de uma centena de médicos para o Mali , e novamente outro milhão em 2010 , pelo envio de 31 profissionais de saúde para Ruanda. Além disso, a Organização Mundial de Saúde , a UNICEF e a Organização Pan- Americana da Saúde, têm financiado atividades de formação médica e outros serviços do mesmo tipo fornecido por Cuba em outros países .

Atualmente, já foram demonstradas algumas cartas do jogo. E a nobre ideia de solidariedade parece ter perdido o seu sentido filantrópico para se tornar o que é hoje : uma das principais fontes de divisas para o regime de Havana .

O que aconteceu?

O colapso do socialismo em 1989 causou dois anos após uma crise econômica que os cubanos ainda sofrem . Dada a evidência , decidiu-se traçar novas estratégias para sobreviver ao fim da ajuda soviética. A fim de aliviar a crise econômica em 1993 e 1994 , o governo introduziu algumas reformas mercadológicas , como abertura para o turismo , a permissão para o investimento estrangeiro , a legalização do dólar e a autorização para o emprego autônomo em quase 150 profissões.

Estas medidas resultaram em crescimento econômico modesto , uma espécie de ligeira recuperação .

E, de repente , a situação político-social que a América Latina experimentou no final do século XX , com a chegada ao poder dos partidos de esquerda , fez os Castro acenderem a lâmpada.

Desde a década de 60 , o governo vinha exportando profissionais de saúde qualificados : médicos , enfermeiros, dentistas e técnicos para colher simpatia e gratidão de muitos países subdesenvolvidos. Mas em meio ao chamado " período especial ", e somente Havana como um museu do marxismo no mundo , já não era tempos de boas vontades , então, teriam que repensar a estratégia. Nesta fase do jogo, além da exportação de doses ideologia contidas em tais missões espalhando a propaganda entre a população beneficiária,já era hora de receber dividendos mais precisos.

Foi precisamente o que aconteceu com a Venezuela, o melhor aliado político e ideológico -que as grandes somas de dinheiro, começaram mostrar a nova cara das missões médicas cubanas . Só na Misión Milagro (Missão Milagre) , em 2005 , 189 338 pacientes fizeram cirurgias (pelo menos de acordo com números oficiais) . E o programa se espalhou para 23 países , incluindo 14 do Caribe ( 15.805 pacientes ) e nove na América Latina ( 18.666 ) . De lá, os números tornam-se obscuros , como os dados e estatísticas que são alcançados a este respeito são" muito originais" , principalmente o papel real desempenhado e a geração de divisas para o Estado cubano , com envio de missões de médicos e outros profissionais de saúde para mais de cem países.

O envio de médicos , enfermeiros e outros profissionais de saúde de Cuba é feito mediante a assinatura de acordos individuais com países beneficiários. E Havana cobra em moeda forte . De acordo com números de 2009 , o principal item das receitas em divisas do país tinha deixado de ser o turismo internacional, desprezado por exportações de serviços para outros países na área da saúde , educação e outros setores ( nesta ordem ) .O saldo da história é que o Governo recebe toda a bolsa mensal acordada para os serviços de cada profissional de saúde " exportado" , enquanto a família do profissional é abonada em US $ 50 por mês em moeda local . No final das missões é que esses profissionais podem cobrar as chamadas " contas congeladas ", que juntamente com o salário recebido em sua estadia, é muito menos do que o montante que o Estado Cubano recebe. 

Se esses profissionais pedem para anteciparem o fim da missão , por motivos pessoais , de saúde ou de outra forma , só tem direito ao seu salário , com um carimbo de "missão cumprida" em seus registros. Sabe-se também que os passaportes dos membros dessas missões de viagem, permanecem sob a custódia do responsável político de cada grupo para impedir que os profissionais fujam para outros países ou que solicitem asilo ou refúgio.


Estes homens e mulheres que aceitam missões , em sua grande maioria é para ganhar mais dinheiro e obter itens e equipamentos que em Cuba com seus salários não poderiam comprar em anos e anos de trabalho- eles também enfrentam maiores riscos : a morte por violência , os acidentes em áreas remotas ... Perto de uma centena de médicos cubanos que trabalhavam na missão Barrio Adentro na Venezuela morreram desde o início do programa em 2003. Enquanto as autoridades dizem que não é assim, em 2010 , o jornal El Nacional publicou um artigo que relatou a morte do 69 médicos cubanos no país.


Em Cuba

Os Cuidados de saúde em Cuba é cada vez mais ineficiente. Hospitais e clínicas carecem de instrumental, medicamentos , materiais cirúrgicos , de cura, etc . Os médicos que ainda não saíram em missão, ou que querem repetir , compram a viagem das autoridades provinciais e nacionais responsáveis pela concessão das mesmas . Mesmo que seja por alguns dólares , os médicos cubanos estão dispostos ao sacrifício . Eles não se importam se o governo explora . " É assim que podemos melhorar um pouquinho , nós e nossas famílias" .

Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte

Los rostros del sistema de salud


Poderá gostar de:

Comentários