Cupido Ideológico:O Mágico e Milagroso amor de Chávez e Fidel

Hugo Chávez e Fidel Castro. Amor a primeira vista. Dois comandantes unidos por um Cupido ideológico.

A história oficial da aliança entre o ditador cubano e o falecido presidente venezuelano começou quando , em 1999, o líder bolivariano foi eleito nas urnas pela primeira vez .

O abraço histórico de Fidel Castro e Hugo Chávez (após sair da prisão por tentativa de  golpe de Estado em 1994 na Venezuela.)


Mas devemos retroceder : o romance foi forjado em 1994 , pouco depois de Chávez ser libertado após cumprir dois anos de prisão por uma tentativa de golpe . Fidel , irritado com as boas relações que o presidente Rafael Caldera tinha com líderes exilados cubanos , recebeu em Havana o militar golpista com honras militares .
Era dezembro e naquele encontro os dois homens se viram sobre o mesmo espelho: perfil de messias com o desejo irreprimível de exportar sua revolução . Castro viu no aprendiz de Caudilho a coragem e o " anti- americanismo " ultra de sua juventude . E Chávez encontrou nele uma figura paterna a quem imitar. Seria o herdeiro de um modelo reinventado sob a bandeira e o lema do socialismo do século XXI .


Cinco anos depois de Chávez ocuparia a casona de Miraflores e desde o início selou um pacto com seu mentor. O discípulo deu ao governo de Havana cerca de 100.000 barris de petróleo por dia, conforme necessário, para manter a economia cubana que vive em dificuldade .


Segundo o economista Carmelo Mesa Lago, a Venezuela fornece subsídios a Cuba no valor de 13 mil milhões de dólares anualmente .


Em troca para manter o chavismo,o regime castrista,primeiro com Fidel primeiro e em seguida com seu irmão Raúl no comando, chegaram a estabelecer na Venezuela cerca de 40.000 técnicos em diferentes setores : médico , especialistas em telecomunicações , conselheiros militares e de inteligência.


Tal foi o relacionamento que Chávez chegou ainda a propor em unir os dois países em uma única federação . Uma ideia maluca que os venezuelanos rejeitaram em um referendo em 2007.


Até então muitos já não escondiam o descontentamento por enormes subsídios para Cuba, enquanto a economia venezuelana estava indo para baixo e aumentando as preocupações sobre a presença cubana no alto comando de Chávez.


Ao mesmo tempo , o seu presidente passava mais tempo em Havana, até que um dia no verão de 2011 médicos cubanos diagnosticaram um câncer em Chávez .

Como todo nobre romance, o de Chávez e seu preceptor teve um desfecho dramático. Foi o próprio Fidel , que liderou os tratamentos médicos para combater o câncer inominável que acabou por vencer seu mecenas.

Mas antes o paciente planejou com os seus anfitriões a continuidade do Chavismo na figura de Nicolas Maduro , um outro ' groupie ' que havia passado pela ilha. Estavam em jogo a sobrevivência do regime de Castro e o apoio logístico dos cubanos em caso de uma revolta na Venezuela.


Chávez deixou este mundo pensando que deixou tudo atado e bem atado . No entanto , apenas um ano depois de sua morte Maduro mal pode conter a queda livre de Chavismo.


Nesta onda de protestos que ocorrem e que em Havana os mandatários seguem com preocupação , cada vez menos pessoas na Venezuela aplaudem a ajuda ao parasita Estado Cubano , cuja presença também é percebida como uma ingerência nos assuntos internos do país.

Chávez nunca teria imaginado que um dia os venezuelanos gritariam:" cubanos Go Home ' . Ele não foi capaz de prever quando abraçou Fidel naquele Dezembro de 1994. Dizem que o amor é cego.

Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original
GINA MONTANER

Comentários