Raúl Castro transfere Cubanos em Missão na Venezuela para suprir o Mais Médicos

O que Raúl Castro deseja mesmo é encher o seu bolso com o suor e o trabalho de cada médico cubano que está no Brasil. Ele descobriu que o país governado pelos companheiros do PT é a  nova  mina de dólares da burguesia castrista

Raúl Castro transfere Cubanos em Missão na Venezuela para $uprir o Mais Médicos


A cooperação médica cubana na Venezuela enfrenta atualmente uma diminuição considerável de pessoal devido a uma prioridade de última hora para o governo de Raúl Castro : O Programa Mais Médicos em cooperação com o Brasil, que contratou cerca de 11 mil médicos da ilha.

A crescente saída de médicos cubanos do território Venezuelano começou desde o ano passado , quando dezenas de médicos foram reivindicados pelo Ministério de Saúde Pública de Cuba ( MINSAP ) para aumentar o contingente que viajariam para prestar serviços em localidades e áreas remotas no Brasil .

A estratégia começou a criar preocupação e insatisfação entre os profissionais de saúde que ainda estão na Venezuela , afetados por uma sobrecarga de trabalho e com menos potencial de renda do que seus colegas que seguiram ao país vizinho.


" A questão é que o Brasil fez uma grande encomenda para o programa Mais Médicos e Cuba para atender a esse pedido teve que pegar os médicos Cubanos daqui ", disse ao Diario las Américas um médico cubano que atende missão na Venezuela . " Prometeram que enviariam ajuda de emergência, mas não sei quando será . "


Mais trabalho e sacrifício

A fonte queixou-se que os plantões são de três dias, e muitos médicos tiveram que assumir responsabilidades de ensino em universidades criadas na Venezuela , devido a ausência de professores.

"Nós éramos dois médicos cubanos para cobrir quase 20 clínicas médicas na área ", disse o médico, que pediu anonimato . "Estamos puxando os cabelos , porque realmente é um sacrifício extremo e não vale a pena. "

Não há estatísticas oficiais sobre o número de funcionários que partiram desde novembro passado da Venezuela , mas os próprios médicos afirmam que a redução de pessoal da missão é estimado em mais de dois mil.

O Recrutamento foi feito entre os especialistas em Medicina Geral Integral que estavam radicados na Venezuela.Os Recrutados de emergência viajaram para Havana para realizar um curso de adaptação e treinamento por pelo menos dois meses, incluindo estudos sobre o Português,para o programa Mais Médicos , promovido pelo governo de Dilma Rousseff.


Esta semana, outros 4.000 médicos cubanos chegaram ao Brasil para se juntar aos cerca de 7.400 que estão trabalhando em municípios do interior , aldeias indígenas e áreas periféricas das grandes cidades.

O valor recebido no Brasil é muito maior do que o que eles recebem na Venezuela .

Os médicos baseados na Venezuela atualmente têm um salário mensal de 3.000 bolívares , o que representa cerca de US $ 35. O governo cubano também deposita a cada mês entre 200 e 225 CUC em uma conta que só podem retirar ao terminarem a missão.
À espera de um aumento


Após reclamações do péssimo salário e o alto custo de vida na Venezuela , as autoridades cubanas prometeram um aumento de 100 CUC a partir de fevereiro , mas até agora o depósito não foi realizado .


" Aqui, as pessoas estão sofrendo e o salário é uma miséria ", disse um médico que trabalha no estado de Bolívar . " A missão de dois anos não dá para guardar nada , muito menos comprar um carro ou um apartamento com preços que existem em Cuba. "


Vários médicos consultados concordaram que os serviços dos chamados Centros de Diagnóstico Integral (CDI) será afetado pela perda de pessoal,



O discurso oficial de Havana permanece inalterado em relação a colaboração médica no país .


" Os colaboradores cubanos na Venezuela vai cumprir o seu dever e compartilhar o destino do heróico povo venezuelano sob quaisquer circunstâncias ", disse quarta-feira o chanceler , Bruno Rodríguez Parrilla , durante uma entrevista em Caracas.




Recrutamento de desertores

Em janeiro passado , os chefes de missão responsáveis por cada estado foram chamados para uma reunião para ler uma disposição que autoriza alguns desertores ocuparem vagas no programa de colaboração dos médicos na Venezuela .


" A orientação foi que os chefes das missões procurem as pessoas que se afastaram da missão , mas que não puderam ir para os Estados Unidos e que não fizeram declarações agressivas contra o governo cubano ", disse um funcionário do CDI , que falou sob condição de anonimato. " O plano já está pronto há vários meses porém eu acho que não seria possível aceitar essas pessoas , mas é o que tem sido orientado . "

A medida inclui vários médicos que se casaram para ​​ficar na Venezuela ou desertaram da missão, e agora podem ser reintegrados após uma entrevista que comprove " que são pessoas limpas, que não têm problemas políticos e não são opositores do governo [ Nicholas ] Maduro " , disse a fonte.

Milhares de médicos cubanos desertaram de missões de colaboração internacional , principalmente da Venezuela , amparados por um programa especial do governo dos EUA , que foi implementado em 2006.

Hoje, Cuba tem 38 mil médicos, dentistas e técnicos de saúde que servem em 66 países . A maioria dos colaboradores , cerca de 35.000 estavam na Venezuela até o final de 2013

A marcha forçada

A demanda por serviços de saúde no exterior tem forçado o governo cubano a aumentar rapidamente os planos de formação médica.

Embora o número total de matrículas no ensino superior mantenha uma tendência descendente a partir de 2007-2008, o ingresso na carreira de Ciências Médicas mantém um ritmo estável em 13 universidades e três escolas independentes no país.

O total de matrículas na carreira médica, que exigem estudos por seis anos, se eleva a 47.676 estudantes , dos quais 37.302 são cubanos. Durante o ano passado foram admitidos 12.905 estudantes de Ciências Médicas , o que representa 31% das matrículas em cursos de graduação .

Mas o Ministério do Ensino Superior anunciou esta semana que para o próximo ano lectivo haverá um aumento de 7.000 vagas , com prioridade na área de Ciências Médicas .
"Mesmo com todos os médicos que temos no exterior continuamos a ter uma das maiores taxas de médicos per capita do mundo, " Disse orgulhoso o ministro da Saúde Pública, Roberto Morales Ojeda, em um recente discurso ao Conselho de Ministros . 

Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original

Médicos cubanos dejan misión en Venezuela para irse a Brasil

Comentários