Venezuela inconstitucional - Marianella Salazar



MARIANELLA SALAZAR

Maduro e Cabelo decidiram dar ao poste a lâmpada. Chamados de ditadores , a comunidade internacional tem conhecimento da verdadeira natureza do regime militar que governa a Venezuela, onde a dupla perversa aplica o terrorismo de Estado. De fato, nos estados em que os ataques contra os estudantes e a sociedade civil têm sido mais violentos e assustadores, têm governadores militares- Táchira e Carabobo- ou são provenientes de braços paramilitares que apoiam a revolução, como o governador Tupamaro do Estado de Mérida .


Eles foram longe demais em sua depravação da justiça , nem mesmo guardam as formas; eles colocaram presos sem julgamento ou direito de defesa prévia os prefeitos de San Cristobal, Daniel Ceballos, e Enzo Scarano de San Diego ( Carabobo ) , em juízos expressamente fraudados , realizados por um Supremo Tribunal de Justiça degradado que não respeita a lei

O líder da Voluntad Popular , Leopoldo Lopez,preso ilegalmente em Ramo Verde , eles também recusam as provas para a defesa no julgamento . É o fim da Venezuela como um Estado de direito Constitucional. A Autonomia universitária é violada por contingentes militares que metralham com suas bombas de gás lacrimogêneo no campus da Universidade Central da Venezuela e os grupos armados ,chamados de coletivos impediram os estudantes de marcharem no dia 13 de março, semeando, aterrorizando e ferindo gravemente um grupo de estudantes da Faculdade de Arquitetura, que estavam reunidos em uma assembleia.


O incêndio planejado na sede da UNEFA , em San Cristóbal, para culpar a oposição e denúnciá-la a organismos internacionais é uma montagem grosseira, e não podem valer-se desse incêndio em vantagem própria , porque o local é uma universidade militar fortemente vigiada em uma cidade que se encontra militarizada .


Além dos assassinados com tiros precisos na cabeça, existem feridos, desaparecidos, presos e torturados , casos bem documentados pelo Fórum Penal Venezuelano que serão levados para os fóruns internacionais, onde algum dia será feita a verdadeira justiça .

Caso María Corina 


O linchamento contra a corajosa deputada da oposição Maria Corina Machado , e a grosseira retirada de sua imunidade parlamentar, a proibição de entrar na Câmara da Assembleia Nacional e a advertência de que será presa e julgada por traição a pátria, entre outras acusações , não é apenas um projeto de lei por ela ter ido à OEA denunciar a violação dos direitos humanos no país, é parte de um plano concebido em Havana para neutralizar e silenciar a deputada em seu papel de líder. Não há nada incomum que o capitão Diosdado Cabello pense em revogar sua nacionalidade venezuelana , por aceitar a representação do Panamá na OEA.

O artigo 191 da Constituição empregado contra Maria Corina também se aplica ao próprio Cabello, que aceitou a promoção a Capitão e foi reintegrado como ativo as Forças Armadas Nacional , ou ao Deputado Abdel elZabayar do PSUV , que no ano passado se juntou as tropas sírias para defender o regime do ditador Bashar al Assad e não perdeu seu cargo de deputado.

María Corina não deve se entregar como fez Leopoldo López e ser reduzida a uma cela, expondo-se a sofrer os horrores que viveu a juíza Maria Lourdes Afiuni ,nem distanciar-se com o exílio. Se analisar bem deveria passar à clandestinidade , para que de lá organizasse a resistência conjuntamente com o general Antonio Rivero e o dirigente Carlos Vecchio , que honram os grandes líderes democráticos que desde a clandestinidade entraram em confronto com a ditadura Perez Jimenez .
Traduzido pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original
Venezuela inconstitucional

Comentários