Assassinato em Coral Gables: morte vinculada a Fidel Castro


O Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia é um dos principais institutos do governo cubano. Um construtor cubano que participou do desenvolvimento do centro foi morto em Coral Gables, em 1995, e suspeita-se que o governo de Fidel Castro tinha algo a ver 




Quando os exilados cubanos Lilian Rosa Morales e seu marido Manuel Ramirez foram assassinados a tiros em Coral Gables, estilo de execução , pouco depois da meia-noite do dia 2 de fevereiro de 1995, a maioria das reportagens sobre o caso somente focaram em Lilian Morales.

Afinal,Lilian Morales , de 25 anos, era conhecida como a apresentadora de um programa de rádio sobre astrologia e gostava de usar chapéus grandes com cores brilhantes. As reportagens indicaram que sua previsão de Ano Novo, afirmando que Fidel Castro iria viver para além de 1995 , teria despertado a ira de algum ouvinte .

Ramirez de 57 anos, foi mencionado nos relatórios quase que exclusivamente como seu marido. Consta que morreu no Jackson Memorial Hospital logo após Lilian Morales ser declarada morta no local do crime, ao lado da estação de rádio WCMQ em Ponce de Leon Boulevard.




Lilian Rosa Morales, 25 anos, era conhecida como  apresentadora de um programa de rádio sobre astrologia. Morales  e seu marido Manuel Ramirez foram mortos em Coral Gables, em 1995, e o caso permanece sem solução. 


Poucas pessoas sabiam na época que ele era um homem muito importante. 


Ramirez tinha dirigido a construção de laboratórios cubanos secretos para a pesquisa biológica, nos anos 80 e se preparava para depor perante o Congresso dos EUA sobre a capacidade de Cuba para a produção de armas biológicas, quando o casal foi morto, de acordo com informações recolhidas por Nuevo Herald. 


Ramirez também foi responsável pela construção de alguns dos escritórios do líder cubano Fidel Castro e de vários bunkers militares, e tinha chegado aos Estados Unidos através de um programa semi-secreto de "interesse nacional", dirigido por exilados em Miami para  importantes desertores da ilha.



Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba 



Um ex-oficial do governo cubano disse ao jornal que o assassino era um ladrão comum de Havana que vivia em Miami e recebeu ordem do governo cubano, talvez do próprio Castro-para assassinar Ramirez por ter supostamente roubado US $ 2 milhões do governo . 

O assassino, conhecido como "Índio" foi mais tarde recompensado com uma autorização para traficar narcóticos da ilha até o sul da Flórida, disse o ex-oficial, que pediu anonimato por medo de represálias. 

Ninguém foi acusado dos assassinatos. A história oficial não pôde ser confirmada , mas algumas de suas declarações mais importantes coincidiram com os detalhes do caso. O Departamento de Polícia de Miami-Dade se recusou a comentar uma vez que a investigação continua em aberto. 




GERENTE ESTRELA



Ramirez foi claramente o gerente estrela de projetos chave de construção em Havana durante os anos 80 , incluindo a Embaixada da Rússia , o Palácio das Convenções e escritórios de Castro a prova de escutas que ele listou em um currículo autobiográfico de nove páginas , pouco depois de chegar em Miami em 1991.



Manuel Ramirez, de 57 anos, foi o construtor do laboratório secreto de pesquisas biológicas cubano nos anos 80. Ramirez foi morto com sua esposa em Coral Gables em 1995 


Mas seu principal projeto foi o Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia ( CIGB )ao oeste de Havana , um complexo de uma dezena de edifícios e mais de 100 laboratórios , de acordo com o currículo obtido pelo Nuevo Herald.


Ramirez escreveu que ele tinha um bom relacionamento com Castro , porque ele era diretor da sucursal em Havana da UNECA , empresa líder de construção do estado de Cuba , e o presidente visitava o projeto do CIGB de quatro a cinco vezes por semana para discutir o seu progresso.


Um amigo de Ramirez em Miami confirmou que ele havia conhecido Castro .

" Manolito conseguiu atingir um alto grau de comunicação e aceitação do comandante ", disse o amigo . Ele e outros entrevistados para esta reportagem pediram anonimato para poder falar com franqueza .


O currículo acrescenta que Ramirez e Castro eventualmente tiveram "algumas discussões um tanto desagradáveis ​​", que levaram a relegar a um projeto da UNECA na antiga Tchecoslováquia em 1986. Ele não explicou as razões para as divergências.



PLANO PARA DESERTAR

O engenheiro retornou a Cuba em 1990 e em 1991 foi convidado por um amigo russo para visitar Moscou. Ramirez disse a um irmão que morava em Hialeah que queria desertar com sua segunda esposa, Morales. O irmão se recusou a comentar o assunto .

O irmão de Ramirez pediu ajuda Horacio Garcia , um membro da Fundação Nacional Cubano-Americana ( CANF), que coordenava a execução do programa de vistos de "interesse nacional" dos Estados Unidos a partir de seu escritório pessoal para manter uma distância com a CANF .



Um homem ligado à construção do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Cuba foi morto com sua esposa em Coral Gables 

O governo dos EUA tinha prometido 200 desses vistos para desertores importantes, tais como diplomáticos, que primeiro tinham de ser aprovados por autoridades norte-americanas , disse Garcia . Cerca de 100 destes vistos foram eventualmente emitidos, incluindo dois para Ramirez e Morales.

O casal viajou de Moscou para a Espanha e de lá para os Estados Unidos em 6 de janeiro de 1991. Ramirez , em seguida, foi a Washington para duas semanas de intenso interrogatório por funcionários do Pentágono , de acordo com um exilado conhecedor do fato.

Após o seu regresso a Miami , aparentemente, o casal começou a ir bem em suas novas vidas. Em 1995, eles possuíam três propriedades , com grandes hipotecas no valor de $ 660,000 . Ele trabalhava para uma empresa de construção de casas e o casal era dono da revista de astrologia Futuro ; também tinham registrado dois negócios relacionados com a parapsicologia .


O currículo descrevia que Lilian Morales tinha se formado no Instituto de Ciências Exatas de Cuba e que estudou comunicações eletrônicas na Ucrânia. Ela se gabava em Miami que tinha estudado teologia na Ucrânia , metafísica na Áustria e parapsicologia na Tchecoslováquia .

O WCMQ não pagava a Lilian por seus programas. Mas ela usava a rádio para divulgar seu trabalho na astrologia , sob o nome profissional de Lilian Rosa Morad disse o anfitrião do programa de rádio e da televisão Tomas Garcia Fuste , que era na época o diretor de notícias da estação.


Audiência no Congresso


No final de 1994 ou início de 1995 , um grupo de exilados convenceu a Bob Menendez cubano-americano de New Jersey , membro da Câmara dos Deputados e agora no Senado, para organizar uma audiência no Congresso sobre a capacidade de Cuba produzir armas biológicas. Ramirez seria um dos três desertores cubanos que iria depor na audiência, disse que um dos exilados .

Um relatório de quatro páginas escrito por Ramirez detalhando os laboratórios de alta segurança que ele construiu no CIGB , conhecidos como laboratórios de nível P -3 e P -4 , afirmava que eles foram totalmente construídos de aço inoxidável , soldagem especiais e filtros para garantir que nada de perigoso escapasse para a atmosfera.


O relatório não incluiu qualquer evidência de que Cuba havia fabricado armas biológicas . Mas ele disse que a ilha tinha as facilidades e os conhecimentos necessários para criá-las , ou mesmo para vender ,para ameaçar ou atacar outros países.

" Dada a natureza de Fidel Castro ... sua atitude belicista , sua intransigência , sua arrogância e sua loucura pelo poder, pode-se concluir que ele é capaz de produzir um holocausto ", Ramirez escreveu no relatório , obtido pelo Nuevo Herald.

Em 2002 , John Bolton, então subsecretário de Estado para a Segurança Internacional e Controle de Armas , declarou publicamente que Cuba tinha a capacidade de produzir armas biológicas. A CIA divulgou um comunicado mais tarde em termos mais cautelosos 


Morte Suspeita


Cerca de duas semanas depois que Menendez concordou em organizar a audiência , Ramirez e Morales foram mortos a tiros , no que parecia ser claramente um assassinato. Não havia qualquer sinal de tentativa de roubo ou briga doméstica , segundo a polícia , nesse momento .

Morales tinha acabado de terminar seu programa de rádio sobre astrologia, "Através do pensamento ", que ia ao ar nos dias úteis das 11:00 à meia-noite , e saiu da rádio WCMQ por uma entrada lateral em Santillane perto da esquina com Ponce.

Um vizinho disse aos jornalistas que ouviu seis ou sete tiros. Outro relatou ter visto uma silhueta entrando em um carro estacionado e sair rápido. Encontraram Ramirez e Morales em seu Mercury Cougar de 1992 estacionado em Santillane . Eles tinham um bebê de 18 meses de idade.

Seus amigos disseram que foi especulado no início que as mortes poderiam estar relacionadas com fraudes em negócios ou tráfico de drogas . Garcia Fusté lembrou os rumores de que tinham matado Ramirez porque " ele tinha muito dinheiro , e muita informação. "


A RAIVA DE CASTRO


Brian Latell , analista aposentado da CIA e autor do livro Castro’s Secrets ( " Os Segredos de Castro ") , disse que sabia de uma série de tentativas do governo cubano para assassinar desertores e  outras pessoas , especialmente aquelas que tinham enfurecido Castro de alguma forma .

" Fidel operou em Cuba durante todos os anos em que esteve no poder como chefe supremo da espionagem de Cuba. Ele tomou decisões em todos os casos importantes , e os desertores que sempre feriram Cuba tornaram-se seus casos sujos " , disse Latell .

O ex-oficial do governo cubano disse que obteve informação sobre o assassinato de Ramirez e Morales por três fontes separadas entre seus amigos e familiares, assim como fontes conhecidas dentro dos órgãos de inteligência da ilha.

A principal agência de espionagem de Cuba , a Direção de Inteligência do Ministério do Interior,(DGI) nomeou dois colaboradores em Hialeah que vigiavam Ramirez e Morales logo após o casamento quando o casal chegou ao sul da Flórida em 1991 , disse o ex- oficial ao Nuevo Herald.

Naquela época, uma das mulheres relatava regularmente a Havana sobre as atividades dos exilados anticastristas , acrescentou a informação a direção da CANF e ao ex-deputado Lincoln Diaz- Balart , republicano da Flórida, e sua família.

Alguns anos mais tarde , ele obteve provas de que o assassino era um homem cubano de 30 e poucos anos- conhecido como "índio" por sua pele escura e cabelos lisos , disse o ex-oficial . O "índio" havia sido preso em Cuba por pequenos furtos e veio para o sul da Flórida , durante o êxodo de Mariel , em 1980.

Funcionários cubanos disseram ao homem que a morte de Ramirez era retaliação por roubar US $ 2 milhões, disse a fonte , durante uma série de entrevistas . O ex-oficial deu mais detalhes para o Herald , mas pediu para não ser publicado para proteger sua identidade .

O ex-oficial disse que não sabia exatamente quem em Havana ordenou o assassinato , mas acreditava que poderia ter sido o próprio Castro , também conhecido na ilha como El Uno

Após a morte do casal , o ex-oficial , disse que um funcionário do governo cubano falou para o assassino : " Você deixou o 'Uno' muito feliz ' .

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original
Asesinato en Coral Gables: muerte sin resolver vinculada a Fidel Castro

Read more here: http://www.elnuevoherald.com/2014/04/06/1719421/asesinato-en-coral-gables-muerte.html#storylink=cpy

Comentários