Contrato da Dra Okanis Borrego com a Comercializadora de Servicios Médicos Cubanos para a missão no Brasil

Contrato SMC/OPAS/Brasil: médicos cubanos sob rígidos controles de movimento e de visitas no Brasil
Dra. Okanis Borrego com o colega Dr. Raul Vargas, durante a conferência de imprensa em que anunciou sua deserção programa mais médicos.



Os colaboradores cubanos da missão mais médicos estão sujeitos a controles estritos para as suas operações pessoais e movimentos no Brasil , desde as quotas do salário,  à obrigação de comunicação para que possam receber visitas de parentes e amigos no local onde residem.



Os detalhes das regras aplicadas a médicos cubanos no Brasil em seus acordos de colaboração,figuram em seus contratos. 

Entre as obrigações estabelecidas no documento de seis páginas, consta ter que "informar a Direção da Brigada Médica Cubana na República Federativa do Brasil,previamente, a intenção de receber a visita de um membro da família ou de amigos na cidade onde presta serviço. "


Bolsa em parcelas


O contrato também regulamenta a forma como o "salário" é dividido em parcelas , $ 600 depositados em uma conta em Cuba e US $ 400 pago no Brasil. Se o profissional determina a abertura de uma conta bancária em Cuba em nome de um "titular" por ele indicado, deverá depositar US $ 50 dólares por mês para ser deduzido de seu salário.


Depois do  acordo bilateral Cuba-Brasil , em Fevereiro ,os médicos começaram a receber 1.000 dólares diretamente, mas esse ajuste-que não foi consultado com os colaboradores não está contido no contrato.

Borrego e seu colega Raúl Vargas, membros do programa mais Médicos desde novembro, anunciaram sua deserção no início deste mês, durante uma coletiva de imprensa em São Paulo, promovida pela Associação Médica Brasileira (AMB), uma organização que lhes deu apoio para materializar o plano de abandonar a missão,


Eles explicaram que só conheceram e assinaram o contrato para o trabalho no dia em que saíram de Cuba.


Dos cerca de 5 mil dólares que o Brasil oferece por cada profissional, o governo cubano -por mediação da Organização Pan-Americana de Saúde-fica com 4000, recebendo os cubanos a apenas US $ 1.000.


Quebra do contrato dos cubanos


Entre as violações citadas por Borrego e Vargas figura a subtração do pagamento estipulado pelo programa no contrato inicial. O dinheiro é destinado para a compra de utensílios básicos, como panelas, eletrodomésticos, camas e para cobrir os custos da mudança. Um valor que, dependendo da região, varia de US $ 5.000 a US $ 15.000.


Apesar de estar em uma região complexa, os médicos cubanos receberam apenas US $ 1.000 para fins de instalação.

A proibição de liberdade e de ter de informar ao funcionário cubano na área onde eles estão localizados, é outra das formalidades impostas, esquecendo-se de todas as regras que governam o comportamento de outros parceiros nacionais e internacionais no Brasil.

O contingente de médicos cubanos no Brasil é composto por 11.157 profissionais. Desde o início da Missão no ano passado, mais de 30 profissionais saíram do programa por motivos pessoais ou doença, quatro morreram e 14 desertaram a fim de escapar para os Estados Unidos ou permanecer no país sul-americano.
Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original -CafeFuerte

Comentários