Os novos escravos - Médicos cubanos vítimas do tráfico de pessoas - por Javier Rodriguez-Vera ,Vice-cônsul da Espanha em Portugal

Médicos cubanos vítimas do tráfico de pessoas

Em 2009, o Governo Português tornou-se o primeiro país europeu a fazer um pacto estranho com as autoridades do Governo de Cuba,  que aluga a mão de obra de Médicos- escravos em várias partes do mundo . Neste artigo, vamos aprofundar este negócio obscuro que move  bilhões de dólares, uma prática  denunciada por diversas organizações internacionais .

Javier Rodriguez-Vera : Médico, empresário e vice-cônsul da Espanha em Portugal.
https://twitter.com/Javier_R_Vera



Na Cuba da era colonial era comum que os donos de escravos,em caso de dificuldades financeiras ou de menor necessidade de mão de obra em suas plantações, o aluguel de escravos por temporadas. 


Nos dias atuais encontramos uma situação supostamente semelhante: O regime dos Castro necessita de divisas para, entre outras coisas, garantir o status dos membros dos círculos próximos ao poder, que desfrutam de uma posição econômica confortável protegida através da erradicação de qualquer evidência de resistência. 


Escravizar o povo nas diversas concepções do termo é uma via rentável e rápida. 


No caso dos médicos, a abordagem escolhida foi a de convertê-los em objeto de tráfico de pessoas, "negócio", que afeta cerca de 40.000 cubanos e corresponde a segunda fonte de divisas da ilha com um volume de negócio superior a mais de 6.000 milhões de dólares por ano . Ao contrário de outros é tão simples como estes novos escravos, agora, são os filhos da revolução, em particular a comunidade médica que, após a fuga em massa de seus antecessores, foi a promessa de um jovem e saudável Castro: um médico (e um policial) em cada esquina. 


A nobreza ideológica fruto de uma geração de superávit excedente de profissionais de saúde, deixou rapidamente ser pervertida pelo potencial econômico resultante do "empréstimo" para outros países 


Na década de 1960, foram enviados para a África juntamente com profissionais de outras áreas sob o disfarce de "difundir a revolução" e homenagear a Che (embora esses voluntários e idealistas desenvolvessem seu trabalho de uma forma altruísta, o seu "Senhor" previamente negociava o preço para sua "ajuda" com os líderes de cada país, cancelando a missão, no caso de não receber o valor acordado dentro do tempo estipulado). 

Durante a década seguinte, esta curiosa missão humanitária se estendeu para alguns países da Ásia e, a partir da década de 1980, na Venezuela, após a chegada de Chávez ao poder ,se converteu no principal cliente deste obscuro negócio.


No momento,é o "carro mestre" uma das principais fontes de receita da Ilha 


Cerca de 40.000 pessoas vivem nesta situação, que fornece para o Governo da ilha caribenha cerca de 6.000 milhões de dólares anualmente. 


O Tráfico de seres humanos, com todas as suas implicações, a partir de nossa perspectiva ocidental de 2014, inspira uma rejeição profunda, e as notícias de que esta prática ocorre em um país distante de nome impronunciável e localização incerta levanta marés de protestos quando há conhecimento dele. 


Circula na Internet milhares de e-mails solicitando assinaturas, expondo a situação daqueles que ainda sofrem na escravidão. 


Mas, aparentemente ignoramos aquilo que repudiamos ,e que  hoje em dia acontece na  Europa, com a bênção das autoridades. 


No Verão de 2010, a prestigiada publicação "British Medical Journal" denunciava a violação flagrante dos direitos social, profissional, do trabalho e humanos de 40 médicos que o governo Português tinha "alugado"ao seu homólogo cubano. 

Algumas organizações humanitárias manifestaram semelhante oposição a tal tratamento, mas, curiosamente, a notícia não alcançou repercussão. 

Posteriormente, o representante da Organização de Medicina em Portugal, o presidente da Ordem dos Médicos manifestou publicamente oposição a licença concedida para exercer a medicina sem passar pelas regras de filtragem que estabelecem as normas para exercer medicina em Portugal. 


O resultado foi idêntico. Nos meios de comunicação apenas transpareceu como notícia pitoresca, adornada pelo incentivo de que prestariam seus serviços em regiões onde havia necessidade de médicos. 


Até onde foi possível averiguar as regras e / ou acordos que regulam este singular intercâmbio de pessoas por dinheiro permanecem sem a devida divulgação em Portugal, amparadas pelas prerrogativas do organismo detentor do poder de manter em segredo tudo aquilo que considere conveniente, e que são exemplificadas no valor dos salários dos governantes. 

Na primeira semana de abril de 2014, a notícia de que o Tribunal de Direitos Humanos tinha criticado severamente a repressão dos meios de comunicação lusos nas mãos da oligarquia no poder, fato que poderia explicar o fato de que nenhum vazamento dessas irregularidades furou a peneira fina da "censura" permanecendo nas sombras por anos. 


No meio de tanto sigilo, Adriano (nome fictício), um dos muitos médicos cubanos que fugiram durante a sua estadia em Portugal partilha com os leitores USAHISPANICPRESS sua experiência: O acesso as "missões" termo usado pelo Regime dos Castro para tráfico de seres humanos, é muito procurado por médicos em Cuba para fins diferentes dos de seu governo razões: por um lado, deixar a ilha cria uma oportunidade para escapar do "paraíso socialista". 

Além disso, a remuneração obtida com o regresso a Cuba após o período estipulado entre os estados lhes dá uma posição privilegiada que apenas uns poucos conseguem atingir. Adriano estava em "missão" na Venezuela em 2008, quando lhe foi dito que estava tendo lugar um novo processo de seleção para ser exportado a Europa com as condições habituais:um salário de 300 euros por mês, mais 300 que seria inserido em uma conta bancária cubana com acesso a mesma após finalizar a missão de dois anos, além de direito à moradia em Cuba com um computador, acesso à internet, telefone e uma "pensão" de US $ 80 por mês para apoio aos familiares diretos que residissem na casa, durante todo o período de ausência do Médico . 
A carga de trabalho em seu destino seria de 40 horas semanais  em centros de saúde e mais 24 em serviços de emergência. 
O processo de seleção seria realizado em Cuba e constaria de várias etapas que excluiriam os menos qualificados: um teste teórico escrito, um oral, em Português, perante um júri de professores portugueses, que atravessaram o Oceano Atlântico, com este único propósito . 

Aqueles que fossem aprovados nessa primeira etapa, ainda teriam que enfrentar um processo de adaptação de 15 dias em Portugal, onde após a conclusão de um novo teste de conhecimentos seria dado a eles o Cartão da Ordem dos Médicos,documento imprescindível para a prática médica em Portugal. 


50 médicos voluntários se apresentaram para este concurso, que oferecia 40 vagas.Somente 34 superaram as duas primeiras fases (teste teórico em espanhol e exame oral em Português), por isso foi necessário colocar meia dúzia de candidatos que não conseguiram passar no filtro entre aqueles que ainda não haviam saído para servir em outro país. 

As regras em Portugal seriam iguais aos de outros países:-A missão foi formada por 4 a 5 Médicos do mesmo sexo. 

Um deles,é um membro de confiança do Partido, Médico também, sob o comando direto de um outro médico, o Chefe de Missão,que também é membro do partido e isento de funções clínicas e com liberdade e remuneração semelhante aos clínicos da localidade . 

A remuneração seria entregue à Embaixada de Cuba em Portugal, que iria distribuir os valores descritos acima, enviando o resto ao Governo de Cuba. -Foi explicitamente proibido de deixar a cidade na qual estivesse trabalhando,conduzir ou manter qualquer contato com a população local além finalidade da consulta médica. 

O desertor, à revelia, teria em sua pessoa uma sentença de 15 anos de prisão. Tudo o que era propriedade em território cubano seria confiscado pelo Estado, incluindo a habitação, contas bancárias, telefone, TV, computador, acesso à internet, etc.Abandonar a missão sem autorização do responsável seria considerado deserção 

Algumas advertências que de acordo com o nosso testemunho, provaram verdadeiro, e consistia na proibição de instituições prestadoras de Serviços de Saúde Portugal em contratar "desertores", independente da necessidade existente. 

Informalmente, haveria alguma dificuldade na obtenção de uma relação de trabalho em outras instituições públicas, apesar de mecanismos desconhecidos que regulamenta essas limitações. Sim, isso era conhecido, e este foi o caminho dos setes profissionais que escaparam durante o primeiro ano, o emprego temporário, que devido a restrições econômicas, não eram particularmente exigentes na contratação de médicos, desde que eles tivessem o credenciamento necessário para a prática da medicina no país. 


Assim, o fugitivo conseguia emprego para evitar ser deportado como estrangeiros sem autorização de residência. 300 euros por mês, apesar de terem cobertura garantida e uma cama, em um meio onde o almoço tem um custo médio de 5 euros, no local de trabalho e ficam a cargo do trabalhador, ter que viajar para um shopping onde para fazer uma compra, devido a restrições econômicas e contatos de deslocamento, significava passar fome. 

Hoje, em troca de 64 horas de trabalho semanal , teria um pagamento mensal de 600 euros, valor próximo ao que, um homem livre recebe por 24 horas. 

A história em si é digna de ser abordada. Mas este artigo vai um pouco mais longe: Por que um país europeu, supostamente democrático , fronteiriço com a Espanha, onde está na casa dos milhares de desempregados, onde a preparação técnica é semelhante ao do país vizinho,recorre ao tráfego humano pactuado com uma ditadura, um "negócio" que gera custos muito mais elevados com a contratação desses médicos do que os profissionais do próprio país ou, alternativamente, o espanhol? 


A pergunta ficou sem resposta, mas recebi a informação sobre a "venda" de um Centro Médico com seus "trabalhadores" a uma empresa privada: Vila Real de Santo Antonio é uma cidade de 12.000 habitantes, na fronteira com a Espanha, apenas separados por um rio. 

A Surpresa  é acentuada quando recebemos uma cópia de um contrato celebrado entre a Sociedade e o grupo privado "Hospital Particular do Algarve, SA", que vendeu por"zero euros" o direito a exploração do Centro , agora requalificado e autorizado para mais propósitos que a Fisioterapia ,assumindo os custos de manutenção das instalações. Em outras palavras, "dando seus escravos." O que aconteceu?

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original 

Los nuevos negreros

Leia também:
RTP1: O trabalho escravo dos médicos Cubanos em Portugal - VÍDEO (0 comments)

Comentários