Raúl Castro oferece a nova ‘Jóia do Caribe’ (porto de Mariel) para os EUA

Cuba oferece aos EUA porto de Mariel que foi erguido com recursos do povo brasileiro via BNDES

Raúl recebe presidente da Câmara do Comércio dos Estados Unidos


O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz, recebeu na tarde da quinta-feira, 29 de maio, o sr, Thomas J. Donohue, presidente da Câmara do Comércio dos Estados Unidos, o qual realiza uma visita ao nosso país liderando uma delegação integrada por altos executivos dessa organização.


Acompanharam o sr, Donohue, o sr. Steve Van Handel, presidente da Junta de Diretores da Câmara do Comércio e da companhia Amway; o sr. Marcel Smits, vice-presidente executivo e diretor financeiro da corporação Cargill e a senhora Jodi Hanson Bond, vice-presidenta para as Américas da Divisão Internacional da Câmara do Comércio.


No encontro, onde se trataram temas de interesse para ambas as nações, participaram o ministro das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, e o ministro do Comércio Exterior e do Investimento Estrangeiro, Rodrigo Malmierca Díaz, e a diretora-geral para os Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Josefina Vidal.


Donohue também visitou cooperativas privadas fundadas recentemente e falou com "pequenos empresários" surgidos no calor das mudanças aplicadas pelo governo de Fidel Castro desde 2008. 

Mas o empresário não quer perder a nova jóia do Caribe. Ele visitou a Zona de Desenvolvimento do Porto de Mariel, uma nova área cubana para atrair o investimento estrangeiro e é um dos projetos mais ambiciosos da América Latina. 

Este porto, que há 30 anos era o caminho para os Estados Unidos de um êxodo de 125 mil cubanos, pretende ser um dos principais motores da economia nacional. É uma zona de livre importação, exportação e fabricação, e que tem a particularidade de receber embarcações de pós-panamax, que podem carregar até 9.000 contêineres e por isso não podem passar pelo Canal do Panamá . Também grandes iates e cruzeiros.


A proposta de parceria surge em meio à polêmica no Congresso sobre o investimento do governo brasileiro, com financiamento do BNDES, para a construção do porto pela Odebrecht. Mais ainda porque o Ministério do Desenvolvimento Econômico repassou R$ 240 milhões a fundo perdido para obras, na gestão de Fernando Pimentel. O contrato é sigiloso por 30 anos .

Mariel, construído pela Odebrecht, tem capacidade para operar 9 mil containers/dia e para receber os meganavios pos-Panamax. É muito superior aos portos brasileiros.


Fontes: Jornal Granmma - http://www.clarin.com/mundo/Cuba-acerca-EEUU-romper-aislamiento_0_1148285309.html - UOL

Comentários