"Uma luz pelos meus'': homenagem às vítimas Cubanas do rebocador 13 de Março


A Todos os cubanos

Em 13 de julho marca o 20 º aniversário do crime do rebocador 13 de Marzo, barco que transportava 72 cubanos, afundado pelo regime de Cuba ao largo da baía de Havana para impedir a sua fuga para a costa dos EUA, ação criminal que matou 41 pessoas, incluindo 10 crianças


A ação coletiva ,"Uma luz pelos meus'' será uma homenagem às vítimas do rebocador 13 de Março e a todos os cubanos que perderam suas vidas no mar, tentando escapar de uma realidade sufocante durante 54 anos. É também uma homenagem à família cubana e uma chamada à esperança e reconstrução espiritual de nossa nação. Este 12 de julho ,véspera do aniversário ,ao anoitecer ,os cubanos em qualquer lugar do mundo, devem acender uma vela de frente ao mar, em uma ponte, um lago, um rio, na sua porta, na varanda ou na privacidade da sua casa (neste caso em Cuba devido a intensa repressão que aumenta nesta data )


Por falta de conexão de Cuba com o mundo, os cubanos que vivem no exterior podem ajudar a promover esta ação simbólica convidando parentes e amigos na ilha para participar e compartilhar, por sua vez com fotos e imagens desse evento em redes sociais. Vamos acender essa vela em 12 de julho para lembrar o amigo, o familiar que não chegou, o filho que nunca apareceu.

Uma vela como uma denuncia.
 Uma vela contra o esquecimento.
 Uma vela pelo futuro. 
Uma luz pelos meus

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original 



A História na baía de Matanzas - 

LA MASACRE DEL RIO CANIMAR



Em 6 de julho de 1980 por ordem direta do Partido Comunista , foi afundada a tiros na baía de Matanzas , Cuba, em frente para o rio Canimar um navio que transportava crianças que comemoraram o fim do ano escolar e muitos dos quais morreram . Não houve clamor internacional sobre o massacre.


O barco turístico "XX Aniversário", de dois pisos e construído de ferrocimento, saiu do cais sob a ponte da Via Blanca para um passeio no rio Canimar em Matanzas, Cuba, com cerca de 50 passageiros, muitos deles crianças, com seus pais e familiares, comemorando o fim das aulas. 


O navio, guardado por um milíciano, navegou através dos bosques que o séculos antes eram habitados por índios comandados pelo cacique "Caneymar". 

No final da rota, conhecida como a "la estrechura" marca um exuberante e improvisado pequeno parque onde subiram no barco dois membros do serviço militar obrigatório(SMO), os irmãos Silvio e Sergio Aguila Yanes de 18 e 19 anos, respectivamente, que levavam em "caixas" dentro das quais ocultavam espingardas automáticas AKM soviético, onze carregadores de bala, uma bússola . Aparentemente, eles tinham o apoio de três passageiros, dois homens e uma mulher. 


A embarcação começou seu retorno e os dois jovens precipitaram a ação que tinham planejado, eles pegaram nas malas suas AKM e mandaram o timoneiro seguir para os Estados Unidos. O milíciano resistiu e foi morto a tiros no peito.


Nessa altura, o Partido Comunista de Matanzas estava em reunião que paticipava o secretário-geral, Julian Rizo Alvarez e o Chefe do Ministério do Interior, Major Romelio Pérez León que ordenou aos seus capangas "Façam tudo para que não saiam da baía." 


Barcos de patrulha e um pequeno avião se juntaram a caça com tiros , diante dos olhos perplexos de visitantes e transeuntes. Rizo ordenou um navio draga fosse jogado contra a embarcação. Dentro do "XX Aniversário" foi tudo o pânico, os pais tentavam proteger seus filhos que choravam, alguns viajantes queriam que a fuga fosse consumada, outros gritavam por misericórdia, vários pularam no mar e tentavam descer quando finalmente o navio foi abalroado e cortado em dois pelo navio de dragagem. 


Quantos morreram? Talvez possamos saber quando Cuba for livre. Um registro oficial (uma cópia ) cita como morto: Sergio Aguila Yanes (um dos seqüestradores), Mirta de Armas Naranjo, Onelia Quintana, Delio Gómez González, Juan Domínguez Alfonso, Vicente FleitasCabrera ,José San Juan e sua filha Marisel San Juan de 11 anos, Osmani Rosales de 9; Marisol Martinez, 17; Lilian Gonzàlez Lopez de apenas três anos.As Testemunhas falam de muitos desaparecidos e onze sobreviventes. 


Os corpos recuperados foram devolvidos às suas famílias, com ordens estritas para um "velório discreto" nas duas únicas casas funerárias na cidade e sepultamento rápido. O caixão com o miliciano morto, pelo contrário, foi exibido ao redor da cidade como "um herói". No local apenas se falava do "Combatente" e não se referiam a matança. Um policial informava da prisão "dos seqüestradores", que foram acusados ​​de "pirataria" e outros crimes. A sentença foi amplamente divulgada. Os jovens foram condenados e Silvio Aguila Llanes e Roberto Calbeiro León a 30 anos de prisão, Humberto Martínez Rosabal a 15 anos, Rey Angel Lorenzo a 3 anos e Mercedes de la Caridad Cervera Llanes a dois anos. Mercedes depois conseguiu chegar a Florida. 

O destino de Rei Angel Lorenzo sempre foi envolto em especulações. Julian Rizo foi promovido ao Secretariado Nacional e membro "alternativo", do Bureau Político do Partido Comunista de Cuba. O assassinato do rio Canimar era como uma antecipação horrível de coisas que estavam por vir, o massacre terrível do rebocador "13 de Março". Nunca a ditadura comunista foi condenada pelos principais meios de comunicação ou por organizações internacionais ou por governos e políticos que fazem negócios com o regime de Castro e tentam prolongá-lo e cobri-lo. 


Descansem em paz as vítimas do comunismo e do capitalismo cúmplice!



Nota:
No famoso caso do rebocador " 13 de Março" , afundado em 13 de julho de 1994, por navios do regime sob o comando de oficiais da Segurança do Estado , 10 crianças morreram:

Hellen Martínez Enríquez , 6 meses de idade ; Xindy Rodríguez Fernández , 2 anos; Anjel René Abreu Ruiz , 3 anos de idade , José Carlos nicle Anaya , 3 anos; Giselle Borges Alvarez , de 4 anos ; Caridad Leyva Tacoronte , 5; Juan Mario Gutiérrez García , 10; Yasser Pérodin Almanza , 11; Yousell Eugenio Perez Tacoronte, 11; Eliezer Suarez Plasencia , 12 e Mayulis Tacoronte Mendez , 17, juntamente com 37 outros que tomaram os mares em busca de liberdade.

Por este crime hediondo , a Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou o tirano Fidel Castro e seu regime por genocídio . (Processo 11.436 , Relatório No. 47 /96) . No entanto, muitos governos da América Latina e do mundo preferem permanecer ignorando tão grande selvageria.

Comentários