Cuba : A corrente fatal dos tiranos,começa com estes elos enferrujados

Devo confessar que é muito desconfortável ​​publicar na Web as fotos de nossos opressores, é essa mania de não ter, como alguns me dizem, maldade. É que as vezes , como cristãos,  nos esquecemos de que devemos ser gentis como as pombas, mas astutos como as serpentes. Desta vez vou mostrar publicamente a fotografia de um informante do meu povo que constantemente perturba a minha família. A Vigilância em mim e em meu marido @ maritovoz cresce a cada dia e ele faz isso sem qualquer vergonha ou fingimento. Muitos vizinhos relatam que viram ele anotar o número dos carros estacionados na entrada da nossa igreja, corre atrás de nossos rastros quando viajamos de ônibus ou se apressa para relatar a presença de um visitante. Mas esse  informante vulgar não só nos prejudica, como foi no dia em que estivemos detidos por duas horas pelo chefe da Polícia Nacional (PNR) de Camajuani, que resultou na retirada de nossos laptops, que até hoje não foram devolvidos, mas também coloca em dificuldades a amigos próximos e irmãos em fé que continuam  participando de nossos cultos e  freqüentando nossa casa, e também os motoristas, que por  inúmeras vezes transportam nossa família.


Este homem, como todos os da sua laia, não são comunistas, nem tem nenhuma ideologia, a não ser seus próprios interesses- são personagens simples e vulgares em cujo ofício nem os capangas do regime que os utilizam,confiam. Sua obra se move no escuro e é apoiado pelo mal e pelos piores sentimentos guardados como tesouro no coração. Este é o elo da corrente enferrujada da cadeia repressiva que os tiranos  levantam contra aqueles que dentro da ilha se permitem pensar com liberdade e independência de seus slogans autoritários. São prejudiciais, muito prejudicial,embora  pareçam  insignificantes, quem pensaria ao ver  um pequeno mosquito que este ser poderia adoecer um ser humano?
Jesus Ramos, tem uma longa história como um informante da Segurança do Estado, em Villa Clara. Ele é odiado pelo povo de Taguayabon, a pequena comunidade onde moro. Faz o seu trabalho de vigilante, sem qualquer vergonha ou fingimento. Também participa das operações realizadas pela polícia política em torno de nossa casa e igreja,sendo a mais recente durante a realização em Havana da Segunda Cúpula da CELAC.






Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar o blog Alagoas Real e a fonte do artigo original 
Yoaxis Marcheco
En estos herrumbrosos eslabones comienza la fatal cadena

Comentários