Prefeitura de Maceió congela salários de médicos



Desde sua posse, no dia primeiro de janeiro de 2013, o SINMED aguarda a oportunidade de ter uma audiência com o prefeito de Maceió, Rui Palmeira. Várias solicitações já foram encaminhadas, mas sem resposta. O máximo que o sindicato conseguiu foi reunir-se, algumas vezes, com os três secretários que já passaram pela pasta da Saúde na atual administração.


Mas o prefeito não ignora de todo a classe médica. Ele prestou atenção na categoria e resolveu congelar os salários dos profissionais com mais de dez anos de trabalho no município. Os médicos que têm carga horária de 40 horas semanais, principalmente os que estão da metade para o fim da carreira também não recebem mais as progressões do PCCV.


O congelamento dos salários atinge médicos do PSF, na capital brasileira com pior cobertura do programa – vergonhosos 28% de cobertura na atenção básica. Somente os médicos com contrato de 20 horas semanais continuam recebendo reajustes, mas não se sabe até quando.


O que o SINMED busca é dialogar com o prefeito sobre essas e outras questões, como as promessas que ele fez durante a campanha eleitoral para a área de saúde, e que a classe médica tem interesse de saber quando serão cumpridas. Inclusive, quando candidato, Rui Palmeira prometeu que manteria o diálogo aberto com o sindicato – e para isso se faz necessário que as partes se reúnam.



O SINMED continua aguardando o agendamento de uma audiência com o prefeito Rui Palmeira, ou até mesmo uma visita dele ao sindicato para um café da manhã com a categoria, oportunidade em que poderia ouvir e, pelo menos, iniciar a negociação de reivindicações da classe médica. O convite está feito.

Comentários