O socialismo transformou o povo cubano em ladrão

O problema está tão enraizado na sociedade Cubana que as fronteiras entre o legal e o ilegal são diluídas. Ser desonesto é uma questão de sobrevivência.

O socialismo transformou o povo cubano em ladrão


Recentemente no semanário Sierra Maestra foi anunciada a prisão realizada na rua do chefe do almoxarifado do Hospital Provincial Saturnino Lora, que foi encontrado transportando uma certa quantidade de filme de raios-X .Em uma pesquisa posterior em sua casa foi encontrado outros instrumentos médicos tais como seringas, soros e muito mais, tudo para vender no mercado negro. 

Este crime é comum na sociedade cubana atual : utilizar as chefias como um meio para ganhar mais renda, aproveitando as dificuldades e escassez de ofertas no varejo. Na verdade, a opinião popular é que todos os chefes são "vivebien," entenda como ladrões. 


Os grandes líderes roubam, não há dúvida sobre isso. Basta olhar para as comemorações oficiais pomposas. O problema é que as pessoas não podem enfrentá-los,não temos um Parlamento para questionar a eficiência da sua gestão, e nem uma oposição que exija auditoria das contas pessoais ou que denuncie a corrupção.

Os líderes se sentem invulneráveis ​​até que se tornem muito evidente ou caiam em desgraça com o Líder Supremo. Suas punições, na maioria dos casos, são "caer para arriba" (outra expressão popular) ou são silenciados com outras "funções". 


A falta de democracia e transparência do sistema é a principal fonte de imprudência e imunidade. A verticalidade totalitária condena a maioria a aquiescência automática e a dissimulação. 


O velho ditado popular é que roubar o Estado não é roubar, é "lutar". De acordo com o discurso oficial é um governo do povo e para o povo, e a propriedade é de todos- por que então não nos sentimos como o nossa? Porque uma coisa é o discurso oficial e a outra é a realidade cotidiana. A dissociação das pessoas dos meios de produção é completa, daí a indolência ao desperdício ou desvio de bens do Estado. 

Ante o roubo a uma empresa estatal é comum ouvir comentários como: "Isso não é meu, é de Fidel". E mais tarde, se compra o sabão ou detergente roubado sem sombra de dúvida. 



E se estes são os chefes, o que resta para o cidadão comum? Roubar também. Se você trabalha em uma farmácia, vende medicamentos. Se você trabalha em uma escola, você vende os poucos materiais escolares. Um fumigador vende a gasolina da máquina.Se é um funcionário público,você suborna para que resolva seu problema. Cada qual aproveita o que tem,e tudo se vende, porque não há nada. 

Muitos vão dizer que sou radical, que existem pessoas honestas que não tiram um alfinete. É verdade, mas essas mesmas pessoas compram o óleo, carne ou outros produtos no mercado negro, sabendo que é roubado. Ou utiliza os recursos do seu trabalho em seu proveito , e isso também é roubar. 

Na verdade, o setor privado ou auto-emprego é baseado no roubo, porque a falta de um mercado grossista obriga-os a estocar no mercado negro, que em cem por cento prospera do roubo dos cofres do Estado. 


O problema está tão profundamente enraizado na sociedade cubana que as fronteiras entre o legal e o ilegal são diluídas. Ser desonesto é uma questão de sobrevivência, já que os salários miseráveis ​​e a falta de produtos básicos obrigam o povo a cometer crimes. 


O mais triste é que os jovens são formados nestas circunstâncias. Ver a "luta" dos seus pais os faz supor assumir que o roubo como natural, e com certeza eles vão seguir esses modelos perturbados. 

À luz da experiência de meio século de socialismo cubano, ocorre-me a atualizar com uma frase o conceito mais difundido da revolução do nosso invicto líder : ". Revolução é roubar tudo o que pode ser roubado"

Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!


El socialismo ha convertido al pueblo cubano en ladrón

Comentários