Escravos de Cuba,o comércio de Médicos - The Wall Street Journal

"Havana ganha quase US $ 8 bilhões por ano nas costas dos trabalhadores de saúde que envia aos países pobres.
É o crime perfeito: Ao enviar suas matérias primas ao exterior para ajudar as pessoas pobres, o regime ganha a imagem para a comunidade global de um colaborador abnegado ..."
MARY ANASTASIA O’GRADY

Escravos de Cuba,o comércio de Médicos - The Wall Street Journal


As culturas ocidentais não aprovam o tráfico de pessoas, e o dicionário Merriam-Webster define como "atividade criminosa organizada em que os seres humanos são tratados como bens a serem controlados e explorados." No entanto, é difícil encontrar um jornalista, político, burocrata ou ativista em qualquer lugar do mundo que tenha observado a extensa rede de tráfico humano que agora está sendo executado por Havana. Isso chama mais atenção com os médicos cubanos que estão sendo celebrados por seu trabalho na África durante a crise do Vírus Ebola.


Cuba está ganhando elogios por sua internacional "diplomacia médica", em que ela envia profissionais médicos temporários ao exterior, supostamente para ajudar os pobres combatendo as doenças nesses países e melhorando os cuidados de saúde. Mas os médicos não são um presente de Cuba. Havana é pago por suas missões médicas por qualquer país que receba esse suporte, no caso da Venezuela, ou pelos países doadores que enviam fundos para a Organização Mundial de Saúde. O dinheiro deveria ir para os salários dos trabalhadores cubanos. Mas nem a OMS nem qualquer país anfitrião paga diretamente aos trabalhadores cubanos . Em vez disso, os fundos são creditados na conta da ditadura, que por todas as contas mantém a maior parte do pagamento e dá ao trabalhador um salário para viver com a promessa de um pouco mais quando do retorno a Cuba.
O que está sendo pago aos trabalhadores cubanos na linha do fogo do Ebola continua a ser um segredo de Estado.

É o crime perfeito: Ao enviar suas matérias primas ao exterior para ajudar as pessoas pobres, o regime ganha a imagem para a comunidade global de um colaborador abnegado , mesmo enquanto ele explora os seus trabalhadores e fica rico com o seu trabalho. De acordo com a DW, emissora internacional da Alemanha, Havana ganha mais de 7,6 bilhões dólares anualmente a partir de sua exportação de profissionais de saúde.

O que está sendo pago aos trabalhadores cubanos na linha do fogo do Ebola continua a ser um segredo de Estado. Mas o tráfico humano não é novo para Havana nem se limita à profissão médica. Em outubro de 2008 um juiz federal de Miami decidiu em favor de três trabalhadores cubanos que segundo ele, juntamente com cerca de 100 outras pessoas, tinham sido enviadas pelo regime Cubano para trabalharem na Ilha de Curaçao, na Curaçao Drydock Company. devido a uma dívida cubana . Os autores descreveram as condições de trabalho terríveis para os quais foram pagas três centavos por hora.

O Christian Science Monitor noticiou na época que a empresa "admitiu que os passaportes dos trabalhadores cubanos foram apreendidos e que seus salários não pagos foram deduzidos do endividamento de Havana com a empresa." Tomas Bilbao do Grupo de Estudos de Cuba em Washington disse ao jornal que "esses tipos de violações não são fora do comum para o governo cubano." O advogado disse ao jornal que ao voltar para casa em Cuba, depois que eles protestaram, seus familiares perderam o emprego e acesso à escola e sofreram o assédio de gangues.

Fazendo dos profissionais médicos um produto de exportação está provocando uma escassez de médicos em Cuba, que está exacerbando a privação generalizada nos cuidados de saúde. Um governo humano voltaria sua atenção para essa miséria nacional, mas não para o dinheiro . Em vez disso Cuba vende o trabalho dos profissionais de saúde no estrangeiro, mesmo em meio aos focos de dengue e a cólera persistentes na ilha.


Os Médicos cubanos" não são obrigados a mão armada" para se tornarem escravos , mas eles recebem ofertas que não podem recusar. Como disse o médico cubano Antonio Guedes, que agora vive no exílio em Madrid, à DW em alemão, "Quem não cooperar pode perder o emprego, ou pelo menos o seu trabalho ou então seu filho não vai conseguir um lugar na universidade." Tal como acontece com os trabalhadores em Curaçao, o regime mantém os profissionais de saúde sob vigilância constante e confisca seus passaportes. Algo sobre isso não soa como voluntária a participação desses profissionais nas missões cubanas..


Quando têm chance, muitas das pessoas traficadas fugiram. Nos últimos dois anos quase 3.100 cubanos se aproveitaram de um programa especial de vistos dos EUA que reconhece a exploração dos profissionais de saúde cubanos enviados para países terceiros. Como punição o regime Cubano proíbe suas famílias de sair de Cuba para vê-los. Obter a certificação para exercer a medicina nos EUA pode ser um caminho longo e árduo.


As Entidades de médicos no Brasil têm pressionado o governo brasileiro a exigir que Cuba aumente o salário escravo que está pagando a cerca de 11.000 trabalhadores da saúde cubanos nesse país. Mas na semana passada a procuradora federal brasileira Luciana Loureiro Oliveira disse que há evidências de que Havana ainda mantém pelo menos 75% do dinheiro designado por doadores como salários. Ela chamou isso de "francamente ilegal" porque viola a lei trabalhista brasileira e disse que os cubanos devem ser pagos diretamente.


Isso seria o fim (do-gooding)dos cubanos no Brasil.


do-gooding: "sentimento doentio,"o som baixinho das caixas registradoras ",soar ,tinir etc"


Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!

Comentários