“Félix Báez” ressoa como uma campanha midiática de Cuba

Entra em jogo o filho do médico cubano infectado com Ebola e enviado a Genebra para  tratamento e recuperação.




A máquina de propaganda do regime em Havana nunca descansa. Agora está focada em seu desejado levantamento do embargo dos Estados Unidos e da aliança com este país para enfrentar o Ebola, na África Ocidental.

Médicos cubanos são treinados com bonecos no Instituto de Medicina Tropical para combater o Ebola na África.
Ela já conseguiu que a mídia internacional mostrasse Cuba como  exemplo na colaboração internacional contra a pandemia. Entre esses meios,o El País, um jornal tão influente no mundo hispânico intitulou: "Cuba se coloca na linha da frente na luta contra o Ebola".


O leitor pouco informado poderia pensar que é um mérito  um país tão pequeno, e com tão poucos recursos, consiga enviar equipes de médicos para países afetados em igualdade a nações tão poderosas como o próprio Estados Unidos. O filão do vinho caiu como luva na mão do presidente Raúl Castro, ocupado na busca de uma aproximação diplomática com o seu vizinho do norte, sem ao menos ter dentro da própria ilha sinais de melhoria dos direitos humanos e de um respeito a seus dissidentes.


Pelas manobras que começaram nos últimos meses, parece que o tempo está se esgotando para o  regime de Havana. Sem sequer insinuar a saída para o caso de Alan Gross, um empreiteiro norte-americano preso em Cuba, e com a campanha por seus espiões presos nos Estados Unidos esgotada, agora o Ebola, questão muito sensível,  vem para o governo como anel no dedo.



O que não disse a imprensa  tão influente como o El País, ou pelo menos não relacionou com  louvor o envio de médicos cubanos para a África ,é que na ilha os profissionais de saúde  não se alistam voluntariamente, mas sob coação, subliminar ou expressa.


Primeiro foi a notícia do envio de médicos cubanos  para Serra Leoa, Guiné e Libéria. Agora, o contágio de um dos seus enviados, precisamente um profissional que tem servido ao governo como suporte contra a dissidência interna.


Os nomes dos primeiros infectados com Ebola fizeram eco na imprensa mundial. Sem olhar em demasia, vem à mente o caso da enfermeira espanhola Teresa Romero, já recuperada e em casa. Como o governo cubano poderia perder essa oportunidade e não ter um nome próprio reverberando nas redes de informação?Ele  não perdeu, e já o tem.

Embora pareça cruel e incompreensível,não seria muito tolo em pensar que para o regime de Castro é conveniente o contágio com ebola de um dos seus médicos . Dr. Felix Baez passou à categoria de herói e seu nome logo alcançou as grandes manchetes na imprensa oficial. Talvez, como tem sido o costume em Cuba,  poderiam inaugurar uma escola ou qualquer centro público usando o seu nome.

É um jogo político tão antigo quanto a história dessa ditadura. Hoje, os comunicadores do regime começaram a informar nas redes sociais sobre a carta do filho do médico com ebola,chamado de  Alejandro  que foi devidamente publicada pelo site da internet Castrista CubaDebate.



Já aconteceu com Elián, a criança barqueiro. Em seguida, aconteceu o inverso: o pai falou ao mundo ao lado do governo de Havana.


Agora, a mesa está posta novamente para degustação. Resta saber se haverá ou não repatriação do  médico. Por enquanto, ele foi enviado a Genebra, Suíça, em avião dos EUA.

Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!
“Félix Báez” suena a campaña mediática

Jorge Ignacio Pérez

Comentários