Mais Médicos : Intercambistas prejudicam doentes pobres,diz Sinmed Alagoas



A população atendida pelos intercambistas do programa federal Mais Médicos está condenada à morte sem assistência digna. Coisas absurdas continuam acontecendo, impunemente, em todo o País, sem que ninguém, nenhuma instituição ou entidade faça alguma coisa para denunciar os crimes cometidos e defender a população pobre.

De acordo com médicos que atuam em serviços de emergência, surgem todos os dias casos de pacientes que têm a saúde prejudicada e a vida colocada em risco por ação de intercambistas. Têm sido relatados quadros, por exemplo, de edema agudo de pulmão, em pacientes hipertensos que deixaram de tomar suas medicações porque os intercambistas dos postos de saúde mandaram que suspendessem, alegando que já estavam curados.

O fato é que a maioria desses intercambistas, quase todos de origem cubana, não conhece o idioma, não sabe nada de medicina, não possui nenhum tipo de formação para cuidar da saúde de ninguém. “As pessoas estão morrendo e ninguém faz nada. Infelizmente, as autoridades não se manifestam. Isso, porque se trata de uma população pobre; e no Brasil, pobre não tem direito a nada, não tem direito à vida, não tem direito à uma assistência digna”, criticou o presidente do SINMED, Wellington Galvão.



Ele disse que as denúncias que chegam à entidade dão conta de que em vários postos do interior, quem faz consulta e preenche os receituários para os doentes são profissionais de Enfermagem, cabendo aos intercambistas, que receberam registro de médico do Ministério da Saúde, apenas carimbar e assinar as prescrições. O risco para a população é grande, e as mortes acontecem todos os dias sem que ninguém se importe ou faça alguma coisa.

Comentários