Reaparece a cartilha de racionamento na Venezuela - Carlos Sabino

Reaparece a cartilha de racionamento na Venezuela.

Carlos Sabino

Não são poucas as dificuldades que  os venezuelanos enfrentam nos dias atuais,consequência da imposição, há 15 anos, do chamado socialismo do século XXI. Hugo Chávez, com suas políticas demagógicas e autoritárias, e seu sucessor, o atual presidente Nicolas Maduro, tem levado o país a uma situação , que sem exagero pode ser considerada catastrófica.




A segurança pública, por exemplo, caminha no chão: a taxa de homicídios está entre as mais altas do mundo e Caracas é a segunda cidade mais violenta do mundo, com uma taxa de homicídios de 134 por 100.000 mil habitantes. A população de Caracas fica trancada em suas casas ou nas filas intermináveis de veículos para abastecerem com a gasolina mais barata do mundo -porém transitam por uma rede de ruas e estradas completamente negligenciadas, que não foi ampliada nas últimas três décadas.


O Combustível e a eletricidade são baratos-devido os subsídios, mas outros bens de consumo se tornam mais caros em um ritmo vertiginoso, a inflação, que alguns estimam em cerca de 100% ao ano é maior para os produtos alimentícios -claro , quando a população consegue alimentos .


A Escassez, é um mal típico do socialismo, e vem crescendo de forma constante nos últimos meses, a ponto do Governo, seguindo suas tendências totalitárias, impor agora uma singular forma de racionamento.


Cada consumidor, ao comprar em uma loja ou supermercado, é obrigado a dar o seu número da  cédula de identidade, que o caixa, em seguida, ingressa as informações em um gigantesco banco de dados que abarca todos os venezuelanos. Isso não serve apenas para controlar o imposto sobre o valor da venda, mas para determinar se você pode vender o produto: há quotas para todos os produtos de consumo diário e o caixa, em seguida, informa ao comprador se pode ou não levá-los, de acordo com as quotas que o governo estabeleceu para cada item.

Esta é a mesma cartilha de racionamento que teve a União Soviética e que ainda hoje está em vigor em Cuba, mas não com o velho método de um livro, mas através deste dispositivo eletrônico moderno que diz a cada pessoa quanto e em quanto tempo pode receber arroz, leite, desodorante ou sabonete para lavar roupas.


Como o governo não tem dólar, já que tem desperdiçado no envio de ajuda ao exterior, especialmente  a Cuba, e com as despesas dos "programas sociais", a burocracia e a corrupção desenfreada, há um controle de mudança que impede comprar moeda estrangeira. A taxa oficial ainda é mantida entre 6 e 12 Bs. por dólar, mas no mercado livre -perseguido e ilegal- a moeda estrangeira confortavelmente já superou a Bs. 100.


O governo não entrega dólares para as companhias aéreas e agora deve mais de US $ 4 bilhões, de modo que essas empresas reduziram drasticamente seus voos ,e para o venezuelano nos dias atuais, é quase impossível sair de seu país. De qualquer forma, como resultado da emigração nos últimos anos, já são mais de um milhão e meio de venezuelanos que tiveram de deixar suas casas e agora estão vivendo no exterior.


A situação geral está se aproxima da mesma que os cubanos tem vivido por muitas décadas. Os atuais preços baixos do petróleo estão aprofundando uma crise que tem causado muito descontentamento entre a população e graves crises na elite dominante. 


Mas, apesar do que dizem alguns analistas, o fim do regime chavista não está perto: por causa do controle exercido pelo governo, é impossível que uma mudança possa ocorrer através de eleições. Também não há qualquer possibilidade de um golpe militar -porque são os cubanos que hoje controlam o exército - e os protestos da oposição não têm força suficiente para fazer com que os líderes do regime deixem o poder.


Talvez se os cidadãos empreendessem extensas e vigorosas manifestações poderia dessa forma alterar o caminho autodestrutivo que segue a Venezuela, forçando grandes alterações ou mesmo renúncia do presidente Maduro. Mas essa possibilidade também é remota: a oposição atual não apoiou os grandes protestos que ocorreram entre fevereiro e abril e, portanto, não possui a liderança nem a vontade suficiente para tomar medidas eficazes para acabar com o pesadelo que vivem os venezuelanos.




O socialismo do século XXI, risível por suas propostas teóricas, no entanto, é um inimigo implacável contra o qual os latino-americanos devem estar em alerta .

Carlos Sabino
Sociólogo, escritor y profesor universitario, Sabino es director de programas de máster y doctorado en Historia de la Universidad Francisco Marroquín de Guatemala.

Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!

Comentários