CAOS NA SAÚDE GERA INSEGURANÇA ENTRE MÉDICOS DE RIO LARGO

sinmed



O descumprimento de compromissos firmados pelo prefeito Toninho Lins e o caos instalado na rede municipal de saúde estão deixando os médicos de Rio Largo inseguros. Eles reclamam dos baixos salários, da falta de condições de trabalho e de assistência à população e da omissão do prefeito. A categoria já decidiu, em Assembleia Geral, entrar em greve. Mas a deflagração do movimento foi adiada depois da troca de titular na pasta da Saúde.

Os médicos aguardam, agora, uma audiência com a nova secretária, Kátia Born. O encontro já foi marcado para a próxima terça-feira, 16. Até lá, a categoria segue trabalhando normalmente. Caso o resultado da reunião não seja satisfatório, a data da greve será marcada, provavelmente para um prazo de 72 horas, que é o prazo legal estabelecido para comunicação oficial às autoridades municipais.



Atualmente, além da defasagem dos salários, existe uma preocupação quanto ao pagamento do 13º, principalmente dos prestadores de serviços. Somente na última sexta-feira eles receberam o salário referente ao mês de novembro. Eles temem atraso no pagamento do 13º salário, o que tornaria insustentável a situação da categoria.

Comentários