Mosquitos na fazenda dos Castro

"Causa espanto quando digo que Havana era mais bonita do que Miami, com suas ruas e calçadas limpas e arrumadas"
Temprano en la mañana, camiones fumigan a lo largo de la calle 23, en el Vedado
No início da manhã, caminhões pulverizam ao longo da rua 23, em Vedado (foto: carolfletcher.com}



Uma vez que o governo cubano já reconheceu quatro casos do vírus Zika no país, surge a pergunta: pode ser mais prejudicial um governo velho e indolente que negligencia a higiene do país que representa, ou os membros da sociedade que não mantém regras de higiene do seu município?




Um artigo de  Orfilio Peláez y Haydee León, publicado no jornal Granma, em 16 de fevereiro de 2006, disse de forma clara: a higiene da comunidade em Havana não goza de boa saúde e, embora seja doloroso, é considerado por muitos dos seus habitantes como a cidade mais suja no país.




Anos mais tarde, em dezembro de 2014, Granma, disse que a instabilidade na recolha de resíduos sólidos é uma realidade em Havana pela falta de contêineres e caminhões especializados.




Como então chamar de indisciplinados aqueles que jogam o lixo nos depósitos abarrotados pela falta de caminhões para o seu recolhimento?




Parece que os jornalistas do governo quando eles escrevem sobre o grave problema da higiene comunitária no país, esquecem o passado, quando o governo cubano preferiu comprar armas para distribuir para os terroristas latino-americanos que aspiravam ao poder sem passar através das urnas, em vez de comprar o necessário para a higiene geral. Ele nem mesmo se preocupou com a manutenção física de ruas e calçadas.




Ontem o meu colega Amarilys, que tinha seis anos quando Fidel Castro chegou a Havana com sua legião de barbudos que não tomavam banho, me perguntou se a nossa capital era tão suja e feia como é hoje.




Fiquei surpresa quando vi Havana, sem exagerar, eu disse que ela era mais bonita do que Miami, com suas ruas e calçadas limpas e organizadas e edifícios sem destruição pela chuva ou deterioração.




Através de mais de meio século, o governo Castro não desenvolveu um trabalho permanente de saneamento no país. O resultado tem sido a emergência de doenças causadas pelo mosquito Aedes.




O próprio Raúl Castro disse em 22 de fevereiro passado, no editorial "Apelo ao nosso povo": "... que fatores relacionados à qualidade técnica inadequada de trabalho do contra o vetor , a falta de saneamento e as condições climáticas desfavoráveis, levam ao risco da propagação de doenças ".




Será que as palavras de Marti foram levadas em conta: "a medicina verdadeira não é a cura, mas a prevenção"- higiene é a verdadeira medicação da Medicina?




Ou as do sábio chinês Confúcio que disse : saúde depende muito mais sobre as condições de higiene do nosso habitat de que um sistema médico na população. Esqueça os seus médicos e sua saúde irá melhorar.¨ .




Mas o que fez o regime de Castro? Será que ele se importou em manter a higiene em Cuba?




Nada disso.




A sinistra política, composta por guerras secretas, tem ferido mortalmente o país.




O Povo tem sido a vítima.




O dinheiro do povo foi usado para tentar impor governos comunistas na América Latina, como se Cuba precisasse de um Napoleão ou uma Bolívar e não de um governante que só se preocupava com o bem-estar das massas.




Aquelas guerras, não só representam uma derrota hoje, mas também a causa da nossa pobreza generalizada, a causa da dengue, chikungunya, febre amarela, Zika,e a causa da vitória do mosquito sobre o comunismo de Fidel.

Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!



Comentários