Zika vírus : OMS/WHO - Atualização do Regulamento Sanitário Internacional


Segunda reunião do Comité de Emergência convocada pelo Diretor Geral, em virtude do Regulamento Sanitário Internacional (2005) (RSI 2005), sobre ocorrências de inúmeros casos de microcefalia e outras desordens neurológicas em algumas áreas afetadas pelo vírus Zika foi realizada por teleconferência em 08 de março de 2016, 13:00-16:45, hora da Europa Central.

OMS declaração
08 de março de 2016

O Secretariado da OMS informou ao Comité sobre as medidas tomadas para implementar as recomendações temporárias emitidas pelo Diretor-Geral em 1 de Fevereiro de 2016 devido aos inúmeros casos de microcefalia e síndrome de Guillain-Barre que têm sido associados com o tempo de transmissão do vírus Zika. Foi prestada ao Comité dados mais antigos de estudos observacionais, comparativos e experimentais sobre a possível associação causal entre a infecção com o vírus Zika,-microcefalia e síndrome de Guillain-Barre.


Os seguintes Estados Partes forneceram informações sobre casos de microcefalia, síndrome de Guillain-Barre e outros distúrbios neurológicos na presença de transmissão do vírus Zika: Brasil, Cabo Verde, Colômbia, Estados Unidos e França.


A Comissão observou a nova informação fornecida pelos Estados Partes e instituições acadêmicas em termos de relatos de casos, séries de casos, um estudo de casos e controles (Guillain-Barré) e um estudo de coorte (microcefalia ) em anomalias congénitas e doenças neurológicas, na presença de infecção por vírus Zika. Ele reafirmou a necessidade de avançar o trabalho para gerar mais evidências sobre esta associação e para compreender qualquer incongruência nos dados do país. O Comité recomendou que os clusters de casos de microcefalia e outras desordens neurológicas continuam a constituir uma emergência de saúde pública de importância internacional (PHEIC), e reconheceu que cada vez mais sinais de que existe uma relação causal com o vírus Zika.
Zika vírus : OMS/WHO, Atualização do Regulamento Sanitário Internacional
Zika vírus : OMS/WHO, Atualização do Regulamento Sanitário Internacional


A Comissão fez as seguintes recomendações ao Diretor Geral para consideração ao abordar esta situação de emergência, em conformidade com o RSI (2005).




Microcefalia, distúrbios neurológicos e outros vírus Zika


Deve ser intensificada a investigação sobre a relação entre os novos casos de aglomerados de microcefalia e outros distúrbios neurológicos, incluindo a síndrome de Guillain-Barré, e Zika vírus.


Deve prestar atenção especial quando gerar dados adicionais sobre a sequência genética e o efeito clínico de diferentes estirpes de vírus Zika, estudar a neuropatologia da microcefalia, realizar estudos adicionais de casos e analisar se é igual aos de corte, ou aos infectados recentemente, e elaborar modelos em animais para realizar estudos experimentais .


A pesquisa sobre a história natural da infecção pelo vírus Zika deve ser acelerada, incluindo as taxas de infecções assintomáticas , as implicações da infecção assintomática, especialmente com respeito à gravidez e à persistência de excreção viral.


Deve ser realizado estudos retrospectivos e prospectivos das taxas de microcefalia e outras desordens neurológicas em outras áreas onde se sabe que houve transmissão do vírus Zika, mas que não foram observadas uma maior incidência da doença. 


Seguir na investigação explorando a possibilidade de outros fatores causais ou co-fatores que poderiam explicar os aglomerados observados de microcefalia e outros distúrbios neurológicos.



Para facilitar esta pesquisa e garantir que os resultados sejam obtidos tão rapidamente quanto possível, deve:


padronizar e melhorar o acompanhamento da microcefalia e síndrome de Guillain-Barre, particularmente em áreas de transmissão conhecidas do vírus Zika e áreas de risco;


começar a trabalhar na formulação da definição possível caso de "infecção congênita Zika vírus";


Informar rapidamente os dados clínicos, virológicos e epidemiológicos a Organização Mundial de Saúde relacionados a taxas mais elevadas de microcefalia ou síndrome de Guillain-Barre e transmissão da síndrome de vírus Zika para facilitar a compreensão internacional desses eventos,com finalidade de orientar o apoio internacional necessário aos esforços para controlar e priorizar novas pesquisas e desenvolvimento de produtos.



A vigilância a infecção pelo vírus Zika deve ser melhorada e sua notificação através da divulgação de definições de casos e meios de diagnóstico padrão em áreas de transmissão e zonas de risco; em áreas recentemente infectadas se deve tomar medidas de controle de vetores descritos abaixo.




Controle de vetores


A vigilância dos vetores deve ser melhorada, incluindo a identificação das espécies de mosquitos vetores e sua sensibilidade aos inseticidas, para fortalecer as avaliações de risco e medidas de controle de vetores.


As medidas de controle do vetor e proteção individual adequada devem ser vigorosamente promovida e implementadas para reduzir o risco de exposição ao vírus Zika.


Os países devem reforçar as medidas de controle de vetores de longo prazo e a Diretoria Geral da OMS deve explorar a possibilidade de utilizar os mecanismos de RSI e trazer esta questão para uma próxima Assembléia Mundial da Saúde, como uma maneira de promover uma maior participação dos países neste tema.



Comunicação de risco


A comunicação de risco em países com transmissão do vírus Zika deve ser melhorada para responder às preocupações da população, melhorar a participação da comunidade, melhorar a notificação e assegurar a implementação de medidas de controle de vetores e proteção pessoal.


Estas medidas devem ser baseadas em uma avaliação adequada de percepção, conhecimento e informação que o público tenha; o impacto das medidas de comunicação de risco para orientar a sua adaptação e melhorar o seu impacto devem ser rigorosamente avaliadas.


Atenção para assegurar que as mulheres em idade fértil e mulheres grávidas em particular, tenham a informação e materiais necessários para reduzir o risco de exposição .


Informações sobre o risco de transmissão sexual e medidas para reduzir esse risco devem estar disponíveis para as pessoas que vivem em áreas onde a transmissão do vírus Zika foi notificada ou para as pessoas que estão retornando dessas áreas.




Cuidados clínicos


Se deve fornecer orientação para as mulheres grávidas que tenham sido expostas ao vírus Zika e o acompanhamento dos resultados da gravidez com base nas melhores informações disponíveis e as práticas e políticas nacionais.


Em zonas conhecida de transmissão do vírus Zika,os serviços de saúde devem estar preparados para o eventual aumento do número de casos de síndromes neurológicas ou defeitos de nascimento.


Medidas relativas viagens


Não se deve aplicar restrições gerais sobre viagens ou comércio com países, regiões ou territórios com a transmissão do vírus Zika 


Devem ser aconselhadas a mulheres grávidas a não viajar para áreas onde há surtos em curso da infecção pelo vírus da Zika, e as mulheres grávidas cujos parceiros que vivem ou viajam para áreas com focos sexual devem assegurar adotar práticas sexuais seguras ou abster-se de sexo no restante da gravidez.


Deve fornecer informações atualizadas para as pessoas que viajam para áreas com focos do vírus Zika sobre os possíveis riscos e medidas adequadas para reduzir a possibilidade de exposição a picadas de mosquito orientação medidas. Ao retornar, essas pessoas devem tomar as medidas adequadas, incluindo a atividade sexual segura, para reduzir o risco de uma nova transmissão.

A Organização Mundial da Saúde deve atualizar regularmente as recomendações sobre viagensa medida que evoluem as informações sobre a natureza e duração dos riscos associados com a infecção pelo vírus Zika.

Se deve por em prática as recomendações habituais da OMS sobre controle de vetores em aeroportos sob RSI (2005). Os países deveriam considerar a desinfestação de aeronaves.


Investigação e desenvolvimento de produtos


Deve priorizar o desenvolvimento de novos diagnósticos de infecção pelo vírus Zika para facilitar as medidas de monitorização e controlo e, especialmente tratamento durante a gravidez. 


Deve ser investigado e desenvolvido novas medidas de controle do vetor com especial urgência.


É necessário o aumento de esforços na pesquisa e desenvolvimento de vacinas contra o vírus Zika e tratamentos terapêuticos no médio prazo.


Com base nessas recomendações, o diretor-geral disse que o estado de emergência de saúde pública de preocupação internacional permanecee. 


O Director-Geral aprovou as recomendações da Comissão e publicou as recomendações temporárias em virtude do RSI (2005). 


O Diretor-Geral agradeceu a orientação fornecida pelos membros e consultores da Comissão .



Editado e traduzido pelo Blog Alagoas Real.
Se copiar é obrigatório citar a fonte original,e o Blog Alagoas Real,com seus links anexos!

WHO statement on the 2nd meeting of IHR Emergency Committee on Zika virus and observed increase in neurological disorders and neonatal malformations

Comentários