Federação Médica da Venezuela reitera a necessidade urgente de abrir um canal humanitário


O executivo ainda não respondeu às comunicações enviadas pela Federação Médica da Venezuela em inúmeras ocasiões  em que sublinha a necessidade de abrir um canal humanitário diante à escassez de suprimentos que o país enfrenta. por falta de medicamentos e insumos  nos hospitais e ambulatórios 
 Douglas León Natera
Presidente da Federação Médica da Venezuela, Douglas León Natera | Foto Cortesía Unión Radio


Douglas Leon Natera, presidente do sindicato informou que a última carta foi entregue no escritório da Presidência em 24 de Novembro sem nenhuma resposta até o exato momento.


"Decidimos enviar para solicitar uma reunião com o propósito de expor ideias e soluções a curto e médio prazo, que nos permitam resgatar a atenção a saúde da nossa população", diz a carta.


Leon Natera disse que os medicamentos mais urgentes e necessários neste momento são os anticonvulsivantes, anti-hipertensivos, psicotrópicos, medicamentos para pessoas com obstruções urinárias parciais ,para doentes crônicos, parkinson, infecções por HIV, pessoas com hemofilia, diabetes e doenças de transmissão sexual.


Ele disse que há 20.000 ambulatórios e 301 hospitais do país. Entre estes últimos, 95% têm absoluta falta de medicamentos e suprimentos e apenas 5% deles recebem 15% de doação: "A Cidade Hospital Enrique Tejera, também conhecida como Hospital Central de Valência , funciona porque há uma equipe que ainda está trabalhando, mas não não tem nada, e se falarmos sobre o hospital infantil que é referência em toda a Venezuela, o JM de los Rios, possui atualmente 5.600 pacientes na lista de espera para cirurgia. Para não mencionar a difteria que se espalhou para 12 estados;


Outros pontos fracos do sistema de saúde, de acordo com Leon Natera, é a falta de publicação de estatísticas oficiais. Apesar desta realidade, ele disse que há conhecimento de que, nos últimos quatro meses, 203 neonatos morreram no estado de Nueva Esparta; enquanto no Hospital Universitário Antonio Patricio de Alcalá, em Cumana, o número seria de 183 crianças nos últimos 6 meses.


O sindicalista concluiu que não irá contribuir com a corrupção no país para promover a chegada de medicamentos e donativos, sem regras claras do governo. Ele disse que tem que evitar uma repetição do que aconteceu com a Caritas, uma ONG que doou medicamentos provenientes do Chile e não foi possível a sua retirada do porto de La Guairaporque , porque não havia autorização do governo Venezuelano.


Os Dados


A Confederação Médica Latina-Americana e do Caribe, através da Declaração de Brasília proposta na reunião da semana passada, pediu internacionalmente para que todos denunciem a grave situação em que o sistema de saúde na Venezuela está imerso. "Como já dissemos em muitas ocasiões reiteramos a nossa profunda preocupação por razões sociais atualmente na Venezuela e particularmente diante a crise profunda de saúde em que ela está envolvida", diz o texto.

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original e o blog ALAGOAS REAL

http://www.el-nacional.com/sociedad/Federacion-Medica-reitera-canal-humanitario_0_967103458.html

Comentários