Vírus Zika nas Américas - mais uma ameaça dos Arbovírus





A pandemia explosiva pelo vírus Zika está ocorrendo em toda a América do Sul, América Central e Caribe 


24 de novembro de 2016

Países com a evidência histórica ou atual de transmissão por vírus ZIKA (em Dezembro de 2015. ) 




A Zika Potencialmente ameaça os Estados Unidos sendo a mais recente das quatro chegadas inesperadas de importantes doenças virais transmitidas por artrópodes no Hemisfério Ocidental nos últimos 20 anos. Segue-se a dengue, que entrou neste hemisfério furtivamente ao longo de décadas e, em seguida, de forma mais agressiva na década de 1990; o Vírus do Nilo Ocidental, que surgiu em 1999; e chikungunya, que surgiu em 2013. São migrações sucessivas destes vírus não relacionados, ou elas refletem importantes novos padrões de surgimento da doença ? 


"Arbovírus" é um termo descritivo aplicado a centenas de vírus de RNA que são predominantemente transmitidos pelos artrópodes, em especial mosquitos e carrapatos. Arbovírus são muitas vezes mantidos em ciclos complexos em vertebrados, tais como mamíferos ou aves e vetores que se alimentam de sangue. Até recentemente, apenas alguns arbovírus tinham causado doenças humanas clinicamente significativas, incluindo alphaviroses transmitidas por mosquitos, como a chikungunya e flavivírus, como dengue e vírus do Nilo Ocidental. O historicamente mais importante deles é o vírus da febre amarela, a primeira causa viral reconhecida de epidemia mortal de febre hemorrágica.


O vírus da Zika, que foi descoberto acidentalmente em Uganda em 1947 tinha permanecido até agora como um vírus obscuro confinado a uma estreita faixa-equatorial na África e na Ásia. O vírus circula predominantemente em primatas selvagens e em mosquitos arbóreos, tais como Aedes africanus e raramente causa infecções em humanos, mesmo em áreas altamente enzoótica. Seu atual ressurgimento com pandemia explosiva é, portanto, verdadeiramente notável. 


Com exceção do vírus do Nilo Ocidental, que é predominantemente transmitido por mosquitos Culex , mas, é bom ressaltar que recentemente atingiu o Hemisfério Ocidental e foi transmitido pelos mosquitos Aedes, especialmente o mosquito vetor da febre amarela o A. aegypti .Estes vírus começaram a surgir milênios atrás, quando os moradores do Norte Africano começaram a armazenar água em suas residências. O A. aegypti , em seguida,se adaptou e começou a depositar seus ovos em recipientes contendo água para uso doméstico o que levou a uma adaptação dos vírus de áreas arbóreas para infectar seres humanos. A febre amarela, dengue e vírus chikungunya evoluiram inteiramente com novos ciclos de manutenção na humanidade . Agora, 5000 anos mais tarde, os piores efeitos desta cascata evolutiva estão sendo vistos no surgimento repetido de arbovírus em novos ecossistemas envolvendo seres humanos. Além disso, arboviroses transmitidas por diferentes mosquitos têm, em paralelo,se adaptado para animais domésticos dos seres humanos, tais como cavalos, no caso de encefalite equina venezuelana e de suínos no caso de vírus da encefalite japonesa, ou em hospedeiros vertebrados em áreas de habitação humana, como o vírus do Nilo Ocidental . A possibilidade de que Zika ainda pode adaptar-se a transmissão por A. albopictus, um mosquito muito mais amplamente distribuído encontrado em pelo menos 32 estados nos Estados Unidos, é motivo de preocupação.


Através da vigilância epidemiológica ,a Zika foi caracterizada como uma doença leve ou inaparente com febre, dores musculares, dor nos olhos, prostração e exantema maculopapular. Em mais de 60 anos de observação, a Zika não foi observada causar febre hemorrágica ou morte. 


A pandemia em curso confirma que Zika é predominantemente uma doença leve ou assintomática. No entanto, os dados da Polinésia Francesa documentam uma epidemia concomitante de 73 casos de síndrome de Guillain-Barré e outras condições neurológicas em uma população de cerca de 270.000 habitantes, o que pode representar complicações da Zika. A maior preocupação é a epidemia brasileira com explosiva microcefalia, manifestada por um aumento de 20 vezes aparentemente na incidência de 2014-2015, que algumas autoridades de saúde pública acreditam que é causada por infecções por vírus Zika em mulheres grávidas. Embora nenhum outro flavivírus é conhecido por ter efeitos teratogênicos, a epidemia de microcefalia ainda não foi vinculada a qualquer outra causa. Apesar da falta de provas definitivas de qualquer relação causal, algumas autoridades de saúde em regiões atingidas estão recomendando que as mulheres grávidas tomem precauções meticulosas para evitar picadas de mosquito e até mesmo para adiar a gravidez. É extremamente importante confirmar ou dissipar um nexo de causalidade entre a infecção Zika de mulheres grávidas e a ocorrência de microcefalia, fazendo pesquisa de investigação intensiva, incluindo caso-controle cuidadoso e outros estudos epidemiológicos, bem como tentativa de duplicar este fenômeno em modelos animais.


Numa epidemia "pura", de Zika um diagnóstico pode ser feito de forma confiável por razões clínicas.Infelizmente, o fato de que a dengue e chikungunya, que resultam em quadros clínicos semelhantes, ambas epidemias estão presentes nas Américas confunde diagnósticos clínicos.além de testes específicos para dengue e chikungunya nem sempre estarem disponíveis, e os testes comerciais para Zika ainda não foram desenvolvidos. Além disso, porque Zika está intimamente relacionada com a dengue,porque amostras sorológicas podem reagir de forma cruzada em testes para ambos os vírus. Testes de detecção de genes tais como o ensaio de polimerase em cadeia da reação pode distinguir com fiabilidade os três vírus, mas os testes específicos de Zika ainda não estão amplamente disponíveis.


Os pilares da gestão são descanso e cuidados de suporte. Quando vários arbovírus estáo circulando,o diagnóstico viral específico, se disponível, pode ser importante na antecipação, prevenção e gestão de complicações. Por exemplo, na dengue, o uso da aspirina deve ser evitada e os pacientes devem ser monitorizados quanto a um aumento do hematócrito , o qual é preditivo de febre hemorrágica, de modo que o tratamento iminente salva-vidas . Os pacientes com infecção pelo vírus chikungunya devem ser monitorados e tratados para artralgias aguda e artrite crônica pós-infecciosa.


Não há vacinas para Zika em desenvolvimento , embora um número de plataformas de vacina de flavivírus existentes poderiam presumivelmente ser adaptadas. Essas epidemias aparecem esporadicamente e de forma imprevisível, preventivamente vacinar grandes populações para antecipar surtos pode ser proibitivamente caro e problemática por causa da despesa, a logística. Entre as melhores medidas preventivas contra o vírus da Zika são colocar telas nas janelas da casa, ar-condicionado e remoção de lixo,detritos e recipientes que fornecem locais de reprodução do mosquito. Na maioria das vezes isso parece um luxo, já que tais recursos estão indisponíveis para os moradores pobres de localidades urbanas populosas onde tais epidemias mais atingem.


Também são necessárias estratégias de uma melhor saúde pública para controlar a disseminação dos arbovírus, incluindo plataformas de vacinas para flavivírus, alphaviroses, e outros grupos de arbovírus que podem ser rapidamente modificados para expressar antigénos imunogênicos de vírus recém-emergentes. 


A Zika ainda é uma pandemia em andamento, e muitas questões importantes sobre ela, como o da teratogenicidade, ainda precisam ser respondidas. No entanto, o vírus já reforçou uma lição importante: no nosso mundo dominado por humanos, aglomeração urbana, as viagens internacionais constante, e outros comportamentos humanos, combinado com alterações causadas pelo homem o equilíbrio ecológico natural pode reviver inúmeros agentes infecciosos adormecidos que surgem inesperadamente. Em resposta, precisamos claramente continuar com o nosso jogo mantendo uma investigação ampla e integrada para compreensão dos ecossistemas complexos em que os agentes de futuras pandemias estão a evoluir de forma agressiva.

Fonte:

Traduzido e editado pelo Blog Alagoas real
Se copiar ou criar link,é obrigatório citar a fonte
Do original e o blog ALAGOAS REAL


Este artigo foi publicado em 13 de janeiro de 2016 em NEJM.org.
http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/nejmp1600297#t=article

Anthony S. Fauci, M.D., and David M. Morens, M.D.

N Engl J Med 2016; 374:601-604February 18, 2016

Comentários