Para os cubanos, a longa espera acabou

Para os cubanos, a longa espera acabou 

Fidel Castro em dezembro de 2000. PHOTO: ZUMA PRESS


Por
MARY ANASTASIA O’GRADY

Em uma viagem a Cuba no final dos anos 90 conheci um jovem tentando ganhar dinheiro na moeda estrangeira trabalhando como guia, em Havana Velha. Era óbvio que ele não estava capacitado para o o trabalho. mas eu não me importei. Eu queria ouvir os habitantes da ilha e, como eu descobri, ele também queria ser ouvido.


Ao longo de vários dias caminhamos a pé através da cidade arruinada e eu bombardeava ele com perguntas sobre a vida na ilha. Ele falou sobre o absurdo da Cuba revolucionária,da privação,frustração e alienação.

Ele estava chateado. Mas quando chegou a hora de falar sobre a hipocrisia de Fidel Castro, que todos sabiam que viveu extravagantemente enquanto seus súditos estavam lutando para sobreviver, meu guia foi mais cuidadoso.


Uma noite, durante o jantar, sussurrou: "Maria ( Mary), não coloque o que eu digo em seu jornal ou Fidel me... ". Quando ele me disse isso , colocou as mãos em volta do pescoço simulando o gesto de estrangulamento. Estava com medo.

No sábado, por volta das duas da manhã, ouvi a notícia que o déspota de 90 anos finalmente tinha morrido. Pensei nesse jovem e em muitos outros de vinte e poucos anos que eu conheci e que queria saber o quanto eles ansiavam por liberdade.

Estes jovens com aspirações nasceram muito depois da revolução 1959 e o "líder máximo" e o seu paraíso mítico socialista não representavam nada para eles.

Por muitos anos eles testemunharam um boom de turistas europeus e sabia que o mundo estava deixando para trás. Provavelmente, agora são homens maduros, talvez quem sabe , com filhos,. Quando eu os conheci as, coisas pareciam impossíveis, mas mantiveram vivos os seus sonhos. Eles estavam esperando Fidel morrer.


Certa manhã, eu estava sentada em um café de um dos hotéis mais elegantes destinados só para as pessoas estrangeiras que as pessoas de Hollywood. costumavam visitar .Enquanto um jovem atraente me servira um café expresso, olhei nos seus olhos e perguntei : "Então, como vai a revolução?" Ele começou a rir, mas não disse mais nada. Sabia que eu entendia que ele considerava tudo como uma piada de mau gosto. Mas seguia a corrente esperando , a morte de Fidel


Eu fui a Cuba com a firme convicção de que ninguém com menos de 30 anos acreditava na propaganda da "ameaça Yankee " de Castro ou a falsa promessa de uma utopia comunista. Suas esperanças estavam na solução biológica.


E o momento havia chegado. No entanto, as perspectivas para a sua liberação não são muito boas.



Agora eles são governados por Raul, o irmão do comandante de 85 anos, e por trás dele a próxima geração dos Castro e os militares..Este grupo criminoso e cruel é dono de tudo na ilha e não tem incentivos para mudar. A normalização das relações e o levantamento fato da proibição de viagens à ilha por parte do Presidente dos EUA, Barack Obama canalizou nova recursos para eles, fortalecendo seu poder.


As pessoas não estão armados e tem poucas formas de organização. A comida é escassa. É uma situação comparável à de Aleppo, na Síria, sem o benefício de sair para países vizinhos. Se os dissidentes vêm as ruas, eles perdem suas rações e são espancados, presos, torturados e exilados.

A comunidade internacional poderia ajudar. Eles pressionaram a África do Sul a pôr fim ao apartheid. Cuba é dividida de um modo semelhante com os Cubanos de pele escura , sem oportunidades, enquanto alguns brancos governam o país ,sem contar que o governo é muito mais repressivo. Mas é improvável que isso aconteça em breve, como mostra o fluxo de notas de simpatia com a Ditadura , que os líderes mundiais enviaram.


Que o líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, o presidente russo, Vladimir Putin e o presidente chinês, Xi Jinping, tenham lamentado a morte do conhecido mafioso , isso não é uma surpresa. Porém os sentimentos de solidariedade provenientes do presidente mexicano Enrique Peña Nieto, e do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, que escreveu que Castro tinha uma "tremenda dedicação e amor com opovo cubano "vai além da paródia.


O Presidente Obama poderia ter denunciado o racismo patrocinado pelo estado de Castro e os milhões de vidas arruinadas e famílias destruídas. Ele poderia ter dito algo sobre a exportação do terrorismoa todo o mundo. Em vez disso, ele escreveu: "A história registrará e julgará o enorme impacto dessa figura nas pessoas e no mundo. ". Covarde!


Por outro lado, Raul é odiado e a condição econômica da ilha está piorando .A blogueira cubana Yoani Sanchez captou os sentimentos de milhões quando ela twittou sobre Fidel: "Seu legado: um país em ruínas, um país onde os jovens não querem viver. "Ela também observou que "a repressão contra os ativistas tinham aumentado, especialmente nos últimos dias "e que o regime agora se prepara para uma "Canonização".


A aparência de calma e reverência na ilha é para consumo de Obama e seus amigos. Mas um regime que tem vivido no medo cremou o seu maior símbolo do terror. Essa é a melhor razão para se ter
esperança de um futuro melhor.



Traduzido e editado:
Se copiar é obrigatório citar a fonte original e o
 blog ALAGOAS REAL com os links
.

OGrady@wsj.com; Mary A. O'Grady 

Wall Street Journal,
http://lat.wsj.com/articles/SB11764334981443623769004582463160144605578

Comentários