Surto de Difteria continua avançando com o silêncio das autoridades de saúde da Venezuela


O paciente que morreu de difteria no Hospital Domingo Luciani em Caracas tinha 32 anos, e trabalhava no serviço de atenção básica a saúde pública e manteve contato com alguém que passou uma grande quantidade de tempo nas minas de Bolivar , e foi assim que provavelmente contraiu a doença. O resto é um segredo.
Difteria


Os médicos da Sociedade Venezuelana de Saúde Pública e da Red Defender a Epidemiologia Nacional ,anunciaram o primeiro caso suspeito faz alguns dias, mas não oficialmente . Eles têm conhecimento que o filho da paciente que faleceu está com sintomas da difteria,, mas não sabem a sua localização.


Um dia após a morte da paciente, ainda estão se perguntando onde ela morava, onde ela trabalhou e se muitas pessoas tiveram contato com ela. Há dois rumores sobre a sua residência: Petare ou Valles del Tuy . As duas localizações preocupam as entidades médicas locais :. "Se você viveu em Petare deve ter usado o Metro de Caracas ; nos vales, a estrada de ferro. Pensando assim quantas pessoas ela poderia ter entrado em contato ? , "disse o epidemiologista Andrew Barreto.


Além de demonstrar descaso o Ministério da Saúde oculta informações. tornando difícil o tratamento. Não sabendo onde o paciente viveu, não se pode fazer um cerco epidemiológica para proteger os seus vizinhos, nem realizar testes.


"Vivemos em um grupo de quatro ou cinco milhões de pessoas em Caracas. O fato de que existem casos e a localização exata ser desconhecida, isso é muito grave "


Entre 5 e 10 dias após o contato com um paciente infectado, a pessoa começa a mostrar os sintomas da difteria . O deputado à Assembleia Nacional, José Manuel Olivares informou que no Hospital Miguel Perez Carreno dois casos suspeitos foram notificados.


Não é a primeira vez que algo como isso acontece. Desde o retorno da doença para o país -após 24 anos de ser erradicada, o Governo não cumpriu as normas de notificação de surtos da Organização Mundial da Saúde , existente desde 2004.


Quando o surto era apenas limitado ao estado de Bolívar , as autoridades locais divergiam sobre o assunto uma com a outra em mais de uma ocasião . Por exemplo, o governador Francisco Rangel Gómez falou duas vezes: primeiro disse que havia 13 casos e a segunda para dizer que não havia nenhum.


Em adição, o Dr. Barreto disse que falta uma política de comunicação do Ministério da Saúde com a não publicação de boletim epidemiológico . Desde 2014, os números para as principais doenças que ocorrem no país não são conhecidos.


Em 6 de Outubro as duas organizações emitiram um segundo aviso afirmando que nenhuma autoridade se tinha pronunciado sobre o assunto, 20 dias após o primeiro alerta.


"Ao não informar a população de que existe uma doença , ninguém se preocupa com isso , " disse Barreto. " Eles ocultam informações e as pessoas não conhecem. Ocorrem assim mais casos, e mortes"

Comentários