Mapa mostra os novos vírus que assolam a América Latina

  • O mapa mostra os novos vírus que assolam a América Latina 
  • Estudo interessante referente a  todas as doenças emergentes do passado, presente e potencialmente do futuro na América Latina.
  • Vírus emergentes - América Latina: aumento de relatos, e riscos de globalização


Tudo começou com uma forte dor de cabeça e febre.

Em 4 de janeiro de 2003, um agricultor de 22 anos na aldeia rural de   Samuzabeti  na Bolívia, começou com sintomas  que parecia ser uma simples gripe .

Em seguida, veio a dor nos músculos e articulações, vômitos e vários sintomas hemorrágicos. Ele morreu semanas depois .

Este é o único caso relatado  no mundo de infecção e morte por vírus Chapare . Na verdade, o vírus foi nomeado com o nome da província da Bolívia, onde o jovem vivia.



O vírus Chapare pode ser raro, mas sua presença, não.

Nas últimas seis décadas o surgimento de novas doenças infecciosas quadruplicou , segundo dados EcoHealth Alliance, uma organização sem fins lucrativos dedicada apenas para o estudo das doenças emergentes.

A cada ano as doenças infecciosas causam a morte de 15 milhões de pessoas no mundo, de acordo EcoHealth Alliance. A maioria das vítimas são crianças com menos de 6 anos.


PAÍSLUGARVÍRUSINFECTADOSMORTOSANO
BahamasVibrio damsela601971
HaitíEnterocytozoon bieneusi1s/ds/d
JamaicaHerpesvirus humano601986
Trinidad y TobagoSangre GrandeVirus oropouche101955
Río Claro - MayaroVirus mayaro511954
MéxicoTrichinella spiraliss/ds/d1970
Costa RicaLa GambaVirus de la rabia222001
VenezuelaVirus guanarito301989
GuanaritoPlasmodium falciparum Chloroquine Resistance3108s/d1959
EcuadorBartonella bacilliformis50s/d1987
PerúBartonella rochalimae102003
IquitosVirus iquitos1s/d1999
LimaMamífero marino especie Brucella101985
BoliviaBeniVirus machupo4701421959
SamuzabetiVirus chapare112003
ParaguayEl ChacoVirus Laguna Negra1721995
ArgentinaActinomucor elegans102001
Buenos AiresVírus juníns/ds/d1958
El BolsónVírus andes19101996
BrasilTrypanosoma Crusi401968
BelémVírus guamá201954
MaranhãoVírus anajatuba102000
Castelo dos SonhosVírus Castelo do Sonhoss/ds/d1995
BahíaPicobirnavirus1s/d1984
AraraquaraVírus araraquara2s/d1996
São PauloVírus sabiá211990
LondrinaHaemophilus influenzae biogrupo aegyptius38271984



Berço de doenças

De acordo com o banco de dados de doenças infecciosas emergentes EcoHealth Alliance, na América Latina e no Caribe foi o viveiro de 27 tipos entre 1940 e 2013.

O país que encabeça a lista é o Brasil com oito, seguido por Perú e Argentina , ambos com três.

Além disso, de acordo com um estudo conduzido por Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Análise de Saúde da Organização Pan-Americana da Saúde na América Latina e no Caribe se registra um"número crescente de eventos de possível interesse para a saúde pública internacional".


Só em 2014 foram identificados e avaliados 93 eventos com estas características, conforme detalhes da obra.


Os países melhoraram seus registros de doenças , mas isso não é o único fator que explica o aumento de patologias.





"Estamos enfrentando uma situação muito delicada", diz Espinal à BBC.

É que as doenças infecciosas emergentes não só levam vidas, mas também envolvem investimentos enormes para os governos da região .

Somente na America, por exemplo, o custo da luta contra a dengue é, em média, de US $ 2,1 milhões por ano, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores americanos e franceses.

E o surto em 2009 de gripe H1N1 no México fez o turismo internacional cair  quase um milhão de pessoas, levando por sua vez  a perda de um valor estimado de US $ 2.800 milhões para o país, de acordo com uma pesquisa britânica.


O que é Mayaro, o vírus que começa a preocupar os cientistas na América Latina


O novo e o velho

Dentre as doenças infecciosas emergentes não apenas os casos novos para a ciência, como citado Chapare são contados.

Também abrange os patógenos que foram registrados pela  primeira vez na história em um determinado lugar ou aqueles que são velhos, mas ressurgiram .

Por exemplo, o vírus Zika, que se espalhou pela América Latina em 2016 e levou a uma emergência de saúde global, foi identificado pela primeira vez em Uganda em 1947, especificamente nas florestas de Zika. A novidade foi a chegada e expansão na região


Com o perigo de ter filhos com microcefalia, países com zika recomendam que as mulheres grávidas façam todo o possível para evitar ser picadas pelo mosquito Aedes aegypti.



Também na Costa Rica, foram registrados em 2001, dois casos de raiva em humanos, algo que não acontecia no país desde 1970



Espinal explica que países melhoraram seus sistemas de registros de doenças e que está influenciando o aumento de casos.

Mas não é a única razão.



Causas da manutenção e progressão do surto epidêmico e algumas medidas para conter o avanço da febre amarela 







O efeito humano

Desde os anos 1980, o número de surtos por ano quase triplicou , diz um estudo da Universidade Brown, EUA

"Surtos não respeitam fronteiras", disse Espinal. "Vivemos em um mundo globalizado, onde um avião em Nova York leva oito horas até chegar em Moscou".

A globalização deve ser acrescentada a outros  fatores, acrescenta o médico, como as alterações climáticas, a resistência antimicrobiana e a falta de serviços básicos, como saneamento.

Kevin Olival, vice-presidente associado de pesquisa da EcoHealth Alliance, disse à BBC que estas doenças, muitas vezes surgem a partir da "alteração que o ser humano faz no ambiente" .

O desmatamento, destruição de habitats naturais, a agricultura e a caça fazem o  humano entrar em contato com  áreas mais inexploradas e, portanto, com novas doenças.



A epidemia de Ebola na África Ocidental, que começou em 2014 matou 11.300 pessoas.

De acordo EcoHealth Aliança, mais de 60% das doenças infecciosas emergentes são derivadas de hospedeiros animais . Tal é o caso do HIV, gripe aviária e, mais recentemente, ebola. "Tivemos que trabalhar muito duro para impedir a entrada de Ebola na América Latina", diz Espinal. Existe um número de focos infecciosos que não podem ser evitados, Espinal diz que a chave é evitar que eles se transformem em epidemias. 

O mapa mostra os novos vírus que assolam a América Latina 


MAPA - novos vírus que assolam a América Latina



Para isso, ele acrescenta, é importante que os governos invistam  em prevenção e tratamento, mas também a sociedade civil deve colaborar


EDITADO E TRADUZIDO
SE COPIAR É OBRIGATÓRIO CITAR O LINK DO BLOG AR NEWS

Fonte: BBC NEWS

Mário Augusto rated 10 out of 10 based on 7 Clients Public reviews. Visit Blog AR NEWS page for the reviews and contact.

Comentários