3/05/2017

A epidemia de febre amarela na Filadélfia em 1793



Calamidade terrível na Filadélfia, no ano de 1793 



A febre amarela é conhecida por trazer uma coloração amarela característica para os olhos e pele, e um terrível "vômito negro" causado por hemorragia no estômago. Hoje sabemos que os mosquitos contaminados são os vetores,porém a febre amarela foi por muito tempo considerada uma doença miasmática - da poluição- que se origina na matéria vegetal podre ou outra sujeira em putrefação, e a maioria acreditava que assim se dava o contágio ..


A primeira grande epidemia de febre amarela americana foi na Filadélfia em julho de 1793 e atingiu o pico durante as primeiras semanas de outubro. A Filadélfia, então a capital da nação, era a cidade mais cosmopolitana nos Estados Unidos. Ali viviam dois mil negros livres, assim como muitos recém-chegados francófonos brancos da colônia de Santo Domingo, que fugiam de uma rebelião de escravos. Principais figuras políticas revolucionárias lá viveram, e na primeira semana de setembro, Thomas Jefferson escreveu a James Madison que todos os que podiam escapar da cidade estavam fazendo isso. A epidemia despovoou a Filadélfia: 5.000 de uma população de 45.000 morreram, e o cronista Mathew Carey estimou que outros 17.000 fugiram.



Benjamin Rush: Café e Sangue

Benjamin Rush, um médico da Filadélfia e signatário da Declaração de Independência, tornou-se altamente considerado por seu trabalho durante a epidemia de 1793. Rush pensou que o surto tinha se originado em uma pilha de grãos de café deixado nas docas que estava apodrecendo . Ele desenvolveu uma abordagem muito agressiva ao tratamento, sangrando abundantemente seus pacientes e administrando grandes quantidades de mercúrio. Essas terapias agressivas tornaram-se conhecidas, nem sempre favoravelmente, como "medicina heróica".




Voluntários da Filadélfia Afro-Americana


Como a população fugiu ou morreu, poucos foram deixados para atender a enfermagem e enterrar os cadáveres . Rush, que acreditava que os negros eram imunes à febre amarela, pediu aos membros da Sociedade Africana para vir para a frente e cuidar dos doentes e dos mortos. Absalom Jones e Richard Allen, dois homens negros livres, se ofereceram. Em poucas semanas Jones, Allen e outros estavam sangrando centenas de pessoas por dia sob a direção de Rush, bem como pacientes de enfermagem e carregando caixões.


Cerca de dois meses após a epidemia, no entanto, Rush viu que estava errado e negros começaram a adoecer, morrendo de febre amarela em aproximadamente a mesma taxa de brancos. Seus esforços, embora elogiados, foram desprezados pelo público branco como sendo especuladores . Em resposta, Jones e Allen publicaram a própria descrição de suas experiências



A Influência de São Domingos

O Hospital Bush Hill, que abrigava os doentes pobres, estava desesperadamente sem pessoal. Quando o prefeito de Filadélfia pediu ajuda ao público, um comerciante francês de São Domingos chamado Stephen Girard intensificou-se e recomendou que seu compatriota, Dr. Jean Devèze, dirigisse o hospital. Devèze recusou-se a acreditar que a febre amarela era contagiosa e desaprovava os tratamentos agressivos de Rush. Devèze mais tarde se tornou uma autoridade mundial sobre a febre amarela.

Editado e Traduzido
Se copiar é obrigatório citar o link do Blog AR NEWS

Fonte: Jones e Allen publicaram a descrição de suas experiências


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faça seu comentário